Gostou do artigo? Compartilhe!

Tabagismo ativo e passivo têm influência na incidência de diabetes tipo 2: meta-análise divulgada no The Lancet Diabetes & Endocrinology

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Dados do MEDLINE (até 03 de maio de 2015) e Embase (até 16 de abril de 2014) de estudos prospectivos utilizando os termos de busca tabagismo, diabetes mellitus1 e estudos com um desenho prospectivo2. Além de buscas manuais de publicações recuperadas, comentários relevantes foram utilizados nesta meta-análise e revisão sistemática. Foram incluídos os estudos prospectivos que relataram risco de diabetes tipo 23 por tabagismo e calculados os riscos relativos agrupados (RRs), com intervalos de confiança (ICs) de 95%, utilizando modelos estatísticos.

Foram identificados 88 estudos prospectivos elegíveis, com 5.898.795 participantes e 295.446 casos incidentes4 de diabetes5 tipo 2. Os RRs combinados de diabetes tipo 23 foram de 1,37 (IC 95% 1,33-1,42) comparando tabagistas atuais com não-fumantes (84 estudos, com 5.853.952 participantes); 1,14 (1,10-1,18) comparando ex-fumantes com pessoas que nunca fumaram (47 estudos, com 2.930.391 participantes) e 1,22 (1,10-1,35) comparando pessoas que nunca fumaram com e sem exposição ao fumo passivo (sete estudos com 156.439 participantes). As associações persistiram em todos os subgrupos e foi identificada uma relação dose-resposta para fumantes atuais e o risco de diabetes5: em comparação aos que nunca fumaram, os RRs foram 1,21 (1,10-1,33) para fumantes leves; 1,34 (1,27-1,41) para os fumantes moderados e 1,57 (1,47-1,66) para os fumantes pesados. Partindo do pressuposto de que a associação entre tabagismo e o risco de diabetes5 é causal, estimou-se que 11,7% dos casos de diabetes tipo 23 em homens e 2,4% em mulheres (ou seja, cerca de 27,8 milhões de casos em todo o mundo) são atribuídos ao tabagismo ativo. Em comparação aos que nunca fumaram, os RRs reunidos de dez estudos com 1.086.608 participantes foi de 1,54 (IC 95% 1,36-1,74) para novos desistentes (<5 anos); 1,18 (1,07-1,29) para os que pararam de fumar no médio prazo (5 a 9 anos) e 1,11 (1,02-1,20) para os que pararam há mais tempo (≥ 10 anos).

O tabagismo ativo e passivo estão associados a riscos significativamente aumentados de diabetes tipo 23. O risco de diabetes5 é aumentado para aqueles que pararam de fumar há menos de cinco anos, mas diminui substancialmente com o aumento do tempo desde que se deixou de fumar. Se a associação entre tabagismo e risco de diabetes5 tipo 2 for causal, os esforços de políticas de saúde6 pública para reduzir o tabagismo poderiam ter um efeito substancial na incidência7 de diabetes tipo 23 mundialmente.

NEWS.MED.BR, 2015. Tabagismo ativo e passivo têm influência na incidência de diabetes tipo 2: meta-análise divulgada no The Lancet Diabetes & Endocrinology. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/804249/tabagismo-ativo-e-passivo-tem-influencia-na-incidencia-de-diabetes-tipo-2-meta-analise-divulgada-no-the-lancet-diabetes-amp-endocrinology.htm>. Acesso em: 19 nov. 2019.

Complementos

1 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
2 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
3 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
4 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
5 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!