Gostou do artigo? Compartilhe!

Lapatinib e Trastuzumab reduzem significativamente o câncer de mama HER2 positivo, apresentado na EBCC-10

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Aproximadamente um quarto das mulheres com câncer1 de mama2 HER2 positivo, que foram tratadas com uma combinação de drogas - lapatinib e trastuzumab - antes da cirurgia e da quimioterapia3 tiveram seus tumores significativamente reduzidos ou mesmo desaparecidos, de acordo com os resultados de um ensaio clínico apresentado na 10th European Breast Cancer1 Conference (EBCC-10) em Amsterdã.

O Dr. Nigel Bundred, professor de Oncologia Cirúrgica da Universidade de Manchester e do Hospital Universitário de South Manchester NHS Foundation Trust, no Reino Unido, diz que o novo tratamento permitiu identificar um grupo de pacientes que, em 11 dias, teve seus tumores desaparecidos apenas com a terapia anti-HER2 e que potencialmente podem não necessitar de quimioterapia3 subsequente, oferecendo a oportunidade de individualizar o tratamento contra o câncer1 HER positivo. O ensaio clínico multicêntrico UK EPHOS-B envolveu 257 mulheres com tumores de mama2 HER2 positivos, recém-diagnosticados, operáveis e que foram recrutadas entre novembro de 2010 e setembro de 2015.

O ensaio teve duas partes. Na primeira, 130 mulheres foram randomizadas para receber nenhum tratamento pré-operatório (grupo controle), apenas trastuzumab (Herceptin®) ou apenas lapatinib (Tyverb®), por 11 dias após o diagnóstico4 e antes da cirurgia. No entanto, como a evidência da eficácia da combinação de lapatinib e trastuzumab para tratar o câncer1 de mama2 HER2 positivo surgiu de outros ensaios e em outros contextos, a segunda parte do ensaio foi alterada para que, a partir de agosto de 2013, as seguintes 127 mulheres fossem randomizadas para o grupo controle, ou para receberem apenas trastuzumab, ou para receberem a combinação de tratamento (lapatinib+trastuzumab). Para ambas as partes do estudo as mulheres continuaram a receber o tratamento padrão após a cirurgia.

Amostras de tecido5 tumoral foram retiradas da primeira biópsia6, que havia sido usada para confirmar o diagnóstico4 de câncer1 e, novamente, durante a cirurgia. As amostras foram analisadas para ver se havia uma queda nos níveis da proteína Ki67, um indicador de proliferação celular, ou um aumento da apoptose7 (morte celular programada) de 30% ou mais a partir do momento da primeira biópsia6. Além disso, os pesquisadores revisaram os relatórios de patologia8 sobre o tecido5 tomado durante a cirurgia e as mulheres foram categorizadas como tendo resposta patológica completa (pCR9) se não houvesse células10 cancerígenas ativas, doença residual mínima (MRD), se o tumor11 fosse menor do que 5 milímetros de diâmetro ou outro.

Leia sobre "Biópsia6" e "Apoptose7".

Os resultados da segunda parte do ensaio, analisados em fevereiro de 2016, mostraram que, além de observar uma queda na Ki67, para as mulheres que receberam a combinação de tratamento, 11% tinham pCR9 e 17% tinham MRD. Para as mulheres randomizadas para receber apenas trastuzumab, 0% tinham pCR9 e 3% tinham MRD e nenhum paciente tinha pCR9 ou MRD no grupo controle.

O grupo de mulheres que respondeu ao tratamento com a combinação de drogas incluiu pacientes que apresentaram câncer1 de mama2 em Estágio 2 (que se espalhou para os seus gânglios linfáticos12).

Na conferência EBCC-10, a professora Judith Bliss, pesquisadora-chefe do Instituto de Pesquisa do Câncer1 de Londres, que coliderou o estudo, disse: "Estes resultados mostram que podemos obter uma indicação precoce de resposta patológica dentro de 11 dias, na ausência de quimioterapia3, nestas pacientes em tratamento combinado. A maioria dos ensaios anteriores apenas analisou a resposta patológica após vários meses de tratamento. Claramente, esses resultados precisam de confirmação, mas eu suspeito que a emoção de ver a velocidade de desaparecimento dos tumores vai significar que vários ensaios tentarão confirmar esses resultados".

Saiba mais sobre "Quimioterapia3".

Até agora, o UK EPHOS-B é o único estudo que investigou o tratamento de combinação de drogas, sem quimioterapia3, nas duas semanas entre o diagnóstico4 e a cirurgia de rotina. "Outros estudos analisaram a terapia anti-HER2, com e sem quimioterapia3, incluindo uma avaliação da combinação de trastuzumab e lapatinib, relatando taxas de resposta impressionantes, mas estes ensaios só relataram resultados após vários meses de terapia. Potencialmente, dar tratamento enquanto espera por cirurgia pode identificar um grupo de pacientes cuja doença é particularmente sensível à terapia anti-HER2, o que permitiria a individualização da terapia em mulheres com câncer1 HER2 positivo", segundo o professor Bundred.

A Presidente da EBCC-10, professora Fátima Cardoso, Diretora da Unidade de Mama2 do Centro Clínico Champalimaud, em Lisboa, Portugal, afirmou: "Os resultados deste importante ensaio confirmam sugestões iniciais anteriores de que provavelmente existem doentes que podem ser tratados com bloqueio duplo (dois agentes anti-HER2 simultaneamente), sem quimioterapia3. Este estudo propõe uma maneira simples de identificar essas pacientes muito precocemente, o que poderia ajudar a poupar-lhes uma quimioterapia3 desnecessária. O que agora é indispensável é confirmar se essas primeiras respostas se traduzem em melhor ou igual sobrevivência13 no longo prazo".

O câncer1 de mama2 HER2 positivo é um tumor11 de mama2 que tem elevado número de receptores para o fator de crescimento epidérmico humano (HER2) nas superfícies das células10 cancerosas. Estes receptores estimulam as células10 cancerosas a se dividirem e crescerem. Os tumores de mama2 HER2 positivos tendem a crescer mais rapidamente do que os cânceres HER2 negativos, mas podem ser tratados com terapias direcionadas tais como trastuzumab e lapatinib.

Veja também sobre "Saúde14 da mulher", "Câncer1 de mama2" e "Prevenção do câncer1".

 

Fonte: European Cancer1 Organisation, em 27 de março de 2017

 

NEWS.MED.BR, 2017. Lapatinib e Trastuzumab reduzem significativamente o câncer de mama HER2 positivo, apresentado na EBCC-10. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/saude/1293173/lapatinib-e-trastuzumab-reduzem-significativamente-o-cancer-de-mama-her2-positivo-apresentado-na-ebcc-10.htm>. Acesso em: 20 set. 2020.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
3 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
5 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
6 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
7 Apoptose: Morte celular não seguida de autólise, também conhecida como “morte celular programada“.
8 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
9 PCR: Reação em cadeia da polimerase (em inglês Polymerase Chain Reaction - PCR) é um método de amplificação de DNA (ácido desoxirribonucleico).
10 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
11 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
12 Gânglios linfáticos: Estrutura pertencente ao sistema linfático, localizada amplamente em diferentes regiões superficiais e profundas do organismo, cuja função consiste na filtração da linfa, maturação e ativação dos linfócitos, que são elementos importantes da defesa imunológica do organismo.
13 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
14 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
Gostou do artigo? Compartilhe!