Gostou do artigo? Compartilhe!

American Journal of Clinical Nutrition: inatividade física é responsável por duas vezes mais mortes do que obesidade

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma caminhada de 20 minutos por dia pode ser suficiente para reduzir o risco de morte precoce de um indivíduo, de acordo com uma nova pesquisa publicada pelo American Journal of Clinical Nutrition. O estudo com mais de 334 mil mulheres e homens europeus descobriu que o dobro de mortes pode ser atribuído à falta de atividade física em comparação com o número de mortes atribuíveis à obesidade1, mas que apenas um modesto aumento na atividade física pode trazer benefícios significativos para a saúde2.

A mensagem é simples: apenas uma pequena quantidade de atividade física por dia pode ter benefícios substanciais para as pessoas que são fisicamente inativas.

A inatividade física tem sido consistentemente associada a um risco aumentado de morte prematura, bem como a um maior risco de doenças, tais como doenças cardíacas e câncer3. Embora também possa contribuir para o aumento do índice de massa corporal4 (IMC5) e obesidade1, a associação com a morte precoce é independente do IMC5 de um indivíduo.

Para medir a relação entre a inatividade física e a morte prematura e sua relação com a obesidade1, os pesquisadores analisaram dados de 334.161 homens e mulheres em toda a Europa que participam do estudo European Prospective Investigation into Cancer3 and Nutrition Study (EPIC). Entre 1992 e 2000, os pesquisadores mediram a altura, o peso e a circunferência da cintura e usaram a auto-avaliação para medir os níveis de atividade física. Os participantes foram seguidos ao longo de 12 anos, durante os quais 21.438 participantes morreram.

Os pesquisadores descobriram que a maior redução no risco de morte prematura ocorreu na comparação entre os grupos inativos e moderadamente inativos, julgados pela combinação de atividades no trabalho com atividades recreativas; pouco menos de um quarto (22,7%) dos participantes foram classificados como inativos, com relato de nenhuma atividade recreativa em combinação com uma ocupação sedentária. Os autores estimam que fazer o equivalente a apenas vinte minutos de caminhada por dia - queima entre 90 e 110 kcal (“quilocalorias'') levaria um indivíduo do grupo inativo a moderadamente inativo a reduzir o risco de morte prematura em 16 a 30%. O impacto foi maior entre os indivíduos com peso normal, mas mesmo aqueles com maior IMC5 observaram o benefício.

Utilizando os mais recentes dados disponíveis sobre mortes na Europa, os investigadores estimam que 337 mil dos 9,2 milhões de mortes entre mulheres e homens europeus eram atribuíveis à obesidade1 (classificados como um IMC5 superior a 30). No entanto, cerca do dobro desse número de mortes (676.000) poderia ser atribuído à inatividade física.

Fonte: American Journal of Clinical Nutrition, publicação online de 14 de janeiro de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. American Journal of Clinical Nutrition: inatividade física é responsável por duas vezes mais mortes do que obesidade. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/739972/american-journal-of-clinical-nutrition-inatividade-fisica-e-responsavel-por-duas-vezes-mais-mortes-do-que-obesidade.htm>. Acesso em: 11 dez. 2018.

Complementos

1 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
2 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
3 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
4 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
5 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
Gostou do artigo? Compartilhe!