Gostou do artigo? Compartilhe!

FDA aprova Briviact para tratar crises convulsivas parciais

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A Food and Drug Administration (FDA), dos EUA, aprovou o Briviact (brivaracetam) como um adicional a outros medicamentos para o tratamento de crises parciais em doentes epilépticos com idade de 16 anos ou mais.

A epilepsia1 é uma desordem cerebral que leva as pessoas a terem convulsões recorrentes. A convulsão2 é um episódio, geralmente de duração relativamente curta, de atividade cerebral anormal. As convulsões podem causar uma variedade de sintomas3, incluindo movimentos descontrolados ou espasmos4, pensamento, comportamento e sensações anormais. Os espasmos4 musculares podem ser violentos e pode ocorrer perda de consciência.

Os pacientes podem ter respostas diferentes para os vários medicamentos anticonvulsivantes que estão disponíveis. A aprovação do Briviact é uma nova opção de tratamento para pacientes5 com epilepsia1.

A eficácia do Briviact foi estudada em três ensaios clínicos6 envolvendo 1.550 participantes. Briviact, tomado juntamente com outros medicamentos, mostrou ser eficaz na redução da frequência das convulsões. Os efeitos secundários mais comuns foram sonolência, tonturas7, fadiga8, náuseas9 e vômitos10.

Como todas as outras medicações que tratam a epilepsia1, os riscos mais graves incluem pensamentos suicidas, tentativas de cometer suicídio, sentimentos de agitação ou depressão, agressão e ataques de pânico. Raramente, os pacientes podem apresentar uma reação alérgica11 associada a inchaço12 dos lábios, pálpebras13 ou língua14, com ou sem dificuldade respiratória.

 

Fonte: FDA News Release, de 19 de fevereiro de 2016

NEWS.MED.BR, 2016. FDA aprova Briviact para tratar crises convulsivas parciais. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/819954/fda-aprova-briviact-para-tratar-crises-convulsivas-parciais.htm>. Acesso em: 12 nov. 2019.

Complementos

1 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
2 Convulsão: Episódio agudo caracterizado pela presença de contrações musculares espasmódicas permanentes e/ou repetitivas (tônicas, clônicas ou tônico-clônicas). Em geral está associada à perda de consciência e relaxamento dos esfíncteres. Pode ser devida a medicamentos ou doenças.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Espasmos: 1. Contrações involuntárias, não ritmadas, de um ou vários músculos, podendo ocorrer isolada ou continuamente, sendo dolorosas ou não. 2. Qualquer contração muscular anormal. 3. Sentido figurado: arrebatamento, exaltação, espanto.
5 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
6 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
7 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
8 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
9 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
10 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
11 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
12 Inchaço: Inchação, edema.
13 Pálpebras:
14 Língua:
Gostou do artigo? Compartilhe!