Gostou do artigo? Compartilhe!

Antioxidantes naturais do extrato de tomate reduziram a pressão arterial de pacientes com hipertensão leve, segundo estudo publicado no American Heart Journal

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O tratamento da hipertensão arterial1 pode reduzir o risco de doenças cardiovasculares2. O extrato de tomate contém carotenóides tais como o licopeno, beta caroteno e vitamina3 E, conhecidos como antioxidantes eficazes para combater os radicais livres e reduzir a velocidade da progressão da aterosclerose4.

Com o propósito de avaliar o efeito do extrato de tomate na pressão arterial sistólica5 e diastólica na hipertensão arterial1 leve, nas lipoproteínas do soro6, na dosagem de homocisteína plasmática e nos marcadores de estresse oxidativo, pesquisadores israelenses analisaram 31 pacientes com hipertensão7 leve que não faziam uso de medicamentos antihipertensivos ou para redução de lípides. Esses adultos tinham idades entre 30 e 70 anos e eram de ambos os sexos. O estudo foi publicado no primeiro número de janeiro de 2006 da revista American Heart Journal.

Os participantes do estudo passaram 4 semanas ingerindo uma cápsula de placebo8 todos os dias. A seguir receberam uma cápsula de extrato de tomate por dia (250 mg de Lyc-O-Mato, durante 8 semanas. Finalmente, eles receberam durante outras 4 semanas novas cápsulas de placebo8.

Os resultados obtidos indicaram que, em média, a pressão sistólica9 dos participantes caiu dez pontos, enquanto a pressão diastólica10 caiu quatro pontos durante o período em que eles consumiram extrato de tomate. Estes números foram considerados estatisticamente significativos. Não foram observadas mudanças na pressão sistólica9 e diastólica durante o tempo em que receberam placebo8. Não houve redução significativa nos níveis lipídicos dos pacientes.

O efeito continuado e os benefícios a longo prazo nos riscos cardiovasculares ainda deverão ser demonstrados.

Fonte:American Heart Journal. Volume 151, Issue 1, Pages 100.e6-100.e1 (January 2006)

NEWS.MED.BR, 2006. Antioxidantes naturais do extrato de tomate reduziram a pressão arterial de pacientes com hipertensão leve, segundo estudo publicado no American Heart Journal. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/844/antioxidantes-naturais-do-extrato-de-tomate-reduziram-a-pressao-arterial-de-pacientes-com-hipertensao-leve-segundo-estudo-publicado-no-american-heart-journal.htm>. Acesso em: 18 set. 2019.

Complementos

1 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
2 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
3 Vitamina: Compostos presentes em pequenas quantidades nos diversos alimentos e nutrientes e que são indispensáveis para o desenvolvimento dos processos biológicos normais.
4 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
5 Pressão arterial sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco, é também chamada de pressão máxima.
6 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
7 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
8 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
9 Pressão sistólica: É a pressão mais elevada (pico) verificada nas artérias durante a fase de sístole do ciclo cardíaco. É também chamada de pressão máxima.
10 Pressão Diastólica: É a pressão mais baixa detectada no sistema arterial sistêmico, observada durante a fase de diástole do ciclo cardíaco. É também denominada de pressão mínima.
Gostou do artigo? Compartilhe!