Gostou do artigo? Compartilhe!

JAMA: omeprazol e demência. Esclareça suas dúvidas.

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O uso de inibidores da bomba de prótons (omeprazol, por exemplo) e de antagonistas do receptor H2 da histamina1 (cimetidina, por exemplo) pode levar à deficiência de vitamina2 B12 no organismo, o que em alguns casos pode desencadear demência3.

Os inibidores da bomba de prótons (IBP) e os antagonistas do receptor H2 da histamina1 (H2RA) suprimem a produção de ácido gástrico4 e por isso podem levar à má absorção de vitamina2 B12. No entanto, existem poucos dados a respeito das associações entre a exposição em longo prazo a estes medicamentos e a deficiência de vitamina2 B12 em grandes estudos populacionais.

Com o objetivo de estudar esta associação entre o uso de IBP e de H2RAs e a deficiência de vitamina2 B12, em um cenário baseado na comunidade, nos Estados Unidos, foi realizado um estudo divulgado pelo The Journal of the American Medical Association (JAMA).

Pesquisadores da Division of Research do Kaiser Permanente, Oakland Medical Center, avaliaram a associação entre a deficiência de vitamina2 B12 e o uso prévio de medicação de supressão de ácido gástrico4 utilizando um estudo de caso-controle na população do Kaiser Permanente na região norte da Califórnia. Foram comparados 25.956 pacientes com diagnóstico5 de deficiência de vitamina2 B12 incidente6, entre janeiro de 1997 e junho de 2011, com 184.199 pacientes sem deficiência de vitamina2 B12. As exposições e os resultados foram apurados por via eletrônica em bancos de dados de farmácias, laboratórios e centros de diagnósticos.

O risco de deficiência de vitamina2 B12 foi estimado pelo odds ratio (OR) de regressão logística condicional.

Entre os pacientes com diagnóstico5 incidente6 de deficiência de vitamina2 B12, 3.120 (12,0%) receberam PPIs por dois anos ou mais, 1.087 (4,2%) receberam H2RAs por dois anos ou mais (sem qualquer uso de PPI) e 21.749 (83,8%) não tinham recebido prescrição para qualquer PPIs ou H2RAs. Entre os pacientes sem deficiência de vitamina2 B12, 13.210 (7,2%) receberam PPIs por dois anos ou mais, 5.897 (3,2%) receberam H2RAspor dois anos ou mais (sem qualquer uso PPI) e 165.092 (89,6%) não tinham recebido prescrição para qualquer PPIs ou H2RAs. Tanto o uso de PPIs (OR 1,65 [IC 95% 1,58-1,73]) por dois anos ou mais quanto o uso de H2RAs (OR 1,25 [IC 95% 1,17-1,34]) foram associados a um risco aumentado de deficiência de vitamina2 B12. Doses maiores do que um comprimido e meio ao dia foram mais fortemente associadas à deficiência de vitamina2 B12 (OR 1,95 [IC 95% 1,77-2,15]) do que as doses inferiores a três quartos do comprimido ao dia (OR 1,63 [IC 95% 1,48-1,78]; P=0,007 para a interação).

As conclusões mostram que o uso anterior ou atual de inibidores de ácido gástrico4 foi significativamente associado à presença de deficiência de vitamina2 B12. Estes resultados devem ser considerados entre os riscos e os benefícios do uso dessas medicações no momento das prescrições médicas.

A vitamina2 B12 é importante para a formação e maturação das hemácias7 e é necessária para o desenvolvimento e manutenção das funções do sistema nervoso8. Sua principal fonte são os alimentos de origem animal. No entanto, para absorvê-la, o corpo depende de fatores intrínsecos presentes em um tipo especial de células9 que ficam no estômago10 (células9 parietais) e de receptores localizados no íleo11. Em casos de deficiência de vitamina2 B12, pode haver anemia12, acompanhada ou não por dificuldades de locomoção, formigamentos nas mãos13, pés e pernas, palidez, fraqueza muscular, infertilidade14, demência3, dentre outros sintomas15.

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), volume 310, número 22, de 11 de dezembro de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. JAMA: omeprazol e demência. Esclareça suas dúvidas.. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/736682/jama-omeprazol-e-demencia-esclareca-suas-duvidas.htm>. Acesso em: 29 mar. 2020.

Complementos

1 Histamina: Em fisiologia, é uma amina formada a partir do aminoácido histidina e liberada pelas células do sistema imunológico durante reações alérgicas, causando dilatação e maior permeabilidade de pequenos vasos sanguíneos. Ela é a substância responsável pelos sintomas de edema e irritação presentes em alergias.
2 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
3 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
4 Ácido Gástrico: Ácido clorídrico presente no SUCO GÁSTRICO.
5 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
6 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
7 Hemácias: Também chamadas de glóbulos vermelhos, eritrócitos ou células vermelhas. São produzidas no interior dos ossos a partir de células da medula óssea vermelha e estão presentes no sangue em número de cerca de 4,5 a 6,5 milhões por milímetro cúbico, em condições normais.
8 Sistema nervoso: O sistema nervoso é dividido em sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e a porção periférica está constituída pelos nervos cranianos e espinhais, pelos gânglios e pelas terminações nervosas.
9 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
10 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
11 Íleo: A porção distal and mais estreita do INTESTINO DELGADO, entre o JEJUNO e a VALVA ILEOCECAL do INTESTINO GROSSO. Sinônimos: Ileum
12 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
13 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
14 Infertilidade: Capacidade diminuída ou ausente de gerar uma prole. O termo não implica a completa inabilidade para ter filhos e não deve ser confundido com esterilidade. Os clínicos introduziram elementos físicos e temporais na definição. Infertilidade é, portanto, freqüentemente diagnosticada quando, após um ano de relações sexuais não protegidas, não ocorre a concepção.
15 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
Gostou do artigo? Compartilhe!