Gostou do artigo? Compartilhe!

Anvisa aprova medicamento injetável, inclisiran, capaz de reduzir colesterol LDL em 52%

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Novo medicamento injetável aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), inclisiran, controla o colesterol1 ruim (LDL2), um dos principais fatores de risco por trás de eventos cardíacos.

A inclisirana sódica (Sybrava), da Novartis, é especialmente indicada a pacientes adultos com hipercolesterolemia3 primária ou dislipidemia mista (condições que causam níveis elevados de gorduras, incluindo colesterol1, no sangue4).

Estudos anteriores para eficácia e segurança da fórmula apontaram que com duas aplicações por ano é possível reduzir em média 52% dos níveis do LDL2.

Saiba mais sobre "Dislipidemia", "Como reduzir os níveis de LDL2" e "Aterosclerose5".

A grande vantagem do novo medicamento é facilitar a adesão aos tratamentos contra problemas de colesterol1, uma vez que são necessárias apenas 3 injeções no primeiro ano de uso e, a partir de então, apenas duas injeções por ano, uma a cada 6 meses. Isso é muito menos que as injeções atuais, chamadas anticorpos6 monoclonais, que são aplicadas mensalmente ou a cada 15 dias. O Sybrava também se mostrou capaz de diminuir os casos de infarto do miocárdio7, AVC e derrames.

Isso é significativo pois o uso das estatinas, que são medicamentos de baixo custo comumente usados para reduzir o colesterol1, não tem se mostrado eficaz para reduzir os infartos. Para pessoas com problemas cardíacos, é recomendada uma grande diminuição do colesterol1, em torno de 50% do valor original, algo difícil de alcançar com as estatinas.

Por isso, o foco inicial da nova terapia será para pessoas que já tiveram infarto8, derrame9, já operaram o coração10, botaram pontes de safena e que persistem com valores inadequados do LDL colesterol11, além daquelas com problemas genéticos de colesterol1, caso no qual é extremamente difícil manter o colesterol1 em níveis adequados.

O medicamento utiliza um mecanismo de interferência por RNA que reduz a produção da proteína hepática12 PCSK9. Em estudo publicado na revista The Lancet Diabetes13 & Endocrinology, pesquisadores relataram a eficácia e segurança a longo prazo do inclisiran em pacientes com alto risco cardiovascular e colesterol1 LDL2 elevado.

Eles contextualizam que não se sabe se o tratamento a longo prazo com inclisiran, uma terapêutica14 com pequeno RNA de interferência (siRNA) semestral, que reduz a produção hepática12 de proproteína convertase subtilisina/kexina tipo 9 (PCSK9), resulta em reduções sustentadas no colesterol1 LDL2 com um perfil de segurança aceitável.

O objetivo do estudo, portanto, foi avaliar o efeito da dosagem de longo prazo de inclisiran em pacientes com alto risco cardiovascular e colesterol1 LDL2 elevado.

O ORION-3 foi um estudo de extensão aberto de 4 anos do estudo de fase 2 controlado por placebo15 ORION-1, conduzido em 52 locais em cinco países. Pacientes com doença cardiovascular aterosclerótica prevalente ou prevenção primária de alto risco e colesterol1 LDL2 elevado, apesar das estatinas máximas toleradas ou outros tratamentos para redução do LDL2, ou com intolerância documentada às estatinas, que concluíram o estudo ORION-1, eram elegíveis.

Os pacientes que receberam inclisiran no ORION-1 receberam 300 mg de inclisiran sódico duas vezes ao ano por via subcutânea16 durante o ORION-3 (braço somente com inclisiran), enquanto os pacientes que receberam placebo15 no ORION-1 receberam primeiro evolocumabe subcutâneo17 140 mg a cada 2 semanas até o dia 360, passando posteriormente para inclisiran duas vezes por ano durante o restante do estudo ORION-3 (braço de troca).

O desfecho primário de eficácia foi a alteração percentual no colesterol1 LDL2 com inclisiran desde o início do ORION-1 até o dia 210 da fase de extensão aberta no braço somente com inclisiran (aproximadamente 570 dias de exposição total ao inclisiran na população modificada com intenção de tratar). Os desfechos secundários e exploratórios incluíram alterações nos níveis de concentração de colesterol1 LDL2-C e PCSK9 até o dia 1440 (4 anos) em cada braço e segurança.

Da coorte18 original de 497 pacientes do ORION-1, 290 de 370 pacientes alocados para o medicamento continuaram no braço somente de inclisiran e 92 de 127 pacientes alocados para placebo15 entraram no braço de troca no estudo de extensão ORION-3 conduzido entre 24 de março de 2017 e 17 de dezembro de 2021.

No braço apenas com inclisiran, o colesterol1 LDL2 foi reduzido em 47,5% (IC 95%: 50,7-44,3) no dia 210 e mantido por 1440 dias. A redução média de 4 anos do colesterol1 LDL2 foi de 44,2% (IC 95%: 47,1-41,4), com reduções na PCSK9 variando de 62,2% a 77,8%.

Eventos adversos no local da injeção19 foram relatados em 39 (14%) de 284 pacientes no braço de inclisiran apenas e 12 (14%) de 87 pacientes no braço de troca. A incidência20 de eventos adversos graves emergentes do tratamento possivelmente relacionados ao medicamento do estudo foi de 1% (três de 284) no braço de inclisiran apenas e de 1% (um de 87) no braço de troca.

O estudo concluiu que o inclisiran duas vezes por ano proporcionou reduções sustentadas nas concentrações de colesterol1 LDL2 e PCSK9 e foi bem tolerado durante 4 anos no estudo de extensão. Este foi o primeiro estudo prospectivo21 de longo prazo para avaliar a exposição hepática12 repetida ao inclisiran.

Leia sobre "Entendendo o colesterol1 do organismo", "Doenças cardiovasculares22" e "Estatinas: prós e contras".

 

Fontes:
The Lancet Diabetes13 & Endocrinology, Vol. 11, Nº 2, em fevereiro de 2023.
Jornal da USP, notícia publicada em 19 de julho de 2023.
Conselho Federal de Farmácia, notícia publicada em 07 de julho de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Anvisa aprova medicamento injetável, inclisiran, capaz de reduzir colesterol LDL em 52%. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/novos-medicamentos/1442705/anvisa-aprova-medicamento-injetavel-inclisiran-capaz-de-reduzir-colesterol-ldl-em-52.htm>. Acesso em: 27 fev. 2024.

Complementos

1 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
2 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
3 Hipercolesterolemia: Aumento dos níveis de colesterol do sangue. Está associada a uma maior predisposição ao desenvolvimento de aterosclerose.
4 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
5 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
6 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
7 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
8 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
9 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
10 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
11 LDL colesterol: Do inglês low-density lipoprotein cholesterol, colesterol de baixa densidade ou colesterol ruim.
12 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
13 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
14 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
15 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
16 Subcutânea: Feita ou situada sob a pele; hipodérmica.
17 Subcutâneo: Feito ou situado sob a pele. Hipodérmico.
18 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
19 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
20 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
21 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
22 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
Gostou do artigo? Compartilhe!