Gostou do artigo? Compartilhe!

Hidroxicloroquina pode não melhorar os sintomas da Síndrome de Sjögren primária, publicado pelo JAMA

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O ensaio clínico randomizado1 JOQUER, publicado pelo The Journal of the American Medical Association (JAMA), foi realizado com o objetivo de avaliar a eficácia da hidroxicloroquina para os principais sintomas2 da síndrome3 de Sjögren primária.

A síndrome3 de Sjögren primária é uma doença autoimune4 sistêmica caracterizada pela secura da boca5 e dos olhos6, dor e fadiga7. A hidroxicloroquina é o imunossupressor8 mais prescrito para esta síndrome3. No entanto, as evidências quanto à sua eficácia são limitadas.

De abril de 2008 a maio de 2011, 120 pacientes com síndrome3 de Sjögren primária, de acordo com os critérios diagnósticos do American-European Consensus Group Criteria, provenientes de quinze hospitais universitários da França, foram randomizados em um ensaio clínico com grupo paralelo, duplo-cego, controlado por placebo9. Os participantes foram avaliados no início do estudo e na 12ª, 24ª (resultado primário) e 48ª semanas de acompanhamento. A última data de acompanhamento para o último paciente foi em 15 de maio de 2012.

Os pacientes foram randomizados (1:1) para receber hidroxicloroquina (400 mg/dia) ou placebo9 até a 24ª semana. Todos os pacientes receberam prescrição para uso de hidroxicloroquina entre as semanas 24 e 48.

O desfecho primário foi a proporção de pacientes que apresentou uma redução de 30% ou mais nas pontuações em duas de três escalas analógicas numéricas (de 0 [melhor] para 10 [pior]) para avaliação da secura, dor e fadiga7 entre a semana zero e a 24ª semana.

Na 24ª semana, a proporção de pacientes que alcançou o desfecho primário foi de 17,9% (10/56) no grupo da hidroxicloroquina e 17,2% (11/64) no grupo placebo9 (odds ratio, 1,01; IC 95% 0,37-2,78; P = 0,98). Entre as semanas zero e 24, a média na escala analógica numérica para secura mudou de 6,38 para 5,85 no grupo placebo9 e de 6,53 para 6,22 no grupo da hidroxicloroquina. A média na escala analógica numérica para dor passou de 4,92 para 5,08 no grupo placebo9 e de 5,09 para 4,59 no grupo da hidroxicloroquina. A média na escala analógica numérica para a fadiga7 mudou de 6,26 a 5,72 no grupo placebo9 e de 6,00 para 5,94 no grupo da hidroxicloroquina. Todos, menos um paciente no grupo da hidroxicloroquina, tinham níveis detectáveis do medicamento no sangue10. A hidroxicloroquina não tinha eficácia em pacientes com auto-anticorpos11 anti-SSA, altos níveis de IgG ou comprometimento sistêmico12. Durante as primeiras 24 semanas, havia dois acontecimentos adversos graves no grupo da hidroxicloroquina e três no grupo placebo9; nas últimas 24 semanas, havia três eventos adversos graves no grupo da hidroxicloroquina e quatro no grupo placebo9.

Concluiu-se que entre os pacientes com síndrome3 de Sjögren primária, o uso de hidroxicloroquina em comparação com placebo9 não melhorou os sintomas2 durante 24 semanas de tratamento. Mais estudos são necessários para avaliar os resultados no longo prazo.

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), volume 312, número 3, de 16 de julho de 2014 

NEWS.MED.BR, 2014. Hidroxicloroquina pode não melhorar os sintomas da Síndrome de Sjögren primária, publicado pelo JAMA. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/555087/hidroxicloroquina-pode-nao-melhorar-os-sintomas-da-sindrome-de-sj-ouml-gren-primaria-publicado-pelo-jama.htm>. Acesso em: 15 set. 2019.

Complementos

1 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
4 Autoimune: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
5 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
6 Olhos:
7 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
8 Imunossupressor: Medicamento que suprime a resposta imune natural do organismo. Os imunossupressores são dados aos pacientes transplantados para evitar a rejeição de órgãos ou para pacientes com doenças autoimunes.
9 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
10 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
11 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
12 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
Gostou do artigo? Compartilhe!