Gostou do artigo? Compartilhe!

Evidências apontam a obesidade infantil como causadora de uma tendência à puberdade prematura em meninas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

De acordo com estudo da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, meninas obesas aos três anos de idade correm o risco de atingir a puberdade já aos nove. Publicada na revista especializada Pediatrics, a pesquisa reforça o crescente volume de evidências que apontam a obesidade1 infantil como causadora de uma tendência à puberdade prematura em meninas.

Para os especialistas britânicos, a puberdade mais cedo pode causar preocupação significativa em meninas. Segundo eles, há ainda um risco maior do desenvolvimento de determinados tipos de câncer2, como o de mama3. Meninas que atingem a puberdade mais cedo do que o "normal", aos dez anos ou mais, também começam a consumir bebidas alcoólicas e a iniciar sua vida sexual mais cedo.

Foram acompanhadas 354 meninas dos 3 aos 12 anos, provenientes do National Institute of Child Health and Human Development Study of Early Child Care and Youth Development. Destas, quase a metade (168) demonstraram sinais4 de puberdade, como o desenvolvimento de seios5, aos nove anos, e alto índice de massa corporal6 (IMC7) durante toda a infância.

O estudo da Universidade de Michigan se segue a um outro, realizado em 2000 pela Universidade de Bristol, na Grã-Bretanha, sugerindo que uma em cada seis meninas pesquisadas atingiu a puberdade antes dos oito anos de idade - 18 meses antes da chegada à puberdade de suas mães.

Para os pesquisadores de Michigan, estudos prévios constataram que meninas que tiveram puberdade mais cedo tendem a ter índice de massa corporal6 mais alto, mas não está claro se a puberdade levou ao aumento de peso ou se o aumento de peso é que levou à antecipação da puberdade. Este estudo oferece evidências da segunda opção.

Mais informações: Pediatrics

Para acompanhar o crescimento do seu filho: www.centralx8.com.br/crianca

 

NEWS.MED.BR, 2007. Evidências apontam a obesidade infantil como causadora de uma tendência à puberdade prematura em meninas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/10683/evidencias-apontam-a-obesidade-infantil-como-causadora-de-uma-tendencia-a-puberdade-prematura-em-meninas.htm>. Acesso em: 1 dez. 2020.

Complementos

1 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
4 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
5 Seios: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
6 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
7 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
8 Centralx: Empresa fornecedora de produtos e serviços na área de medicina. Fundada em 1989 a Centralx é líder no mercado de softwares e sistemas de informação médicos no Brasil.
Gostou do artigo? Compartilhe!