Gostou do artigo? Compartilhe!

Terapias à base de plantas e sintomas da menopausa: elas funcionam?

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Entre 40% e 50% das mulheres nos países ocidentais usam terapias complementares na tentativa de reduzir os sintomas1 da menopausa2. Revisão sistemática e meta-análise foi publicada pelo The Journal of the American Medical Association (JAMA) com o objetivo de determinar a associação de terapias à base de plantas e os sintomas1 da menopausa2.

As bases eletrônicas de dados Ovid Medline, Embase e Cochrane Central foram sistematicamente analisadas para identificar estudos elegíveis publicados antes de 27 de março de 2016. A seleção de estudos incluiu os ensaios clínicos3 randomizados que avaliaram terapias à base de plantas e a presença de ondas de calor, suores noturnos e secura vaginal. Os dados foram extraídos por dois revisores independentes usando um formulário de coleta de dados previamente criado. Os principais resultados e medidas avaliados foram os fogachos, suores noturnos e secura vaginal.

Foram identificados 62 estudos, incluindo 6653 mulheres. O uso de fitoestrogênios foi associado a uma diminuição no número de ondas de calor ao dia e redução da secura vaginal entre os grupos em tratamento, mas não no número de episódios de suores noturnos. As intervenções com fitoestrógeno, como a introdução na dieta e a suplementação4 com isoflavonas de soja, foram associadas à melhora nas ondas de calor e na secura vaginal. Vários remédios à base de plantas, mas não de plantas medicinais chinesas (fitoterapia chinesa), foram associados a uma diminuição global na frequência dos sintomas1 vasomotores. Havia heterogeneidade considerável na qualidade dos estudos disponíveis e 46 (74%) dos ensaios clínicos3 randomizados incluídos demonstraram um elevado risco de viés dentro de três ou mais áreas de qualidade do estudo.

Concluiu-se que esta meta-análise de estudos clínicos sugere que a suplementação4 de fitoestrogênios foi associada a reduções modestas na frequência das ondas de calor e na secura vaginal, mas nenhuma redução significativa nos suores noturnos. No entanto, por causa da qualidade subótima geral e da natureza heterogênea das evidências atuais, estudos mais rigorosos são necessários para determinar a associação das terapias à base de plantas com os sintomas1 na menopausa2.

Para saber mais sobre menopausa2 e climatério5, leia também: "Menopausa2. Você já chegou nela?", "Climatério5 e menopausa2: como são?" e "O que devemos saber sobre a Terapia de Reposição Hormonal ou TRH?"

 

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), de 21 de junho de 2016

NEWS.MED.BR, 2016. Terapias à base de plantas e sintomas da menopausa: elas funcionam?. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1267513/terapias-a-base-de-plantas-e-sintomas-da-menopausa-elas-funcionam.htm>. Acesso em: 30 mar. 2020.

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
3 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
4 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
5 Climatério: Conjunto de mudanças adaptativas que são produzidas na mulher como conseqüência do declínio da função ovariana na menopausa. Consiste em aumento de peso, “calores” freqüentes, alterações da distribuição dos pêlos corporais, dispareunia.
Gostou do artigo? Compartilhe!