Atalho: 6I8W3TW
Gostou do artigo? Compartilhe!

Mau controle glicêmico em diabéticos pode contribuir para declínio cognitivo em idosos, publicado pelo Archives of Neurology

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Para determinar se os casos antigos e os casos novos de diabetes mellitus1 (DM) aumentam o risco de declínio cognitivo2 e se, em idosos com DM, o mau controle glicêmico está relacionado a um pior desempenho cognitivo3, foi realizado um estudo de coorte4 prospectivo5, com um total de 3.069 idosos (idade média de 74,2 anos; 42% negros e 52% do sexo feminino).

Os participantes completaram os testes conhecidos como Modified Mini-Mental State Examination (3MS) e Digit Symbol Substitution Test (DSST) no início do estudo e em intervalos selecionados durante dez anos. O diabetes mellitus1 foi determinado no início e durante visitas de acompanhamento. A hemoglobina glicosilada6 foi medida no primeiro, quarto, sexto e décimo anos de seguimento a partir do sangue7 total.

No início do estudo, 717 participantes (23,4%) tinham DM (casos prevalentes) e 2.352 (76,6%) estavam sem DM, 159 dos quais desenvolveram a doença durante o seguimento (casos incidentes8). Os participantes com DM (casos prevalentes) apresentaram menores escores basais dos testes do que os participantes sem a doença. Entre os participantes com DM prevalente, o nível maior de hemoglobina glicosilada6 foi associado à menor média de escores, mesmo após ajuste multivariado.

Concluiu-se que, entre os participantes da pesquisa, o DM e o mau controle glicêmico entre aqueles com DM estão associados a uma função cognitiva9  pior e ao maior declínio cognitivo2. Isto sugere que a gravidade da doença pode contribuir para o envelhecimento cognitivo2 acelerado.

Fonte: Archives of Neurology, publicação online de junho de 2012

 

 

NEWS.MED.BR, 2012. Mau controle glicêmico em diabéticos pode contribuir para declínio cognitivo em idosos, publicado pelo Archives of Neurology. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/304905/mau-controle-glicemico-em-diabeticos-pode-contribuir-para-declinio-cognitivo-em-idosos-publicado-pelo-archives-of-neurology.htm>. Acesso em: 1 mar. 2021.

Complementos

1 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
2 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
3 Desempenho cognitivo: Desempenho dos processos de aprendizagem e de aquisição de conhecimento através da percepção.
4 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
5 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
6 Hemoglobina glicosilada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
7 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
8 Incidentes: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
9 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
Gostou do artigo? Compartilhe!