Atalho: 5RC9ZYF
Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo verifica eficácia de células-tronco em cardíacos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Três pacientes pernambucanos passam a integrar, nesta quinta-feira, dia 21, a fase clínica do estudo patrocinado pelo Ministério da Saúde1 para verificar a eficácia do uso de células-tronco2 adultas em doentes cardíacos graves. Equipes lideradas pelo médico Carlos Roberto Moraes, do Instituto do Coração3 do Real Hospital Português de Beneficência, farão as intervenções em um paciente portador de cardiomiopatia dilatada e em outro, portador de doença isquêmica do coração3. À tarde, no Hospital Oswaldo Cruz, a equipe do especialista Wilson Oliveira Júnior inicia o procedimento num doente com cardiopatia chagásica.

No dia 10 de junho, o estudo, que vai envolver 33 instituições e 1,2 mil pacientes em nove estados e no Distrito Federal, teve início simultaneamente no Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia. Desde então, os outros centros colaboradores do Estudo Multicêntrico Randomizado4 de Terapia Celular em Cardiopatias também deram início às pesquisas.

Um estudo randomizado5 funciona da seguinte maneira: os voluntários são divididos em dois grupos. A metade recebe células-tronco2 e o tratamento mais moderno para sua patologia6; a outra metade recebe o mesmo tratamento, mas sem as células-tronco2. O estudo sobre a eficácia de células-tronco2 adultas em portadores de cardiopatias dividiu os 1,2 mil voluntários selecionados em quatro grupos, com 300 pessoas cada, de acordo com a doença cardíaca. Os quatro grupos foram subdivididos em um grupo controle e outro de teste, mas apenas os pacientes selecionados aleatoriamente para o grupo de teste receberão agora o implante7 de células-tronco2. No final do período, os dois grupos serão comparados.

Cada um dos pacientes que passam hoje a integrar a pesquisa será submetido a uma punção da medula óssea8 para retirada das células9 que se encontram no interior do osso da bacia. Depois, esse material será tratado e preparado para ser reinjetado no paciente, caso ele seja um dos selecionados para receber células-tronco2. Do contrário, o material será congelado para utilização futura e uma solução placebo10 será utilizada. Em qualquer das alternativas, serão assegurados ao doente que participa do estudo as melhores condições de tratamento, incluindo medicação e acompanhamento médico.

Fonte: Ministério da Saúde1

NEWS.MED.BR, 2005. Estudo verifica eficácia de células-tronco em cardíacos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1032/estudo-verifica-eficacia-de-celulas-tronco-em-cardiacos.htm>. Acesso em: 25 nov. 2020.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Células-tronco: São células primárias encontradas em todos os organismos multicelulares que retêm a habilidade de se renovar por meio da divisão celular mitótica e podem se diferenciar em uma vasta gama de tipos de células especializadas.
3 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
4 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
6 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
7 Implante: 1. Em cirurgia e odontologia é o material retirado do próprio indivíduo, de outrem ou artificialmente elaborado que é inserido ou enxertado em uma estrutura orgânica, de modo a fazer parte integrante dela. 2. Na medicina, é qualquer material natural ou artificial inserido ou enxertado no organismo. 3. Em patologia, é uma célula ou fragmento de tecido, especialmente de tumores, que migra para outro local do organismo, com subsequente crescimento.
8 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
9 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
10 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
Gostou do artigo? Compartilhe!