Atalho: 5RCA0U2
Gostou do artigo? Compartilhe!

Hidratação nasal: chega ao país o Maxidrate, da Libbs

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O primeiro medicamento específico1 para o tratamento do ressecamento nasal já está no Brasil. O laboratório Libbs lançou o Maxidrate (cloreto de sódio 4,5 mg/g) em forma de gel para hidratação nasal. Diferente dos outros medicamentos do mercado, o Maxidrate não é usado para limpeza ou desobstrução nasal. Sua indicação é específica para a hidratação da mucosa2 do nariz3.

Acompanhado de um dispositivo aplicador, este medicamento promete dar fim ao sintoma4 de secura nasal que acompanha diversas condições: exposição ao frio, poluição e ar condicionado, regiões de clima seco como o Centro-Oeste brasileiro, uso de alguns medicamentos para hipertensão5 e para acne6 que ressecam a mucosa2 nasal, doenças como rinite7, dentre outras.

Em função de sua apresentação em forma de gel, o Maxidrate apresenta efeito mais durador que os líquidos ou loções disponíveis no mercado, já que tem a capacidade de fixação três vezes maior que as soluções salinas existentes. Ele proporciona hidratação com apenas uma aplicação ao dia.

Sabe-se que a reidratação nasal com solução fisiológica8 é um método amplamente utilizado no tratamento da secura e irritação nasais. Mas a aplicação de soluções fisiológicas9 somente minimiza o desconforto por um período muito curto de tempo, obrigando a repetição da aplicação várias vezes durante o dia ou à noite.

Maxidrate não contém conservantes e não apresenta efeitos colaterais10. Pode ser usado por pessoas com mais de 12 anos.

NEWS.MED.BR, 2005. Hidratação nasal: chega ao país o Maxidrate, da Libbs. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/932/hidratacao-nasal-chega-ao-pais-o-maxidrate-da-libbs.htm>. Acesso em: 19 set. 2019.

Complementos

1 Medicamento específico: O termo aplica-se a produtos farmacêuticos, tecnicamente obtidos ou elaborados, com finalidade profilática, curativa ou paliativa não enquadrados nas categorias de medicamento novo, genérico, similar, biológico, fitoterápico ou notificado e cuja(s) substância(s) ativa(s), independente da natureza ou origem, não é(são) passível(is) de ensaio de bioequivalência, frente a um produto comparador.
2 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
3 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
4 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
6 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
7 Rinite: Inflamação da mucosa nasal, produzida por uma infecção viral ou reação alérgica. Manifesta-se por secreção aquosa e obstrução das fossas nasais.
8 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
9 Fisiológicas: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
10 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
Gostou do artigo? Compartilhe!