Atalho: 58M6T40
Gostou do artigo? Compartilhe!

Bloqueadores dos receptores da angiotensina podem ajudar a reduzir a incidência e a progressão da doença de Alzheimer e da demência, de acordo com publicação do BMJ

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

De acordo com estudo publicado no British Medical Journal (BMJ), realizado por pesquisadores da Boston University, medicamentos anti-hipertensivos conhecidos como bloqueadores dos receptores da angiotensina estão associados à redução significativa na incidência1 e na progressão da doença de Alzheimer2 e demência3, comparados aos inibidores da enzima4 de conversão da angiotensina (IECAs) e a outras drogas cardiovasculares em uma população predominantemente masculina.

O objetivo da pesquisa foi investigar se os bloqueadores dos receptores da angiotensina protegem contra a doença de Alzheimer2 e demência3, ou se reduzem a progressão para ambas as patologias. Foi feita uma análise prospectiva de uma coorte5 com uma população de 819.419 indivíduos, predominando homens (98%), com idade igual ou superior a 65 anos e com doença cardiovascular.

Os pesquisadores compararam grupos de pacientes usando:

  • Grupo 1: bloqueadores do receptor da angiotensina (candesartan, irbesartan, losartan e valsartan).
  • Grupo 2: IECA (lisinopril).
  • Grupo 3: outras medicações para tratar hipertensão arterial6 ou doenças cardíacas, exceto estatinas.

Não havia diferenças na média da pressão arterial7 entre os três grupos.

O primeiro grupo apresentou uma redução de 19% no risco de desenvolver demência3 comparado àqueles recebendo lisinopril e de 24% comparados ao terceiro grupo. Os pacientes em uso de IECA associado a bloqueadores do receptor de angiotensina (ambas as medicações agem no sistema da angiotensina) apresentaram uma redução de 46% do risco de desenvolver demência3, comparados aos que usavam outras medicações.

Os resultados mostram que os bloqueadores dos receptores de angiotensina estão significativamente associados à redução da incidência1 e progressão da doença de Alzheimer2 e demência3, comparados com os IECAs ou com outros medicamentos cardiovasculares nesta população.

Fonte consultada:
BMJ de 12 de janeiro de 2010

NEWS.MED.BR, 2010. Bloqueadores dos receptores da angiotensina podem ajudar a reduzir a incidência e a progressão da doença de Alzheimer e da demência, de acordo com publicação do BMJ. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/53855/bloqueadores-dos-receptores-da-angiotensina-podem-ajudar-a-reduzir-a-incidencia-e-a-progressao-da-doenca-de-alzheimer-e-da-demencia-de-acordo-com-publicacao-do-bmj.htm>. Acesso em: 18 out. 2019.

Complementos

1 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
2 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
3 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
4 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
5 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
6 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
7 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
Gostou do artigo? Compartilhe!