Gostou do artigo? Compartilhe!

Cirurgiões da Unicamp desenvolvem técnica cirúrgica inovadora para retirada de tumor cerebral

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pesquisadores do Departamento de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp desenvolveram uma técnica inovadora para cirurgia de pacientes com schwannoma do nervo vestibular1, um tumor2 localizado na base do crânio3. A técnica consiste em operar o paciente na posição mastóide, ou seja, com a cabeça4 voltada para a lateral. Este tipo de cirurgia é realizada, na maioria dos países, com o enfermo semi-sentado e com monitoração constante por meio de aparelhagem, o que traz maior desconforto ao paciente e ao cirurgião.

Os resultados da nova técnica cirúrgica são mais eficazes do que os observados com a técnica convencional, possibilitando elevadas taxas de remoção do tumor2, com cura do paciente. A posição mastóide também diminuiu o índice de complicações fatais, como embolia5 gasosa ou entrada de ar na circulação6 sangüínea, além de reduzir o tempo cirúrgico e os custos da cirurgia.

 

Arquimedes Cavalcante Cardoso defendeu tese de doutorado na FCM sob orientação dos professores Guilherme Borges e Ricardo Ramina. Em sua pesquisa, ele apresenta um estudo descritivo e retrospectivo7 envolvendo 240 pacientes portadores da patologia8 – que perfaz 8% dos tumores cerebrais – que fizeram a cirurgia na posição mastóide. Segundo o neurocirurgião, trata-se de uma das maiores casuísticas já abordadas em literatura científica nacional.

 

O diagnóstico9 do schwannoma do nervo vestibular1, em geral, é feito por grupo multidisciplinar a partir de exames realizados principalmente por neurologistas e otorrinolaringologistas. Acomete homens e mulheres indiscriminadamente entre 40 e 50 anos. Entre os principais sintomas10, o paciente queixa-se de uma espécie de zumbido e de perda auditiva, que pode ocorrer em ambos os ouvidos ou em apenas um deles.

 

No estudo, o neurocirurgião constatou que, nas intervenções em que o volume do tumor2 era menor do que três centímetros, em 100% dos casos houve preservação da função do nervo facial11. Em 20 casos (nos quais os  pacientes apresentavam uma audição útil) oito conservaram o mesmo grau de audição.

 

Fonte: Unicamp

NEWS.MED.BR, 2007. Cirurgiões da Unicamp desenvolvem técnica cirúrgica inovadora para retirada de tumor cerebral. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/11663/cirurgioes-da-unicamp-desenvolvem-tecnica-cirurgica-inovadora-para-retirada-de-tumor-cerebral.htm>. Acesso em: 23 nov. 2020.

Complementos

1 Vestibular: 1. O sistema vestibular é um dos sistemas que participam do equilíbrio do corpo. Ele contribui para três funções principais: controle do equilíbrio, orientação espacial e estabilização da imagem. Sintomas vestibulares são aqueles que mostram alterações neste sistema. 2. Exame que aprova e classifica os estudantes a serem admitidos nos cursos superiores.
2 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
3 Base do Crânio: Região inferior do crânio consistindo de uma superfície interna (cerebral) e uma superfície externa (basal).
4 Cabeça:
5 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
6 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
7 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
8 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
9 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
10 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
11 Nervo facial:
Gostou do artigo? Compartilhe!