Gostou do artigo? Compartilhe!

Caminhos para a independência: uma busca por como produzir e usar evidências confiáveis na área de saúde, sem influências comerciais

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Em análise publicada pelo The British Medical Journal, uma equipe global de pesquisadores influentes, clínicos, reguladores e defensores dos cidadãos sugere como podemos começar a construir uma base de evidências para a saúde1, livre de influências comerciais.

Todos os profissionais de saúde1 querem basear suas decisões de assistência médica em evidências confiáveis. No entanto, o marco do relatório de 2009 do Instituto de Medicina identificou conflitos financeiros de interesse generalizados em pesquisa, educação e prática médicas. Ele destacou que uma ampla influência da indústria pode estar comprometendo "a integridade das investigações científicas, a objetividade da educação médica, a qualidade do atendimento ao paciente e a confiança do público na medicina".

Ao mesmo tempo, há uma apreciação crescente em todas as nações e nas comunidades clínicas e científicas do problema da medicina excessiva. O excesso de exames, o diagnóstico2 excessivo e o tratamento exagerado desviam os recursos da abordagem de necessidades genuínas, causam danos à saúde1 e ameaçam a sustentabilidade do sistema de saúde1. Testes, tratamentos e diagnósticos necessários são vitais, e os fabricantes têm o direito de obter lucros. Mas é hora de garantir que a avaliação científica de testes e tratamentos e a disseminação das evidências resultantes sejam conduzidas o mais independentemente possível das indústrias que lucram com seu uso.

As perspectivas diferem nas relações financeiras entre a indústria e os profissionais de saúde1, e há um debate sobre onde traçar a linha entre colaboração valiosa e relações que não servem aos pacientes ou ao público. Alguns veem a transparência como a melhor estratégia, enquanto outros a consideram necessária, mas insuficiente. Argumenta-se nesta análise que o envolvimento financeiro endêmico está distorcendo a produção e o uso de evidências em saúde1, causando danos aos indivíduos e desperdício nos sistemas de saúde1. Com base nas evidências e nos exemplos práticos citados na análise, os pesquisadores propõem caminhos para a independência financeira da indústria na tomada de decisões em saúde1. Espera-se que as propostas catalisem e informem o desenvolvimento de recomendações mais detalhadas para reformas fundamentais nos âmbitos da pesquisa, educação e prática.

Possíveis caminhos para a independência financeira de interesses comerciais

Pesquisa

  • Os governos exigem produção independente de evidências usadas para a tomada de decisões na área da saúde1, incluindo a avaliação de novos tratamentos, testes e tecnologias
  • Os governos exigem que as organizações públicas de saúde1, incluindo agências reguladoras e de avaliação de tecnologias da saúde1, não recebam financiamento da indústria e que seus consultores não tenham relações financeiras com a indústria
  • Os grupos que conduzem a síntese de pesquisa, incluindo revisões sistemáticas, garantem que os revisores tenham acesso a todas as informações sobre os métodos de estudo e todos os resultados relevantes, incluindo relatórios de estudos clínicos, e que são realizados sem financiamento da indústria e por autores sem relações financeiras com empresas que poderiam se beneficiar do resultados

Educação

  • Grupos profissionais, de defesa ou acadêmicos envolvidos em atividades educacionais para profissionais de saúde1 ou o público ou defensores que afetam decisões regulatórias ou políticas, passam a acabar com a dependência de financiamento da indústria e a encerrar as relações financeiras entre sua liderança e a indústria
  • Os governos nacionais trabalham com associações profissionais e órgãos de licenciamento para desenvolver políticas que garantam que as atividades educacionais apoiadas pela indústria não possam contribuir para a acreditação de profissionais de saúde1
  • Revistas médicas e seus editores passam a acabar com a dependência de renda vinda da indústria de saúde1

Prática

  • Grupos profissionais, hospitais, serviços de saúde1 e governos proíbem as interações de marketing entre a indústria e os tomadores de decisão, incluindo profissionais praticantes, e apoiam ativamente o desenvolvimento de informações sobre saúde1, independentemente de interesses comerciais
  • Profissionais, formuladores de políticas e o público passam a confiar nas diretrizes práticas produzidas e escritas por grupos que não têm relações financeiras com a indústria e que têm acesso a evidências, incluindo síntese de pesquisas livres de influência da indústria
  • Organismos de financiamento à pesquisa e instituições acadêmicas modificam métricas e incentivos acadêmicos explicitamente para recompensar a colaboração acadêmica com órgãos públicos e grupos da sociedade civil, bem como com a indústria

Esses caminhos propostos surgem da análise das evidências e exemplos relevantes de todo o mundo. A lista não é abrangente ou definitiva e foi criada para informar o debate intensificado e o desenvolvimento de recomendações detalhadas.

Principais mensagens da análise

  • É necessária evidência confiável para permitir decisões bem informadas sobre cuidados de saúde1
  • A ampla dependência financeira da indústria traz viés comercial em evidências de pesquisa, educação médica e prática clínica
  • Tal viés tende a exagerar os benefícios da saúde1 e minimizar os danos
  • É desejável e possível uma maior independência financeira da indústria, com exemplos de reforma na pesquisa, educação e prática
  • Os passos propostos para a independência financeira dos interesses comerciais envolverão grandes mudanças culturais
Leia também "Indústria do açúcar3 pode ter manipulado resultado de pesquisa sobre doenças coronarianas e o consumo de açúcar3, colocando a culpa nas gorduras saturadas4".

 

Fonte: The BMJ, publicação em 03 de dezembro de 2019.

 

NEWS.MED.BR, 2019. Caminhos para a independência: uma busca por como produzir e usar evidências confiáveis na área de saúde, sem influências comerciais. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/opiniao/1353738/caminhos-para-a-independencia-uma-busca-por-como-produzir-e-usar-evidencias-confiaveis-na-area-de-saude-sem-influencias-comerciais.htm>. Acesso em: 24 jan. 2020.

Complementos

1 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
2 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
3 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
4 Gorduras saturadas: Elas são encontradas principalmente em produtos de origem animal. Em temperatura ambiente, apresentam-se em estado sólido. Estão nas carnes vermelhas e brancas (principalmente gordura da carne e pele das aves e peixes), leite e seus derivados integrais (manteiga, creme de leite, iogurte, nata) e azeite de dendê.
Gostou do artigo? Compartilhe!