Atalho: 5SF9L76
Gostou do artigo? Compartilhe!

Pâncreas artificial é promessa na redução do número de mortes em grávidas com diabetes tipo 1 em estudo publicado no Diabetes Care

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Pesquisadores da Universidade de Cambridge demonstraram, pela primeira vez, o potencial de um pâncreas1 artificial em grávidas com diabetes tipo 12. Espera-se que ele possa reduzir drasticamente os casos de natimortos e as taxas de mortalidade3 entre gestantes portadoras desta condição no futuro.

O estudo publicado no Diabetes4 Care, coordenado pela Dra. Helen Murphy, do Departamento Clínico de Bioquímica da Universidade de Cambridge, e colaborado pelo grupo do Dr. Roman Hovorka, do Instituto de Ciências Metabólicas, avaliou a performance do pâncreas1 artificial ou sistema “closed-loop insulin delivery system” em dez grávidas com diabetes tipo 12. A pesquisa mostrou que este dispositivo é capaz de fornecer automaticamente a quantidade correta de insulina5, no tempo certo, além de manter os níveis de glicose6 dentro do normal e prevenir a hipoglicemia7 noturna - tanto nos estágios precoces, quanto no final da gestação. Este sistema foi criado com a combinação de um monitor contínuo de glicemia8 e de uma bomba de insulina9, os quais já são usados separadamente por muitas pessoas com diabetes tipo 12.

Outros estudos já demonstraram a melhoria do controle glicêmico em crianças com diabetes tipo 12 com o uso do pâncreas1 artificial, mas este é o primeiro a aplicar tal dispositivo em grávidas com a doença.

A gravidez10 aumenta os riscos de uma mulher diabética, uma vez que as mudanças hormonais tornam o controle da glicemia8 mais difícil, principalmente durante a noite. Bebês11 de mães diabéticas têm risco cinco vezes maior de natimortalidade, três vezes maior de morrer nos primeiros meses de vida e duas vezes maior de malformações12 congênitas13. Duas entre três mães com diabetes4 pré-existente têm diabetes tipo 12. A hipoglicemia7 na gravidez10 é a principal causa de mortalidade3 materna.

Fonte: University of Cambridge

NEWS.MED.BR, 2011. Pâncreas artificial é promessa na redução do número de mortes em grávidas com diabetes tipo 1 em estudo publicado no Diabetes Care. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/171392/pancreas-artificial-e-promessa-na-reducao-do-numero-de-mortes-em-gravidas-com-diabetes-tipo-1-em-estudo-publicado-no-diabetes-care.htm>. Acesso em: 23 ago. 2019.

Complementos

1 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
2 Diabetes tipo 1: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada por deficiência na produção de insulina. Ocorre quando o próprio sistema imune do organismo produz anticorpos contra as células-beta produtoras de insulina, destruindo-as. O diabetes tipo 1 se desenvolve principalmente em crianças e jovens, mas pode ocorrer em adultos. Há tendência em apresentar cetoacidose diabética.
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
4 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
5 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
6 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
7 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
8 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
9 Bomba de insulina: Pequena bomba implantada no corpo para liberar insulina de maneira contínua ao longo do dia. A liberação de insulina é comandada pelo usuário da bomba, através de um controle remoto. Podem ser liberados bolus de insulina (várias unidades ao mesmo tempo) nas refeições ou quando os níveis de glicose estão altos, baseados na programação feita pelo usuário.
10 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
11 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
12 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
13 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
Gostou do artigo? Compartilhe!