Gostou do artigo? Compartilhe!

Pílulas anticoncepcionais: levonorgestrel associado a baixas doses de estrogênio são as pílulas mais seguras em relação ao risco de trombose venosa, segundo estudo publicado no BMJ

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudo do departamento de clínica epidemiológica do Leiden University Medical Center, na Holanda, mostrou que o risco trombótico1 associado ao uso de contraceptivos orais está relacionado à dose de estrogênio e aos tipos diferentes de progesterona usados na composição do medicamento.

Participaram do estudo mulheres com idades inferiores a 50 anos que não estavam grávidas, nem estavam no período de 4 semanas do pós-parto e não usavam dispositivo intra-uterino ou adesivos de anticoncepcionais. A análise incluiu 1524 pacientes em uso de anticoncepcionais orais e 1760 controles de seis clínicas de anticoagulação da Holanda.

Os principais resultados mostraram que os anticoncepcionais atualmente disponíveis aumentam a chance de tromboembolismo2 venoso ou embolia3 pulmonar em cerca de 5 vezes comparado ao não uso desta medicação. O risco varia com o tipo de progesterona e a dose de estrogênio usados. O levonorgestrel é o tipo de progesterona mais seguro, comparado ao não uso desta medicação, de acordo com os tipos envolvidos no estudo.

Veja na tabela abaixo o risco de aumento de tromboembolismo2 venoso com o uso destas medicações:

Tipo de progesterona  Aumento do risco de trombose4 venosa 
Levonorgestrel 3,6 vezes
Gestodeno 5,6 vezes
Desogestrel 7,3 vezes
Acetato de ciproterona 6,8 vezes
Drospirenona 6,3 vezes

O risco de tromboembolismo2 venoso é maior, quanto maior a dose de estrogênio usada.

Independente do tipo de hormônio5 utilizado, foi confirmado um alto risco de tromboembolismo2 venoso durante os primeiros meses de uso de contraceptivos orais.

Fonte: BMJ

NEWS.MED.BR, 2009. Pílulas anticoncepcionais: levonorgestrel associado a baixas doses de estrogênio são as pílulas mais seguras em relação ao risco de trombose venosa, segundo estudo publicado no BMJ. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/pharma-news/39863/pilulas-anticoncepcionais-levonorgestrel-associado-a-baixas-doses-de-estrogenio-sao-as-pilulas-mais-seguras-em-relacao-ao-risco-de-trombose-venosa-segundo-estudo-publicado-no-bmj.htm>. Acesso em: 21 ago. 2018.

Complementos

1 Trombótico: Relativo à trombose, ou seja, à formação ou desenvolvimento de um trombo (coágulo).
2 Tromboembolismo: Doença produzida pela impactação de um fragmento de um trombo. É produzida quando este se desprende de seu lugar de origem, e é levado pela corrente sangüínea até produzir a oclusão de uma artéria distante do local de origem do trombo. Esta oclusão pode ter diversas conseqüências, desde leves até fatais, dependendo do tamanho do vaso ocluído e do tipo de circulação do órgão onde se deu a oclusão.
3 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
4 Trombose: Formação de trombos no interior de um vaso sanguíneo. Pode ser venosa ou arterial e produz diferentes sintomas segundo os territórios afetados. A trombose de uma artéria coronariana pode produzir um infarto do miocárdio.
5 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!