Gostou do artigo? Compartilhe!

Mulheres, exercício e longevidade: estudo apresentado no congresso EuroEcho 2019

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As mulheres que conseguem se exercitar vigorosamente têm um risco significativamente menor de morrer de doenças cardíacas, câncer1 e outras causas. A pesquisa foi apresentada em 7 de dezembro no EuroEcho 2019, um congresso científico da Sociedade Europeia de Cardiologia (ESC).

O autor do estudo, Dr. Jesús Peteiro, do Hospital Universitário de Corunha, na Espanha, aconselhou as mulheres: "Exercite-se o máximo que puder. O condicionamento físico protege contra a morte por qualquer causa".

Saiba mais sobre "Atividade física", "Doenças cardiovasculares2" e "Câncer1 - informações importantes".

O exercício é bom para a saúde3 e a longevidade, mas as informações sobre as mulheres são escassas. As mulheres geralmente vivem mais do que os homens, por isso são necessários estudos dedicados a elas. Este estudo examinou a capacidade de exercício e a função cardíaca durante o exercício em mulheres e seus vínculos com a sobrevivência4. O estudo incluiu 4.714 mulheres adultas encaminhadas para ecocardiografia em exercício em esteira por causa de doença arterial coronariana conhecida ou suspeita.

As participantes caminharam ou correram em uma esteira, aumentando gradualmente a intensidade e continuando até a exaustão. Imagens do coração5 foram geradas durante o teste. O condicionamento físico foi definido como uma carga de trabalho máxima de 10 equivalentes metabólicos (METs), que é igual a subir rapidamente quatro lances de escada ou subir muito rápido três lances sem parar. As mulheres que atingiram 10 METs ou mais (boa capacidade de exercício) foram comparadas àquelas que atingiram menos de 10 METs (baixa capacidade de exercício).

Durante um acompanhamento médio de 4,6 anos, houve 345 mortes cardiovasculares, 164 mortes por câncer1 e 203 mortes por outras causas. Após o ajuste para fatores que poderiam influenciar o relacionamento, os METs foram significativamente associados ao menor risco de morte por doença cardiovascular, câncer1 e outras causas.

A taxa anual de mortes por doenças cardiovasculares2 foi quase quatro vezes maior em mulheres com baixa capacidade de exercício, em comparação com boa capacidade (2,2% versus 0,6%). As mortes anuais por câncer1 dobraram em pacientes com baixa capacidade de exercício, em comparação com boa capacidade (0,9% versus 0,4%). A taxa anual de mortes por outras causas foi mais de quatro vezes maior naqueles com baixa capacidade de exercício, em comparação com a boa capacidade (1,4% vs. 0,3%).

Dr. Peteiro disse: "A boa capacidade de exercício previu menor risco de morte por doenças cardiovasculares2, câncer1 e outras causas".

Ele observou que a maioria das participantes do estudo eram mulheres de meia-idade ou mais velhas: a idade média era de 64 e 80% tinham entre 50 e 75 anos. "Os resultados foram os mesmos para mulheres com mais de 60 anos e menos de 60 anos, embora o grupo com menos de 50 anos fosse pequeno", disse o Dr. Peteiro.

Em relação à imagem do coração5, os pesquisadores avaliaram a função do ventrículo esquerdo (uma das câmaras de bombeamento do coração5) durante o teste de esforço. Pacientes com insuficiência cardíaca6 durante o exercício apresentaram maior probabilidade de morte por doença cardiovascular durante o acompanhamento. A função cardíaca durante o exercício não previu a probabilidade de morte por câncer1 ou outras causas.

Dr. Peteiro disse: "Olhando para os dois exames juntos, é improvável que mulheres cujo coração5 funcione normalmente durante o exercício tenham um evento cardiovascular. Mas, se a capacidade de exercício for baixa, elas ainda correm o risco de morte por câncer1 ou outras causas. A melhor situação é ter desempenho cardíaco normal durante o exercício e boa capacidade de exercício".

Leia sobre "Prevenção do câncer1", "Caminhada" e "Musculação para idosos".

 

Fonte: European Society of Cardiology (ESC), em 07 de dezembro de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. Mulheres, exercício e longevidade: estudo apresentado no congresso EuroEcho 2019. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1354038/mulheres-exercicio-e-longevidade-estudo-apresentado-no-congresso-euroecho-2019.htm>. Acesso em: 26 fev. 2020.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
5 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
6 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
Gostou do artigo? Compartilhe!