Gostou do artigo? Compartilhe!

The Lancet: prevenção do diabetes tipo 2 com cirurgia bariátrica

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O efeito dos procedimentos cirúrgicos bariátricos, atualmente utilizados, no desenvolvimento de diabetes1 em pessoas obesas não está bem definido. O objetivo do presente estudo de coorte2 de base populacional, publicado pelo The Lancet Diabetes1 & Endocrinology, foi avaliar o efeito da cirurgia bariátrica3 sobre o desenvolvimento de diabetes tipo 24 em uma grande população de obesos.

Foi realizado um estudo de coorte2 combinado, com adultos obesos (idades entre 20 e 100 anos e IMC5 ≥30 kg/m²), identificados a partir de um banco de dados do Reino Unido, que não tinham diabetes1. Foram incluídos 2.167 pacientes que haviam sido submetidos à cirurgia bariátrica3, entre 1° de janeiro de 2002 e 30 de abril de 2014, e combinados de acordo com o IMC5, idade, sexo, índice de ano e HbA1c6, com 2.167 controles que não fizeram a cirurgia. Os procedimentos incluíram bandagem gástrica laparoscópica (n=1053), bypass gástrico (795) e gastrectomia vertical (317), com dois procedimentos indefinidos. O desfecho primário foi o desenvolvimento de diabetes1 clínico. As análises foram ajustadas para as variáveis correspondentes, comorbidade7, fatores de risco cardiovascular e uso de anti-hipertensivos e hipolipemiantes.

Durante um período máximo de sete anos de seguimento (média de 2,8 anos), 38 novos diagnósticos de diabetes1 foram feitos em pacientes que fizeram a cirurgia bariátrica3 e 177 foram feitos nos controles. Até ao final de sete anos de acompanhamento, 4,3% (IC 95% 2,9-6,5) de pacientes que fizeram a cirurgia bariátrica3 e 16,2% (13,3-19,6) dos controles pareados tinham desenvolvido diabetes1. A incidência8 de diagnóstico9 de diabetes1 foi de 28,2 (IC 95% 24,4-32,7) por 1000 pessoas-ano nos controles e 5,7 (4,2-7, 8) por 1000 pessoas-ano em pacientes que fizeram a cirurgia bariátrica3; a taxa de risco ajustado foi de 0,20 (IC 95% 0,13-0,30, p<0,0001).

A cirurgia bariátrica3 está associada a menor incidência8 de diabetes1 clínico em participantes obesos sem diabetes1 no início do estudo para até sete anos após o procedimento. O estudo foi patrocinado pelo UK National Institute for Health Research.

Fonte: The Lancet Diabetes1 & Endocrinology, publicação online de 3 de novembro de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. The Lancet: prevenção do diabetes tipo 2 com cirurgia bariátrica. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/581422/the-lancet-prevencao-do-diabetes-tipo-2-com-cirurgia-bariatrica.htm>. Acesso em: 30 mar. 2020.

Complementos

1 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
2 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
3 Cirurgia Bariátrica:
4 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
5 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
6 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
7 Comorbidade: Coexistência de transtornos ou doenças.
8 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
9 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
Gostou do artigo? Compartilhe!