Gostou do artigo? Compartilhe!

Vendo através da névoa: caracterizando a “névoa cerebral” em pacientes tratados para hipotireoidismo

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O fenômeno da névoa cerebral, ou névoa mental, conforme descrito por alguns pacientes com hipotireoidismo1 apesar do tratamento, é frequentemente associado a fadiga2 e sintomas3 cognitivos4 e pode ser aliviado por uma variedade de abordagens farmacológicas e não farmacológicas, sugere uma nova pesquisa.

Os resultados vêm de uma pesquisa com mais de 700 pacientes com hipotireoidismo1 devido à cirurgia da tireoide5 e/ou terapia com iodo radioativo6 (IRA) ou Hashimoto, que relataram ter névoa cerebral.

Os resultados da pesquisa foram apresentados em 29 de maio no Encontro Anual Virtual de 2021 da Associação Americana de Endocrinologia Clínica (AACE) pelos pesquisadores Matthew D. Ettleson, MD, e Ava Raine, da Universidade de Chicago, Illinois.

Muitos pacientes com hipotireoidismo1 continuam a apresentar sintomas3, apesar de fazerem a terapia de reposição do hormônio7 tireoidiano e de apresentarem resultados de teste de função tireoidiana normais.

Veja mais sobre "Hipotireoidismo1 - o que é", "Avaliação da tireoide5", "Tireoidite de Hashimoto" e "Tratamento com iodo radioativo6".

Esses sintomas3 podem incluir alterações cognitivas, de qualidade de vida e metabólicas quantificáveis. No entanto, “alguns pacientes também apresentam sintomas3 vagos e difíceis de quantificar, que eles descrevem como névoa cerebral”, disse Raine.

O fenômeno de névoa cerebral foi descrito com características um tanto variáveis ​​em várias condições crônicas diferentes, incluindo síndrome8 de taquicardia9 ortostática postural, encefalomielite miálgica / síndrome8 de fadiga2 crônica, fibromialgia10, síndrome8 pós-menopausa11 e, recentemente, entre pessoas com sintomas3 prolongados após COVID-19.

No entanto, a névoa cerebral associada ao hipotireoidismo1 tratado não foi explorada em profundidade, apesar do fato de que os pacientes frequentemente relatam isso, Raine observou.

Na apresentação, os pesquisadores relataram como, apesar da normalização dos níveis do hormônio7 estimulador da tireoide5 com a terapia de reposição do hormônio7 da tireoide5, muitos pacientes com hipotireoidismo1 permanecem insatisfeitos devido aos sintomas3 persistentes. Uma queixa comum é a disfunção cognitiva12, conhecida por alguns como “névoa cerebral”, embora esse rótulo tenha sido associado a outros distúrbios.

Assim, os objetivos principais da pesquisa foram caracterizar os sintomas3 proeminentes de névoa cerebral associados ao hipotireoidismo1 tratado, medir a correlação entre a gravidade dos sintomas3 e as medidas de satisfação do paciente, e catalogar fatores que melhoram e/ou pioram os sintomas3 de névoa cerebral.

Uma pesquisa online foi distribuída por meio de grupos de apoio ao hipotireoidismo1 e da American Thyroid Association. As questões de satisfação do paciente e gravidade dos sintomas3 foram pontuadas usando uma escala de Likert de 4 pontos. As respostas dos participantes sobre os fatores que melhoram ou pioram a névoa cerebral foram revisadas manualmente, categorizadas e classificadas por frequência.

Em um esforço para isolar o padrão de sintomas3 de névoa cerebral exclusivo para hipotireoidismo1, uma análise secundária foi realizada no subconjunto de indivíduos com início dos sintomas3 semanas / meses após serem submetidos à cirurgia da tireoide5 e/ou terapia com iodo radioativo6 (IRA). Os coeficientes de correlação de classificação de Kendall (tau-b) foram usados ​​para medir a associação entre a gravidade dos sintomas3 e os escores de satisfação do paciente.

Saiba mais sobre "Cirurgia da tireoide5 - quando é necessário fazer", "Hipotireoidismo1 - diagnóstico13 e tratamento" e "Cintilografia14 da tireoide5".

Dos 5.282 entrevistados incluídos na análise, 905 (17,1%) relataram o início dos sintomas3 de névoa cerebral semanas / meses após o diagnóstico13 de hipotireoidismo1; destes, 432 (47,8%) foram submetidos a cirurgia da tireoide5 e/ou terapia com IRA.

Falta de energia, esquecimento e sonolência foram os sintomas3 mais frequentes, com a falta de energia sendo reportada por mais de 90% dos indivíduos. Os escores de gravidade de dificuldade de foco, confusão mental e dificuldade de tomar decisões tiveram a correlação mais forte com o escore de satisfação do paciente (tau-b: 0,431, 0,382, 0,367, respectivamente; p <0,001 para todos).

Entre todos os indivíduos, modificações no comportamento, dieta e reposição do hormônio7 tireoidiano foram os fatores mais frequentemente mencionados que melhoraram ou pioraram os sintomas3.

Perguntados quais fatores melhoraram ou pioraram os sintomas3 de névoa cerebral, de longe, a resposta mais frequente foi repouso / relaxamento, endossada por 58,5%. Outros 10,5% listaram exercícios / atividades ao ar livre, mas 1,5% disseram que os exercícios pioraram seus sintomas3.

Ajustes não especificados de medicamentos para a tireoide5 melhoraram os sintomas3 em 13,9%. Os hormônios tireoidianos específicos relatados para melhorar os sintomas3 foram a liotironina em 8,8%, o extrato de tireoide5 em 3,1% e a levotiroxina15 em 2,7%. No entanto, outros 4,2% disseram que a tiroxina piorou seus sintomas3.

Dietas saudáveis ​​/ nutritivas melhoram os sintomas3 em 6,3%, enquanto o consumo de glúten16, uma dieta rica em açúcar17 e o consumo de álcool pioram os sintomas3 em 1,3%, 3,2% e 1,3%, respectivamente. Diz-se que a cafeína ajuda 3,1% e prejudica 0,6%.

Um pequeno número de pacientes relatou melhorias nos sintomas3 com vitaminas B12 e D, Adderall ou outros medicamentos estimulantes, antidepressivos, naltrexona, exposição ao sol e estabilidade da glicose18 no sangue19.

Outros fatores relatados como agravantes dos sintomas3 incluem menstruação20, infecção21 ou outra doença aguda, dor e “barulho alto”.

As queixas de névoa cerebral de pacientes com hipotireoidismo1 tratado tinham anteriormente descrições vagas e implicações pouco claras. Enquanto aqueles com névoa cerebral endossam uma série de sintomas3, os sintomas3 cognitivos4 parecem ter o impacto mais marcante na satisfação do paciente, o que pode diferenciar a névoa cerebral do hipotireoidismo1 de outras formas.

Esses achados apontam para o comportamento e a modificação do hormônio7 tireoidiano como estratégias potenciais para melhorar os sintomas3. São necessárias mais investigações sobre o estilo de vida e mudanças na medicação que ajudam a aliviar os sintomas3 de névoa cerebral, bem como o papel dos níveis séricos de hormônios tireoidianos em contribuir para a gravidade dos sintomas3 de névoa cerebral.

”Esperançosamente, essas descobertas ajudarão os médicos a reconhecer e tratar os sintomas3 da névoa cerebral e lançar luz sobre uma condição que até agora não foi muito bem compreendida”, disse Ettleson.

Leia também sobre "O que é TSH", "Síndrome8 da fadiga2 crônica", "Confusão mental" e "Doenças que causam cansaço excessivo".

 

Fontes:
AACE Annual Meeting 2021, resumo da apresenção publicado em 29 de maio de 2021.
Medscape, notícia publicada em 08 de junho de 2021.

 

NEWS.MED.BR, 2021. Vendo através da névoa: caracterizando a “névoa cerebral” em pacientes tratados para hipotireoidismo. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1395775/vendo-atraves-da-nevoa-caracterizando-a-nevoa-cerebral-em-pacientes-tratados-para-hipotireoidismo.htm>. Acesso em: 24 out. 2021.

Complementos

1 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
2 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
5 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
6 Radioativo: Que irradia ou emite radiação, que contém radioatividade.
7 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
8 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
9 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
10 Fibromialgia:
11 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
12 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
13 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
14 Cintilografia: Procedimento que permite assinalar num tecido ou órgão interno a presença de um radiofármaco e acompanhar seu percurso graças à emissão de radiações gama que fazem aparecer na tela uma série de pontos brilhantes (cintilação); também chamada de cintigrafia ou gamagrafia.
15 Levotiroxina: Levotiroxina sódica ou L-tiroxina (T4) é um hormônio sintético usado no tratamento de reposição hormonal quando há déficit de produção de tiroxina (T4) pela glândula tireoide.
16 Glúten: Substância viscosa, extraída de cereais, depois de eliminado o amido. É uma proteína composta pela mistura das proteínas gliadina e glutenina.
17 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
18 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
19 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
20 Menstruação: Sangramento cíclico através da vagina, que é produzido após um ciclo ovulatório normal e que corresponde à perda da camada mais superficial do endométrio uterino.
21 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
Gostou do artigo? Compartilhe!