Atalho: 5RC9XGV
Gostou do artigo? Compartilhe!

Governo investe 125 milhões de reais na sexta edição da Campanha Nacional de Vacinação do Idoso

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As campanhas de vacinação de idosos começaram em 1999. De lá pra cá, milhões de pessoas são vacinadas todos os anos no Brasil. Em 2004, a meta nacional foi superada e a vacinação atingiu 85% da população com mais de 60 anos, conquistando uma das melhores coberturas vacinais em todo o mundo. Mais de 80% dos municípios brasileiros superaram a meta de vacinação estabelecida pelo Ministério da Saúde1 nos anos de 1999, 2001 e 2003.

A campanha segue recomendação da Organização Mundial de Saúde1 (OMS) de priorizar os idosos na vacinação. Leva-se em consideração que o organismo do idoso é mais vulnerável. Eles podem sofrer complicações, como a pneumonia2 ou a desestabilização de um quadro de doença cardíaca ou renal3.

O investimento do Governo para a Campanha de 2005 foi de 125 milhões de reais, divididos em:

-> 104,6 milhões de reais em 18,3 milhões de doses contra o vírus4 influenza5;
-> 7 milhões de reais em 285,4 mil doses contra pneumococos;
-> 1 milhão de reais em 1,1 milhão de doses contra difteria6 e tétano7;
-> 486 mil reais em um milhão de doses contra Febre Amarela8;
-> Os estados e municípios receberão um total de 4,8 milhões de reais, com repasse fundo a fundo, para ações de mobilização;
-> 5 milhões de reais para publicidade da Campanha.

A vacina9 contra a gripe10 é produzida com base nas três cepas11 (subtipo de vírus4) de maior circulação12 no Hemisfério Sul. Essa combinação eleva a capacidade de proteção da vacina9. Ela diminui em 90% dos casos o risco de contrair a doença. A vacina9 não causa a gripe10, leva duas semanas para produzir efeito e deve ser tomada todos os anos.



Fonte: Assessoria de Imprensa da Secretaria de Vigilância em Saúde1

NEWS.MED.BR, 2005. Governo investe 125 milhões de reais na sexta edição da Campanha Nacional de Vacinação do Idoso. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1063/governo-investe-125-milhoes-de-reais-na-sexta-edicao-da-campanha-nacional-de-vacinacao-do-idoso.htm>. Acesso em: 12 dez. 2019.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Pneumonia: Inflamação do parênquima pulmonar. Sua causa mais freqüente é a infecção bacteriana, apesar de que pode ser produzida por outros microorganismos. Manifesta-se por febre, tosse, expectoração e dor torácica. Em pacientes idosos ou imunodeprimidos pode ser uma doença fatal.
3 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
4 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
5 Influenza: Doença infecciosa, aguda, de origem viral que acomete o trato respiratório, ocorrendo em epidemias ou pandemias e frequentemente se complicando pela associação com outras infecções bacterianas.
6 Difteria: Doença infecto-contagiosa que afeta as vias respiratórias superiores, caracterizada pela produção de uma falsa membrana na garganta como resultado da ação de uma toxina bacteriana. Este microorganismo é denominado Corinebacterium difteriae, e é capaz de produzir doença neurológica e cardíaca também.Atualmente, está disponível uma vacina eficiente (a tríplice ou DPT) para esta doença, que tem tornado-se rara.
7 Tétano: Toxinfecção produzida por uma bactéria chamada Clostridium tetani. Esta, ao infectar uma ferida cutânea, produz uma toxina (tetanospasmina) altamente nociva para o sistema nervoso que produz espasmos e paralisia dos nervos afetados. Pode ser fatal. Existe vacina contra o tétano (antitetânica) que deve ser tomada sempre que acontecer um traumatismo em que se suspeita da contaminação por esta bactéria. Se a contaminação for confirmada, ou se a pessoa nunca recebeu uma dose da vacina anteriormente, pode ser necessário administrar anticorpos exógenos (de soro de cavalo) contra esta toxina.
8 Febre Amarela: Doença infecciosa aguda, de curta duração (no máximo 10 dias), gravidade variável, causada pelo vírus da febre amarela, que ocorre na América do Sul e na África. Os sintomas são: febre, dor de cabeça, calafrios, náuseas, vômito, dores no corpo, icterícia (a pele e os olhos ficam amarelos) e hemorragias (de gengivas, nariz, estômago, intestino e urina). A única forma de prevenção é a vacinação contra a doença.
9 Vacina: Tratamento à base de bactérias, vírus vivos atenuados ou seus produtos celulares, que têm o objetivo de produzir uma imunização ativa no organismo para uma determinada infecção.
10 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
11 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
12 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
Gostou do artigo? Compartilhe!