Gostou do artigo? Compartilhe!

JAMA: controle rígido da pressão arterial sistólica (até 120 mmHg) em idosos pode ser melhor para evitar doenças cardiovasculares

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um trabalho, com publicação online pelo The Journal of the American Medical Association (JAMA), teve o objetivo de avaliar os efeitos do controle intensivo (<120 mmHg) em comparação com o controle padrão (<140 mmHg) para os alvos da pressão arterial sistólica1 (PAS) em pessoas com 75 anos ou mais de idade, com hipertensão arterial2, mas sem diabetes3.

No estudo multicêntrico, com pacientes com 75 anos ou mais de idade, integrantes do estudo The Systolic Blood Pressure Intervention Trial (SPRINT), acompanhados de 20 de outubro de 2010 a 20 de agosto de 2015, os participantes foram distribuídos aleatoriamente para um alvo de PAS inferior a 120 mmHg (grupo de tratamento intensivo, n=1317) ou para um alvo de PAS inferior a 140 mmHg (grupo de tratamento padrão, n=1319).

Os resultados primários de doenças cardiovasculares4 foram um composto de infarto do miocárdio5 não fatal, síndrome6 coronariana aguda não resultando em infarto do miocárdio5, acidente vascular cerebral7 não fatal, insuficiência cardíaca8 aguda descompensada não fatal e morte por causas cardiovasculares. Todas as causas de mortalidade9 foram um resultado secundário.

Entre 2636 participantes (idade média de 79,9 anos; 37,9% mulheres), 2510 (95,2%) forneceram dados completos no acompanhamento. Em um acompanhamento médio de 3,14 anos, houve uma taxa significativamente menor do resultado primário composto (102 eventos no grupo de tratamento intensivo vs 148 eventos no grupo tratamento padrão) e de todas as causas de mortalidade9 (73 mortes vs 107 mortes, respectivamente). A taxa global de eventos adversos graves não foi diferente entre os grupos de tratamento (48,4% no grupo de tratamento intensivo vs 48,3% no grupo de tratamento padrão). As taxas absolutas de hipotensão10 foram de 2,4% no grupo de tratamento intensivo vs 1,4% no grupo de tratamento padrão e de 3,0% vs 2,4%, respectivamente, para síncope11; 4,0% vs 2,7% para alterações eletrolíticas; 5,5% vs 4,0% para lesão12 renal13 aguda e 4,9% vs 5,5% para quedas que levaram a danos secundários.

Entre os adultos estudados, um controle mais rígido da PAS (alvo de PAS inferior a 120 mmHg) em comparação com uma meta de PAS inferior a 140 mmHg (controle padrão) resultou em taxas de mortalidade9 e de eventos cardiovasculares fatais e não fatais significativamente mais baixas.

 

Fonte: Journal of the American Medical Association (JAMA), publicação online, em 19 de maio de 2016

NEWS.MED.BR, 2016. JAMA: controle rígido da pressão arterial sistólica (até 120 mmHg) em idosos pode ser melhor para evitar doenças cardiovasculares. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1103604/jama-controle-rigido-da-pressao-arterial-sistolica-ate-120-mmhg-em-idosos-pode-ser-melhor-para-evitar-doencas-cardiovasculares.htm>. Acesso em: 10 dez. 2019.

Complementos

1 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
2 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
3 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
4 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
5 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
6 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
7 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
8 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
9 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
10 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
11 Síncope: Perda breve e repentina da consciência, geralmente com rápida recuperação. Comum em pessoas idosas. Suas causas são múltiplas: doença cerebrovascular, convulsões, arritmias, doença cardíaca, embolia pulmonar, hipertensão pulmonar, hipoglicemia, intoxicações, hipotensão postural, síncope situacional ou vasopressora, infecções, causas psicogênicas e desconhecidas.
12 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
13 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
Gostou do artigo? Compartilhe!