Gostou do artigo? Compartilhe!

Destaques da reunião anual da ASCO na leucemia linfocítica crônica, glioma e nos tumores de próstata e mama

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os principais destaques da reunião anual da ASCO em 2014 incluem:

QUIMIOTERAPIA1 ADJUVANTE PARA O GLIOMA

Adicionar quimioterapia1 adjuvante à radioterapia2 para pacientes3 com glioma de baixo grau melhora a sobrevida4 global em 5,5 anos; disse Jan Buckner, presidente da área de Oncologia da Mayo Clinic, em Rochester, Minnesota, que apresentou os resultados do ensaio clínico Radiation Therapy Oncology Group (RTOG) 9802.

Os gliomas de grau 2 constituem 5% a 10% dos tumores cerebrais primários em adultos, sendo geralmente diagnosticados quando os indivíduos estão na faixa etária dos 30 ou 40 anos. Embora estes tumores sejam relativamente indolentes, os pacientes apresentam sintomas5 neurológicos progressivos e morte prematura. Antes do lançamento do RTOG 9802, estudos envolvendo um pequeno número de pacientes com glioma de baixo grau de repetição (10-20 pacientes) demonstraram que a adição de quimioterapia1 à radiação melhora a taxa de resposta, variando de 19% com mecloretamina, vincristina, procarbazina e 90% com procarbazina, lomustina, e vincristina (PCV).

A sobrevida4 global dos pacientes com glioma de baixo grau que receberam quimioterapia1 mais radioterapia2 foi de 5,5 anos a mais do que a sobrevida4 global dos pacientes que receberam apenas radioterapia2.

Neste novo estudo, os investigadores distribuíram aleatoriamente 251 pacientes com glioma de grau 2 para receber radioterapia2 sozinha ou com seis ciclos de PCV. Adultos com função neurológica com pontuação inferior a 3 eram elegíveis se eles tivessem tumores que fossem menos do que completamente ressecados ou se eles tivessem 40 anos ou mais com qualquer extensão da ressecção.

Com um seguimento médio de 11,9 anos, a sobrevida4 global mediana foi substancialmente maior entre os pacientes que receberam radioterapia2 mais quimioterapia1 em comparação com pacientes que receberam radioterapia2 isolada (13,3 vs 7,8 anos). A sobrevida4 média livre de progressão também foi melhor com a adição de quimioterapia1 (10,4 vs 4,0 anos). Pacientes com oligodendroglioma tinham o melhor prognóstico6.

Apesar das toxicidades hematológicas graus 3 e 4 serem mais comuns no grupo que recebeu quimioterapia1 (64 pacientes vs um), apenas três pacientes necessitaram de transfusões de glóbulos vermelhos e um paciente necessitou de transfusão7 de plaquetas8. O desenvolvimento de neoplasias9 secundárias é uma preocupação com alguns tratamentos de câncer10 e, até agora, não houve casos de mielodisplasia ou leucemia11 secundária relatados entre os participantes do estudo. No entanto, neoplasias9 secundárias podem se desenvolver mais de uma década após o término do tratamento.

"Este é o primeiro estudo prospectivo12 a demonstrar um aumento da sobrevida4 relacionado ao tratamento em pacientes com glioma grau 2", disse Buckner. "A toxicidade13, embora maior com a PCV, é aceitável e semelhante ao observado com muitos regimes de quimioterapia1 de combinação comumente usados. Comprometimento cognitivo14 grave em cinco anos, medido pelo MMSE (Mini-Mental State Examination), é pouco frequente. O declínio cognitivo14 menos grave e em prazo mais longo não pode ser avaliado."

As conclusões do estudo mudam verdadeiramente a prática médica, disse Martin van den Bent, neuro-oncologista do Erasmus MC Cancer10 Institute, na Holanda, que serviu como debatedor do estudo na reunião da ASCO. "Em 2014, podemos concluir com segurança que foi estabelecido o papel da quimioterapia1 em todos os tipos de gliomas difusos", disse ele.

NOVO TRATAMENTO PARA A LEUCEMIA11 LINFOCÍTICA CRÔNICA (LLC)

Resultados encorajadores também surgiram a partir do ensaio clínico RESONATE, que testou o ibrutinibe na leucemia11 linfocítica crônica (LLC), relatou John Byrd, professor de medicina do Ohio State University Comprehensive Cancer10 Center, em Columbus. O ibrutinibe é um inibidor da tirosina15 quinase de Bruton.

Pacientes com LLC que experimentam um período curto de resposta à terapia inicial, que são idosos ou que têm uma deleção 17p (exclusão de parte do braço curto do cromossomo16 17), tem resultados pobres e opções de tratamento limitadas. Em fevereiro de 2014, a Food and Drug Administration, dos EUA, concedeu aprovação acelerada para o ibrutinibe para o tratamento de pacientes com leucemia11 linfocítica crônica que receberam um tratamento anterior. Esta “luz verde” foi baseada em um estudo de grupo único, mostrando que cerca de 58% dos pacientes tiveram redução do tumor17.

No ensaio clínico RESONATE, os investigadores distribuíram aleatoriamente 391 pacientes com recaída de LLC ou LLC refratária para receber ibrutinibe oral, uma vez ao dia, ou ofatumumabe intravenoso. Os pacientes foram estratificados por serem refratários18 à quimioterapia1 com análogos da purina, bem como pela presença de uma mutação19 de exclusão do 17p.

No momento da análise interina, a mediana de tempo de acompanhamento foi de 9,4 meses. A sobrevida4 média livre de progressão da doença foi de 8,1 meses entre os pacientes que receberam ofatumumabe e não foi alcançada por pacientes que receberam ibrutinibe. Isso se traduz em uma redução de 78% no risco de progressão ou morte (HR 0,22; P<0,001). Apesar de 57 pacientes designados a receber ofatumumabe terem passado para a terapia com inibidor da tirosina15 quinase, houve uma redução de 57% no risco de morte no grupo ibrutinibe (HR 0,43; P=0,005).

"Este é um estudo muito importante, porque pela primeira vez, ele mostra que o ibrutinibe bate um comparador padrão que é aprovado para o uso de uma recaída de LLC ou LLC refratária", disse Byrd.

Outros pesquisadores acreditam que o estudo irá estabelecer o ibrutinibe como um divisor de águas na LLC. "A eficácia deste medicamento pode, de fato, transformar o tratamento da leucemia11 linfocítica crônica, potencialmente substituindo uma quimioterapia1 mais tóxica", disse Gregory Mestres, oncologista do Helen F. Graham Cancer10 Center em Newark, Delaware.

TERAPIA COM INIBIDORES DE AROMATASE PARA MULHERES COM CÂNCER10 DE MAMA20

Os resultados de uma análise conjunta de dois ensaios clínicos21, apresentados na ASCO, são pertinentes no longo debate sobre a terapia adjuvante ideal para mulheres pré-menopáusicas com receptores hormonais22 positivos para o câncer10 de mama20.

Em um ensaio clínico, conhecido como Tamoxifen and Exemestane Trial (TEXT), as pacientes foram divididas aleatoriamente em até 12 semanas após a cirurgia para receber cinco anos de supressão da função ovariana (SFO), juntamente com o inibidor de aromatase exemestano ou tamoxifeno. As pacientes que receberam a quimioterapia1 opcional, a receberam juntamente com a terapia hormonal. No segundo estudo, chamado de Suppression of Ovarian Function Trial (SOFT), as mulheres foram randomizadas para receber cinco anos apenas de tamoxifeno, o tamoxifeno mais a SFO ou o exemestano mais a SFO. Os tratamentos foram iniciados em até doze semanas após a cirurgia, se a quimioterapia1 não foi planejada, ou no prazo de oito meses de completar a quimioterapia1 adjuvante ou neoadjuvante.

Em cinco anos, as pacientes que receberam exemestano mais SFO tiveram uma redução relativa de 28% no risco de câncer10 invasivo subsequente ou morte em comparação às pacientes que receberam tamoxifeno mais SFO (91,1% das pacientes vivas vs 87,3%; HR, 0,72; P<0,001), relatou Olivia Pagani, do Institute of Oncology of Southern Switzerland, em Bellinzona, na Suíça, que apresentou os resultados. As pacientes no grupo que recebeu exemestano mais SFO também tiveram uma redução relativa de 34% na recorrência23 de câncer10 de mama20 em cinco anos, em comparação com pacientes que receberam tamoxifeno mais SFO (92,6% vs 88,8%; HR, 0,66; P<0,001). Dados de sobrevida4 global não estavam ainda prontos para análises.

O estudo também demonstrou que algumas mulheres tiveram um excelente prognóstico6 com a terapia endócrina e a SFO sozinha. Cerca de 43% das pacientes no TEXT e no SOFT não receberam quimioterapia1 e mais de 97% das mulheres tratadas com exemestano mais SFO estavam livres do câncer10 de mama20 em cinco anos. Em média, essas mulheres tinham características de menor risco, idade avançada e tumores menores.

O SOFT e TEXT são dois grandes ensaios clínicos21, multinacionais, randomizados que abordam duas questões, explicou Clifford Hudis, chefe do serviço de medicina em câncer10 de mama20 do Memorial Sloan Kettering Cancer10 Center (MSKCC), em Nova York. As mulheres na pré-menopausa24 com câncer10 de mama20 hormônio25-positivo devem ter seus ovários26 suprimidos como parte do tratamento? E se eles forem suprimidos, as pacientes melhoram quando um inibidor de aromatase é substituído pelo tamoxifeno? Hudis disse que a análise conjunta responde a esta última questão, com o inibidor da aromatase apresentando melhor desempenho do que o tamoxifeno. Em mulheres na pós-menopausa24, os inibidores de aromatase também têm demonstrado superar o tamoxifeno.

"A questão ainda não respondida aqui, e que é importante, é saber se as pessoas que usaram monoterapia com tamoxifeno (sem SFO) poderiam ter se saído tão bem. Mas para o momento, há um benefício observado com o tratamento com inibidores da aromatase, não em termos de sobrevivência27, mas em termos de controle da doença.", Disse Hudis.

Para algumas pessoas, tais como aquelas com doença de alto risco, “a toxicidade13 adicional de ter feito menopausa24 vai valer a pena", disse Hudis. "Outras vão dizer: ‘sem uma diferença na sobrevida4 no momento, eu não tenho certeza se quero passar por isso."

TRATAMENTO DO CÂNCER10 DE PRÓSTATA28 METASTÁTICO

A maioria dos pacientes com câncer10 de próstata28 metastático responde à terapia de privação androgênica (TPA) e depois as células29 do câncer10 tornam-se resistentes, mas o docetaxel tem mostrado melhorar a sobrevivência27 desses pacientes. As conclusões do estudo Chemohormonal Therapy vs Androgen Ablation Randomized Trial for Extensive Disease in Prostate Cancer10 (CHAARTED) constatou que dar docetaxel no início do tratamento pode beneficiar alguns pacientes.

O estudo incluiu 790 pacientes com diagnóstico30 recente de câncer10 de próstata28 metastático sensível à hormonioterapia. Os pacientes foram randomizados para receber apenas TPA ou TPA com um máximo de seis ciclos de docetaxel.

Numa análise interina, em 29 meses de acompanhamento, a sobrevida4 global mediana foi de 44 meses nos pacientes que receberam apenas TPA e de 57,6 meses em pacientes que receberam TPA mais quimioterapia1 (HR, 0,61; P<0,001), informou Christopher Sweeney, diretor clínico do Lank Center for Genitourinary Oncology, Dana-Farber Cancer10 Institute, em Boston. "Esta é uma das maiores melhorias na sobrevivência27 que já vimos em um estudo envolvendo pacientes com tumores sólidos metastáticos", disse Sweeney.

Homens com doença de alto volume tiveram maior benefício, com uma diferença na sobrevida4 global mediana de 17 meses (32,2 vs 49,2 meses; P<0,001). A sobrevivência27 global mediana em pacientes com doença de baixo volume ainda não foi alcançada.

De acordo com Michael Morris, membro associado do Memorial Sloan Kettering Cancer10 Center (MSKCC), que não estava envolvido no estudo CHAARTED, o ensaio clínico "demonstra adequadamente" que os pacientes sensíveis à castração31, com doença metastática32 de alto volume, se beneficiam com o docetaxel, mas o debate ainda está aberto para a doença de baixo volume.

"Não existem dados suficientes neste momento, depois de 29 meses de seguimento médio, para recomendar que pacientes com doença de baixo volume, sensíveis à castração31, devam se submeter à quimioterapia1", disse Morris. "Precisamos aperfeiçoar a distinção entre os pacientes que serão beneficiados com a quimioterapia1 e aqueles que não o serão."

Morris salientou que o docetaxel tem um efeito muito maior na fase sensível à castração31 do que na fase resistente à castração31, na qual melhorias de apenas dois a três meses foram observadas em estudos clínicos.

Fonte: The Journal of the American Medical Association (JAMA), publicação online, de 2 de julho de 2014 

NEWS.MED.BR, 2014. Destaques da reunião anual da ASCO na leucemia linfocítica crônica, glioma e nos tumores de próstata e mama. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/551897/destaques-da-reuniao-anual-da-asco-na-leucemia-linfocitica-cronica-glioma-e-nos-tumores-de-prostata-e-mama.htm>. Acesso em: 20 out. 2019.

Complementos

1 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
2 Radioterapia: Método que utiliza diversos tipos de radiação ionizante para tratamento de doenças oncológicas.
3 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
4 Sobrevida: Prolongamento da vida além de certo limite; prolongamento da existência além da morte, vida futura.
5 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
6 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
7 Transfusão: Introdução na corrente sangüínea de sangue ou algum de seus componentes. Podem ser transfundidos separadamente glóbulos vermelhos, plaquetas, plasma, fatores de coagulação, etc.
8 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
9 Neoplasias: Termo que denomina um conjunto de doenças caracterizadas pelo crescimento anormal e em certas situações pela invasão de órgãos à distância (metástases). As neoplasias mais frequentes são as de mama, cólon, pele e pulmões.
10 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
11 Leucemia: Doença maligna caracterizada pela proliferação anormal de elementos celulares que originam os glóbulos brancos (leucócitos). Como resultado, produz-se a substituição do tecido normal por células cancerosas, com conseqüente diminuição da capacidade imunológica, anemia, distúrbios da função plaquetária, etc.
12 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
13 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
14 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
15 Tirosina: É um dos aminoácidos polares, sem carga elétrica, que compõem as proteínas, caracterizado pela cadeia lateral curta na qual está presente um anel aromático e um grupamento hidroxila.
16 Cromossomo: Cromossomos (Kroma=cor, soma=corpo) são filamentos espiralados de cromatina, existente no suco nuclear de todas as células, composto por DNA e proteínas, sendo observável à microscopia de luz durante a divisão celular.
17 Tumor: Termo que literalmente significa massa ou formação de tecido. É utilizado em geral para referir-se a uma formação neoplásica.
18 Refratários: 1. Que resiste à ação física ou química. 2. Que resiste às leis ou a princípios de autoridade. 3. No sentido figurado, que não se ressente de ataques ou ações exteriores; insensível, indiferente, resistente. 4. Imune a certas doenças.
19 Mutação: 1. Ato ou efeito de mudar ou mudar-se. Alteração, modificação, inconstância. Tendência, facilidade para mudar de ideia, atitude etc. 2. Em genética, é uma alteração súbita no genótipo de um indivíduo, sem relação com os ascendentes, mas passível de ser herdada pelos descendentes.
20 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
21 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
22 Receptores hormonais: São proteínas que se ligam aos hormônios circulantes, mediando seus efeitos nas células. Os mais estudados em tumores de mama são os receptores de estrogênio e os receptores de progesterona, por exemplo.
23 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
24 Menopausa: Estado fisiológico caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais normais, acompanhada de alterações hormonais em mulheres após os 45 anos.
25 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
26 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
27 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
28 Próstata: Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmem coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
29 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
30 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
31 Castração: Anulação da função ovariana ou testicular através da extirpação destes órgãos ou por inibição farmacológica.
32 Doença metastática: Câncer que se espalhou do seu local de origem a outras partes do organismo.
Gostou do artigo? Compartilhe!