Gostou do artigo? Compartilhe!

Novas diretrizes de cuidados perioperatórios em amigdalectomias foram associadas a maior número de reconsultas devido à dor

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Para investigar a associação entre as novas recomendações de cuidados perioperatórios da American Academy of Otolaryngology Head and Neck Surgery 2011 e os resultados em crianças submetidas à amigdalectomia, foi realizado um estudo de coorte1 retrospectivo2, com crianças saudáveis submetidas à amigdalectomia, entre janeiro de 2009 e janeiro de 2013, em 29 hospitais pediátricos americanos participantes do Pediatric Health Information System.

Foram avaliados processos baseados em evidências sugeridos nas recomendações da American Academy of Otolaryngology Head and Neck Surgery (dexametasona perioperatória e não uso de antibióticos) e os resultados (reconsultas no intervalo de 30 dias após cirurgia por complicação de amigdalectomia). Foram analisadas as taxas ao longo dos períodos pré-diretrizes e pós-diretrizes e depois por mês ao longo do tempo usando séries temporais interrompidas.

De 111.813 crianças submetidas à amigdalectomia, 54.043 e 57.770 a fizeram nos períodos pré-diretrizes e pós-diretrizes, respectivamente. O uso de dexametasona aumentou de 74,6% no período pré-diretrizes para 77,4% no período pós-diretrizes (p<0,001). O uso de antibióticos diminuiu de 34,7% para 21,8% (p<0,001). Reconsultas por sangramento mantiveram-se estáveis; no entanto, as novas visitas ao hospital por complicações da amigdalectomia aumentaram de 8,2% para 9,0% (p<0,001) devido à dor.

As diretrizes atuais foram associadas com algumas melhorias em processos de cuidados perioperatórios com base em evidências, mas nenhuma melhoria nos resultados. O uso de dexametasona aumentou ligeiramente e o uso de antibióticos diminuiu substancialmente. Reconsultas por complicações relacionadas à amigdalectomia aumentaram modestamente ao longo do tempo devido à dor.

Fonte: Pediatrics, publicação online, de 22 de junho de 2015

NEWS.MED.BR, 2015. Novas diretrizes de cuidados perioperatórios em amigdalectomias foram associadas a maior número de reconsultas devido à dor. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/793577/novas-diretrizes-de-cuidados-perioperatorios-em-amigdalectomias-foram-associadas-a-maior-numero-de-reconsultas-devido-a-dor.htm>. Acesso em: 23 set. 2019.

Complementos

1 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
2 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
Gostou do artigo? Compartilhe!