Gostou do artigo? Compartilhe!

NEJM: saxagliptina e alogliptina, inibidores da dipeptidil peptidase 4 (DPP-4). Segurança e eficácia cardiovascular de alguns hipoglicemiantes ainda não são claras

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O diabetes tipo 21 duplica o risco de complicações cardiovasculares em pacientes com ou sem doença cardiovascular estabelecida, assim a maioria dos pacientes diabéticos morre de doenças cardiovasculares2. Embora o controle glicêmico reduza as complicações diabéticas microvasculares, permanece a dúvida sobre qual esquema terapêutico utilizar para reduzir o risco cardiovascular nesses pacientes.

Dois ensaios clínicos3 usando inibidores da dipeptidil peptidadse 4 (DPP-4) foram publicados esta semana pelo The New England Journal of Medicine.

No estudo The Saxagliptin Assessment of Vascular4 Outcomes Recorded in Patients with Diabetes Mellitus5 (SAVOR)–Thrombolysis in Myocardial Infarction (TIMI) 53, conhecido como SAVOR-TIMI 53, foram estudados aleatoriamente 16.492 pacientes com diabetes tipo 21 que tinham um histórico de ou estavam em risco para eventos cardiovasculares. Eles receberam saxagliptina ou placebo6 e foram acompanhados por um período médio de dois anos. O desfecho primário foi um composto de morte cardiovascular, infarto do miocárdio7 ou acidente vascular cerebral8 isquêmico9.

Um evento do desfecho primário ocorreu em 613 pacientes do grupo de saxagliptina e em 609 no grupo de placebo6. Mais pacientes no grupo saxagliptina do que no grupo placebo6 foram hospitalizados por insuficiência cardíaca10. Taxas de pancreatite11 aguda e crônica foram semelhantes nos dois grupos.

Concluiu-se, neste estudo, que a inibição da DPP-4 com a saxagliptina não aumentou nem diminuiu a taxa de eventos isquêmicos, embora a taxa de hospitalização por insuficiência cardíaca10 tenha aumentado. Apesar de a saxagliptina melhorar o controle glicêmico, outras abordagens são necessárias para reduzir o risco cardiovascular em pacientes com diabetes12.

O segundo ensaio clínico publicado pelo NEJM, recebeu o nome de Examination of Cardiovascular Outcomes with Alogliptin versus Standard of Care (EXAMINE). Ele foi realizado para verificar se o uso de alogliptina não é inferior ao uso do placebo6 em relação aos principais eventos cardiovasculares em pacientes com diabetes tipo 21 que possuem alto risco cardiovascular, ou seja, aqueles que tinham sofrido alguma síndrome13 coronariana aguda que exigiu hospitalização (infarto do miocárdio7 ou angina14 instável) recentemente. Observou-se que nestes pacientes, o tratamento com alogliptina resultou em taxas de morte por causas cardiovasculares, infarto do miocárdio7 não fatal e acidente vascular4 não fatal semelhantes a aquelas encontradas com o uso do placebo6.

Fonte: The New England Journal of Medicine, de 2 de setembro de 2013

NEWS.MED.BR, 2013. NEJM: saxagliptina e alogliptina, inibidores da dipeptidil peptidase 4 (DPP-4). Segurança e eficácia cardiovascular de alguns hipoglicemiantes ainda não são claras. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/376900/nejm-saxagliptina-e-alogliptina-inibidores-da-dipeptidil-peptidase-4-dpp-4-seguranca-e-eficacia-cardiovascular-de-alguns-hipoglicemiantes-ainda-nao-sao-claras.htm>. Acesso em: 23 out. 2021.

Complementos

1 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
2 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
3 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
4 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
5 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
6 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
7 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
8 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
9 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
10 Insuficiência Cardíaca: É uma condição na qual a quantidade de sangue bombeada pelo coração a cada minuto (débito cardíaco) é insuficiente para suprir as demandas normais de oxigênio e de nutrientes do organismo. Refere-se à diminuição da capacidade do coração suportar a carga de trabalho.
11 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
12 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
13 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
14 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
Gostou do artigo? Compartilhe!