Gostou do artigo? Compartilhe!

Risco de infarto agudo do miocárdio com elevação do segmento ST é maior em jovens fumantes

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudos anteriores demonstraram que os fumantes apresentam infarto do miocárdio1 com elevação do segmento ST (STEMI) uma década antes do que os não-fumantes. No entanto, não foi feita nenhuma explicação para as tendências de tabagismo na população, um importante déficit abordado neste estudo publicado pelo periódico Heart.

Sob a coordenação do Dr. Ever D Grech, do The South Yorkshire Cardiothoracic Centre, foram analisadas combinações de dados de admissão de pacientes com STEMI agudo2 submetidos à intervenção coronariana percutânea e dados demográficos fornecidos pelo Office for National Statistics para a população de South Yorkshire, entre 2009 e 2012, para gerar taxas de incidência3 e taxas de frequência de risco (RR) de STEMI e tabagismo, em geral e por faixa etária.

Foram incluídos 1795 pacientes com STEMI dos quais 72,9% eram do sexo masculino. Sessenta e oito pacientes foram excluídos por não terem sido registrados tabagistas, deixando 48,5% da população remanescente como fumantes atuais, 27,2% como ex-fumantes e 24,3% como pessoas que nunca fumaram. Os fumantes estavam sobre representados com a prevalência4 global de tabagismo em South Yorkshire calculada em 22,4%.

A incidência3 de STEMI em fumantes com idade inferior a 50 anos, 50-65 anos e mais de 65 anos foi de 59,7; 316,9 e 331,0 por 100.000 pacientes-ano em risco comparada a 7,0; 60,9 e 106,8 para o grupo combinado de ex-fumantes e nunca fumantes. Isso proporcionou aos fumantes com menos de 50 anos um aumento de 8,47 (IC 95% 6,80 a 10,54) em relação aos não fumantes da mesma idade, com os grupos de 50-65 e mais de 65 anos com RR de 5,20 (IC 95% 4,76 a 5,69) e 3,10 (IC 95% 2,67 a 3,60), respectivamente.

Concluiu-se que o tabagismo foi associado a um aumento de oito vezes no risco de STEMI agudo2 em fumantes mais jovens, quando comparados a ex-fumantes e aos que nunca fumaram. São necessários mais esforços para reduzir o tabagismo nas pessoas mais jovens.

Veja mais sobre "Infarto do Miocárdio1", "Dor no peito5", "Parar de fumar" e "Sete passos para um coração6 saudável".

 

Fonte: Heart, publicação online, de 29 de novembro de 2016

 

NEWS.MED.BR, 2016. Risco de infarto agudo do miocárdio com elevação do segmento ST é maior em jovens fumantes. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1282868/risco-de-infarto-agudo-do-miocardio-com-elevacao-do-segmento-st-e-maior-em-jovens-fumantes.htm>. Acesso em: 28 fev. 2020.

Complementos

1 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
2 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
3 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
4 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
5 Peito: Parte superior do tronco entre o PESCOÇO e o ABDOME; contém os principais órgãos dos sistemas circulatório e respiratório. (Tradução livre do original
6 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
Gostou do artigo? Compartilhe!