Gostou do artigo? Compartilhe!

Mulheres na pós-menopausa com "IMC normal" podem ter sobrepeso ou mesmo serem obesas

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Faz 20 anos que o governo federal americano, sob o conselho de um painel de especialistas convocado pelo National Heart, Lung, and Blood Institute (NHLBI), baixou o ponto de corte do índice de massa corporal1 (IMC2) para o excesso de peso, uma atitude que os céticos se preocuparam, pois ela poderia incentivar aqueles americanos lutando para perder peso a “jogar a toalha”.

Saiba mais sobre "Como calcular seu IMC2?".

No entanto, logo após a publicação das diretrizes, os pesquisadores começaram a sugerir que o ponto de corte - o menor IMC2 no qual as pessoas são classificadas como com “excesso de peso” - ainda não era suficientemente baixo para pelo menos um segmento da população: mulheres na pós-menopausa3. A classificação incorreta poderia fazer com que algumas mulheres perdessem os tratamentos que poderiam reduzir seus riscos de problemas de saúde4 relacionados à obesidade5, particularmente doenças cardiovasculares6.

O índice de massa corporal1 (IMC2) é uma estimativa da gordura7 corporal com base no peso em relação à altura. O painel de especialistas do NHLBI recomendou baixar o ponto de corte do sobrepeso8 para 25 para todos os adultos e recomendou o valor de 30 como ponto de corte para a obesidade5. Essas mudanças colocaram a definição americana de excesso de peso e obesidade5 de acordo com a definição da Organização Mundial da Saúde4 (OMS).

De acordo com o relatório final do painel de especialistas do NHLBI, estudos epidemiológicos mostraram que um IMC2 de 25 até 30 foi associado a um modesto aumento da mortalidade9, enquanto um IMC2 de 30 ou mais estava associado a taxas de mortalidade9 50% a 100% maiores do que entre pessoas com um IMC2 de 20 a 25. Quando o governo federal baixou o corte de IMC2 para o excesso de peso, 29 milhões de americanos que haviam sido considerados como “peso normal” já não se enquadravam mais nesta classificação.

Mas o IMC2 é apenas um fator para avaliar a gordura7 corporal. Um estudo recente sugeriu que mesmo os pontos de corte reduzidos não conseguem capturar a maioria das mulheres pós-menopáusicas cuja porcentagem real de gordura7 corporal seria classificada como obesa e, muito menos, aquelas cuja porcentagem de gordura7 corporal seria classificada como excesso de peso. Para melhorar a sensibilidade do IMC2 na identificação de mulheres na pós-menopausa3 em risco de doenças relacionadas à obesidade5, os autores do recente estudo concluíram que o limite de obesidade5 pode ser definido como 24,9, o que atualmente é o topo da faixa normal de IMC2 para a população adulta em geral.

"O IMC2 foi apresentado pela Organização Mundial da Saúde4 como um tipo de solução única para quantificar a composição corporal de qualquer pessoa", disse o primeiro autor deste estudo, Hailey Banack, PhD, pós-doutorando em epidemiologia na University at Buffalo, the State University of New York. "Eu acho que nossa pesquisa está mostrando que realmente não é o caso".

Banack e seus co-autores usaram varreduras de absorciometria de raios-x de dupla energia, do corpo inteiro, exame padrão ouro para medição de adiposidade, para avaliar a composição corporal de 1.329 mulheres na pós-menopausa3, com idades entre 53 e 85 anos, de Buffalo, Nova York. Os pesquisadores definiram a obesidade5 como um IMC2 de 30 ou mais ou uma porcentagem de gordura7 corporal superior a 35%, 38% ou 40%. (Eles testaram 3 pontos de corte diferentes porque não existe consenso sobre qual porcentagem de gordura7 corporal deve ser usada para definir a obesidade5, de acordo com os autores).

O corte padrão do IMC2 de 25 para o excesso de peso e 30 para a obesidade5 pode ser muito alto para as mulheres na pós-menopausa3 porque a composição corporal muda ao longo do tempo. À medida que envelhecem, as mulheres tendem a perder massa óssea e muscular, que são mais pesadas do que as gorduras. Então, mesmo que uma mulher de 65 anos pese o mesmo que ela pesava aos 25 anos de idade, a gordura7 é responsável pela maior parte do peso. E essa gordura7 não é distribuída em seu corpo do jeito que era aos 25 anos. Mais do que isso, é gordura7 visceral armazenada no abdômen, em oposição à gordura subcutânea10, e a primeira é mais arriscada do que a última. A gordura7 visceral tem sido associada à disfunção metabólica, incluindo maior colesterol11 total e lipoproteína de baixa densidade ("colesterol11 ruim"), bem como à resistência à insulina12.

Banack e seus colaboradores descobriram que a maioria das mulheres cuja porcentagem de gordura7 corporal era de 35% ou mais - o que significava que eram obesas e com maior risco de problemas de saúde4 relacionados à obesidade5 - tinham um IMC2 inferior a 30. Classificadas pela porcentagem de gordura7 corporal, apenas 32,4% das mulheres com 35% de gordura7 corporal, 44,6% das mulheres com 38% de gordura7 corporal e 55,2% das pessoas com 40% de gordura7 corporal tinham um IMC2 de 30 ou mais no estudo de Banack.

Leia mais sobre "Como reduzir seu colesterol11" e "Colesterol11 LDL13".

Os homens também acumulam mais gordura7 visceral à medida que envelhecem, mas "isso é muito mais acentuado nas mulheres", disse Gary Hunter, PhD, professor do departamento de estudos humanos da Universidade do Alabama, Birmingham, que estudou a mudança na gordura7 visceral relacionada à idade. Entre as idades de 25 e 65 anos, a mulher mediana perderá aproximadamente 13 quilos de massa muscular e osso, enquanto sua gordura7 visceral quase quadruplicará de tamanho, disse Hunter. Em comparação, a gordura7 visceral do homem mediano dobrará em tamanho entre as idades de 25 e 65 anos.

Hunter disse que ele e outros desenvolveram limites para a quantidade de gordura7 visceral que provavelmente sejam seguros e a quantidade em que poderiam aumentar os riscos para a saúde4. A avaliação da gordura7 visceral geralmente é feita com tomografia computadorizada14 ou ressonância magnética15, mas essas tecnologias são muito caras para uso rotineiro, sendo esta uma das razões pelas quais o IMC2 é tão amplamente utilizado para pesquisar pessoas com excesso de peso ou obesidade5.

Ao contrário de medir a porcentagem de gordura7 corporal ou a gordura7 visceral, o cálculo16 do IMC2 não requer equipamentos caros executados por técnicos experientes, é muito útil para fins de comparação, mas pode não ser válido para todos os grupos populacionais, disse Banack.

Mesmo a OMS reconhece que é provavelmente esse o caso. "O IMC2 fornece a medida mais útil do nível populacional de excesso de peso e obesidade5, pois é o mesmo para ambos os sexos e para todas as idades dos adultos", de acordo com a ficha informativa da OMS sobre obesidade5 e sobrepeso8. "No entanto, deve ser considerado um guia aproximado porque pode não corresponder ao mesmo grau de gordura7 em diferentes indivíduos".

Veja sobre "Como medir sua cintura", "Obesidade5", "Menopausa3" e "Climatério17 e menopausa3".

Barbara Howard, PhD, cientista sênior18 e ex-presidente do MedStar Health Research Institute, em Hyattsville, Maryland, participou do comitê especial do NHLBI que recomendava diminuir o ponto de corte do excesso de peso corporal para todos os adultos para até 25. O painel reconheceu que haveria variações na porcentagem de gordura7 corporal no mesmo IMC2 entre diferentes grupos, particularmente populações raciais/étnicas, disse Howard, professora de medicina na Georgetown University School of Medicine. "Nós decidimos que começar a fazer diferentes pontos de corte para diferentes pessoas simplesmente ia confundir o campo", disse ela, observando que o IMC2 é apenas um fator que os médicos devem considerar ao decidir se uma paciente na pós-menopausa3 precisa ser tratada para obesidade5. "É aí que vem o julgamento médico".

JoAnn Manson, MD, DrPH, chefe da Divisão de Medicina Preventiva do Brigham and Women's Hospital em Boston, ecoou Howard. "Você precisa analisar quais são seus fatores de risco cardiovascular no contexto do IMC2", disse Manson, observando que existem algumas evidências de que indivíduos com sobrepeso8 ou mesmo obesos com lipídios sanguíneos, resistência à insulina12 e pressão arterial19 normais podem não ter um risco aumentado de doença cardiovascular. No entanto, ela observou: "Com o tempo, alguns desses fatores de risco podem aumentar. Não queremos incentivar a complacência apenas porque os fatores de risco estão em uma boa margem".

Manson, que detém uma cadeira importante no departamento de saúde4 das mulheres na Harvard Medical School, disse que acha que medir a circunferência da cintura é "extremamente valioso" para determinar se as pacientes na pós-menopausa3 possuem muita gordura7 visceral. No relatório de 1998, o painel de especialistas do NHLBI foi o primeiro a recomendar verificar a circunferência da cintura em pessoas cujo IMC2 estava entre 25 e 34,9, porque cintura maior que 89 centímetros nas mulheres e 102 centímetros nos homens estava associada a uma maior chance de fatores de risco relacionados à obesidade5. "Se a circunferência da cintura é alta, não importa o que seja o IMC2, haverá preocupações sobre risco cardiovascular, risco de diabetes20 e resultados cardiometabólicos", disse Manson.

Leia também: "Novo estudo revela: relação cintura-quadril é melhor que o IMC2 para discriminar o acúmulo de cálcio nas artérias21 coronarianas".

Os números não contam a história inteira. "Independentemente do que seja o ponto de corte, haverá muita variação individual em termos do que o IMC2 significa", explicou. Manson disse que prefere se concentrar em comportamentos de estilo de vida em vez de peso corporal por si só. Se uma mulher na pós-menopausa3 é fisicamente ativa e sua cintura não mudou muito ao longo dos anos, ela provavelmente não precisa se preocupar que seu IMC2 de 25 possa ser muito alto. "Eu sempre penso sobre a atividade física como a mágica da boa saúde4", disse Manson.

Alterar os limites de meta do IMC2 pode acabar desencorajando as mulheres em vez de motivá-las, disse Joann Pinkerton, MD, diretor executivo da North American Menopause Society e professor de ginecologia e obstetrícia na University of Virginia. "Dizer a alguém para perder 10 a 15 quilos é desagradável", disse Pinkerton. "E sabemos que perder apenas 5 quilos pode fazer uma grande diferença na saúde4".

Intuitivamente, pode fazer sentido reduzir o corte de IMC2 para a obesidade5 em mulheres na pós-menopausa3, mas a pesquisa que poderia determinar se isso beneficiaria essas mulheres ainda não existe. Samar El Khoudary, PhD, MPH, professor assistente de epidemiologia da University of Pittsburgh Graduate School of Public Health, disse que a conclusão de Banack de que 30 é um limite muito alto é "uma sugestão interessante". No entanto, ele disse que "Ainda precisamos avaliar o impacto da mudança deste ponto de corte sobre os resultados de saúde4 e os riscos para essas mulheres".

Veja também sobre "Lipoaspiração", "Cirurgia bariátrica22", "Tipos de cirurgia bariátrica22", "Síndrome metabólica23" e "Abdominoplastia24".

 

Fonte: JAMA, publicação online em 7 de março de 2018

 

NEWS.MED.BR, 2018. Mulheres na pós-menopausa com "IMC normal" podem ter sobrepeso ou mesmo serem obesas. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1315263/mulheres-na-pos-menopausa-com-quot-imc-normal-quot-podem-ter-sobrepeso-ou-mesmo-serem-obesas.htm>. Acesso em: 22 fev. 2020.

Complementos

1 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
2 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
3 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
6 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
7 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
8 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
9 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
10 Gordura Subcutânea: Tecido gorduroso abaixo da pele em todo o corpo.
11 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
12 Resistência à insulina: Inabilidade do corpo para responder e usar a insulina produzida. A resistência à insulina pode estar relacionada à obesidade, hipertensão e altos níveis de colesterol no sangue.
13 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
14 Tomografia computadorizada: Exame capaz de obter imagens em tons de cinza de “fatias” de partes do corpo ou de órgãos selecionados, as quais são geradas pelo processamento por um computador de uma sucessão de imagens de raios X de alta resolução em diversos segmentos sucessivos de partes do corpo ou de órgãos.
15 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
16 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
17 Climatério: Conjunto de mudanças adaptativas que são produzidas na mulher como conseqüência do declínio da função ovariana na menopausa. Consiste em aumento de peso, “calores” freqüentes, alterações da distribuição dos pêlos corporais, dispareunia.
18 Sênior: 1. Que é o mais velho. 2. Diz-se de desportistas que já ganharam primeiros prêmios: um piloto sênior. 3. Diz-se de profissionais experientes que já exercem, há algum tempo, determinada atividade.
19 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
20 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
21 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
22 Cirurgia Bariátrica:
23 Síndrome metabólica: Tendência de várias doenças ocorrerem ao mesmo tempo. Incluindo obesidade, resistência insulínica, diabetes ou pré-diabetes, hipertensão e hiperlipidemia.
24 Abdominoplastia: Cirurgia plástica ou estética que remodela o abdome, retirando o excesso de tecido (pele e gordura) que se acumula abaixo do umbigo e ajustando a musculatura abdominal frouxa.
Gostou do artigo? Compartilhe!