Gostou do artigo? Compartilhe!

Antidepressivo em altas doses para crianças e adolescentes pode levar a comportamento suicida, publicado pelo JAMA Internal Medicine

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma meta-análise abrangente de dados randomizados sugere que o comportamento suicida é duas vezes mais provável em crianças e adultos jovens que foram aleatoriamente distribuídos para receber antidepressivos em comparação com aqueles que receberam placebo1. O risco relacionado à medicação não foi elevado para adultos com mais de 24 anos. Ao que parece, nenhum estudo até a presente data tinha examinado se o risco de comportamento suicida está relacionado à dose de antidepressivo usada, e em caso afirmativo, se o risco depende da idade do paciente.

O objetivo da pesquisa publicada pelo JAMA Internal Medicine foi avaliar o risco de suicídio por dose de antidepressivo, por faixa etária.

Este foi um estudo de coorte2 de propensão usando dados populacionais de 162.625 residentes dos EUA, com idades entre 10 e 64 anos, com depressão, que iniciaram a terapia com antidepressivos inibidores da recaptação da serotonina na dose padrão ou em doses mais elevadas a partir de 1° de janeiro de 1998 até 31 de dezembro de 2010.

A taxa de suicídio entre crianças e adultos com até 24 anos que iniciaram a terapia com altas doses de antidepressivo foi aproximadamente duas vezes maior que entre os pacientes que iniciaram a terapia com a dose padrão, o que corresponde a cerca de um evento adicional por cada 150 pacientes tratados com dose elevada. Para os adultos de 25 a 64 anos de idade, o risco absoluto de comportamento suicida foi muito menor.

Concluiu-se que crianças e adultos jovens que iniciam a terapia com antidepressivos em doses elevadas parecem estar em risco elevado para suicídio. Considerado recentes meta-análises que concluíram que a eficácia da terapia com antidepressivos para os jovens parece ser modesta e as evidências em separado de que a dose de antidepressivo não está geralmente relacionada à eficácia terapêutica3, os resultados do estudo oferecem um incentivo adicional para evitar o início da terapêutica3 com doses altas de antidepressivo e de acompanhar de perto e por vários meses os pacientes que começam a usar antidepressivos, especialmente os jovens.

Fonte: JAMA Internal Medicine, publicação online de 28 de abril de 2014 

NEWS.MED.BR, 2014. Antidepressivo em altas doses para crianças e adolescentes pode levar a comportamento suicida, publicado pelo JAMA Internal Medicine. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/537989/antidepressivo-em-altas-doses-para-criancas-e-adolescentes-pode-levar-a-comportamento-suicida-publicado-pelo-jama-internal-medicine.htm>. Acesso em: 17 set. 2019.

Complementos

1 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
2 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
3 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
Gostou do artigo? Compartilhe!