Gostou do artigo? Compartilhe!

CJASN: pessoas com níveis baixos de bicarbonato tiveram risco de morte 24% maior que aquelas com níveis normais ou altos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Sob a coordenação de Kalani L. Raphael, nefrologista1 do Medical Center and University Of Utah Hospital, uma equipe de pesquisadores investigou se a concentração de bicarbonato no organismo e o equilíbrio ácido-básico estavam associados à mortalidade2 em idosos saudáveis. É sabido que níveis baixos de bicarbonato no soro3 estão relacionados à maior mortalidade2 em pacientes com doença renal4 crônica.

Foram analisados dados do Health, Aging, and Body Composition Study, um estudo prospectivo5 com adultos negros e brancos, com idades entre 70 e 79 anos, iniciado em 1997. Os participantes com medições de gases de sangue6 venoso arterializado (n=2.287) foram agrupados em categorias de níveis de bicarbonato e de acordo com o estado ácido-básico.

  • Menor que 23,0 mEq/L (nível baixo)
  • Entre 23,0 e 27,9 mEq/L (grupo de referência)
  • Maior ou igual a 28,0 mEq/L (nível alto)

Dados de sobrevivência7 foram coletados até fevereiro de 2014.

As taxas de risco de mortalidade2 nos grupos de níveis baixo e alto de bicarbonato em comparação com o grupo de referência foram determinadas usando modelos de Cox ajustados para a demografia, eGFR, albuminúria8, doença, tabagismo, pH sistêmico9 e doença pulmonar obstrutiva crônica. Modelos de Cox ajustados foram usados da mesma forma de acordo com o estado ácido-básico.

A idade média foi de 76 anos, 51% eram mulheres e 38% eram negros. O pH médio foi de 7,41; a média de bicarbonato foi de 25,1 mEq/L, 11% tinham bicarbonato baixo e 10% tinham bicarbonato alto. A média de eGFR foi 82,1 ml/min por 1,73 m² e 12% tinham insuficiência renal10 crônica.

Durante um seguimento médio de 10,3 anos, 1.326 (58%) participantes morreram. Comparado ao grupo de referência, as HRs de mortalidade2 foram 1,24 (IC de 95%, 1,02 a 1,49) nos de níveis baixos de bicarbonato; 1,03 (IC de 95%, 0,84 a 1,26) na categoria de nível alto de bicarbonato. Comparado ao grupo de referência, as HRs de mortalidade2 foram 1,17 (IC de 95% 0,94 a 1,47) para a acidose metabólica11; 1,21 (IC de 95%, 1,01 a 1,46) para alcalose12 respiratória e 1,35 (IC de 95%, 1,08 a 1,69) para as categorias de alcalose12 metabólica. Acidose13 respiratória não se associou com a mortalidade2.

Concluiu-se que em indivíduos mais velhos, geralmente saudáveis, níveis baixos de bicarbonato sérico estão associados à maior mortalidade2 independente do pH sistêmico9 e de possíveis fatores de confusão. Esta associação parece estar presente independentemente de a causa do bicarbonato baixo ser uma acidose metabólica11 ou uma alcalose12 respiratória. A alcalose12 metabólica também estava associada à maior mortalidade2.

Fonte: Clinical Journal of The American Society Nephrology (CJASN), publicação online, de janeiro de 2016

NEWS.MED.BR, 2016. CJASN: pessoas com níveis baixos de bicarbonato tiveram risco de morte 24% maior que aquelas com níveis normais ou altos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/816019/cjasn-pessoas-com-niveis-baixos-de-bicarbonato-tiveram-risco-de-morte-24-maior-que-aquelas-com-niveis-normais-ou-altos.htm>. Acesso em: 19 mar. 2019.

Complementos

1 Nefrologista: Médico especialista em tratar pessoas com doenças ou problemas renais.
2 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
3 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
4 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
5 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
6 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
7 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
8 Albuminúria: Presença de albumina na urina. A albuminúria pode ser um sinal de nefropatia diabética (doença nos rins causada pelas complicações do diabetes mal controlado) ou aparecer em infecções urinárias.
9 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
10 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
11 Acidose metabólica: A acidose metabólica é uma acidez excessiva do sangue caracterizada por uma concentração anormalmente baixa de bicarbonato no sangue. Quando um aumento do ácido ultrapassa o sistema tampão de amortecimento do pH do organismo, o sangue pode acidificar-se. Quando o pH do sangue diminui, a respiração torna-se mais profunda e mais rápida, porque o corpo tenta liberar o excesso de ácido diminuindo o volume do anidrido carbônico. Os rins também tentam compensá-lo por meio da excreção de uma maior quantidade de ácido na urina. Contudo, ambos os mecanismos podem ser ultrapassados se o corpo continuar a produzir excesso de ácido, o que conduz a uma acidose grave e ao coma. A gasometria arterial é essencial para o seu diagnóstico. O pH está baixo (menor que 7,35) e os níveis de bicarbonato estão diminuídos (<24 mmol/l). Devido à compensação respiratória (hiperventilação), o dióxido de carbono está diminuído e o oxigênio está aumentado.
12 Alcalose: Desequilíbrio do meio interno, produzido por uma diminuição na concentração de íons hidrogênio ou aumento da concentração de bases orgânicas nos líquidos corporais.
13 Acidose: Desequilíbrio do meio interno caracterizado por uma maior concentração de íons hidrogênio no organismo. Pode ser produzida pelo ganho de substâncias ácidas ou perda de substâncias alcalinas (básicas).
Gostou do artigo? Compartilhe!