Gostou do artigo? Compartilhe!

Uso de estatinas antes do diagnóstico do diabetes mellitus e o risco de doença microvascular: estudo divulgado pelo The Lancet Diabetes & Endocrinology

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O papel das estatinas no desenvolvimento de doença microvascular1 em pacientes com diabetes2 é desconhecido. Pesquisadores dos hospitais Herlev Hospital e Copenhagen University Hospital testaram a hipótese de que o uso de estatina aumenta o risco de retinopatia diabética3, neuropatia4 diabética, nefropatia5 diabética e gangrena6 no pé diabético em indivíduos com diabetes mellitus7.

Identificou-se todos os pacientes que vivem na Dinamarca, com 40 anos ou mais, diagnosticados como casos novos de diabetes mellitus7 entre 1° de janeiro de 1996 e 31 de dezembro de 2009. Os pesquisadores obtiveram os dados dos pacientes do Danish Patient Registry e as informações sobre o uso de medicações a partir do Danish Registry of Medicinal Product Statistics. Foram selecionados aleatoriamente 15.679 indivíduos do banco de dados que haviam usado regularmente estatinas até o diagnóstico8 de diabetes2 (usuários de estatina) e combinou-os em uma proporção de 1:3 com 47.037 indivíduos que nunca usaram estatinas antes do diagnóstico8 (não-usuários de estatina). O resultado primário foi comparar a incidência9 cumulativa de retinopatia diabética3, neuropatia4 diabética, nefropatia5 diabética ou gangrena6 no pé diabético em usuários de estatina versus não usuários de estatina. Os dados foram analisados com modelos de regressão de Cox, ajustados para covariáveis, incluindo sexo, idade no momento do diagnóstico8 do diabetes2 e método de diagnóstico8 da doença.

Após ajustes necessários e acompanhamento médio de 2,7 anos descobriu-se que durante o tempo de acompanhamento de 215.725 pessoas-ano, 2.866 pacientes desenvolveram retinopatia diabética3, 1.406 desenvolveram neuropatia4 diabética, 1.248 desenvolveram nefropatia5 diabética e 2.392 desenvolveram gangrena6 no pé diabético. Em comparação com os não-usuários de estatina, os usuários de estatinas tiveram uma menor incidência9 cumulativa de retinopatia diabética3 (p<0,0001), neuropatia4 diabética (p<0,0001) e gangrena6 no pé diabético (p=0,010), mas não de nefropatia5 diabética (p=0,62).

O uso de estatinas antes do diagnóstico8 de casos novos de diabetes2 não foi associado a um risco aumentado de doença microvascular1. Para saber se as estatinas protegem contra algumas formas de doença microvascular1, outros estudos, de preferência ensaios clínicos10 randomizados, deverão ser realizados.

Fonte: The Lancet Diabetes2 & Endocrinology, publicação online de 10 de setembro de 2014

NEWS.MED.BR, 2014. Uso de estatinas antes do diagnóstico do diabetes mellitus e o risco de doença microvascular: estudo divulgado pelo The Lancet Diabetes & Endocrinology. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/569702/uso-de-estatinas-antes-do-diagnostico-do-diabetes-mellitus-e-o-risco-de-doenca-microvascular-estudo-divulgado-pelo-the-lancet-diabetes-amp-endocrinology.htm>. Acesso em: 24 set. 2020.

Complementos

1 Doença microvascular: Doença dos pequenos vasos, como as encontradas nos olhos, nervos e rins. As paredes dos vasos encontram-se espessadas mas fracas. Sangram, perdem proteína e diminuem o fluxo sangüíneo às células.
2 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
3 Retinopatia diabética: Dano causado aos pequenos vasos da retina dos diabéticos. Pode levar à perda da visão. Retinopatia não proliferativa ou retinopatia background Caracterizada por alterações intra-retinianas associadas ao aumento da permeabilidade capilar e à oclusão vascular que pode ou não ocorrer. São encontrados microaneurismas, edema macular e exsudatos duros (extravasamento de lipoproteínas). Também chamada de retinopatia simples.
4 Neuropatia: Doença do sistema nervoso. As três principais formas de neuropatia em pessoas diabéticas são a neuropatia periférica, neuropatia autonômica e mononeuropatia. A forma mais comum é a neuropatia periférica, que afeta principalmente pernas e pés.
5 Nefropatia: Lesão ou doença do rim.
6 Gangrena: Morte de um tecido do organismo. Na maioria dos casos é causada por ausência de fluxo sangüíneo ou infecção. Pode levar à amputação do local acometido.
7 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
8 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
9 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
10 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
Gostou do artigo? Compartilhe!