Gostou do artigo? Compartilhe!

Mudança precoce para antibióticos orais se mostrou segura na bacteremia gram-negativa não complicada

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O risco de mortalidade1 por todas as causas foi semelhante em pacientes com bacteremia2 gram-negativa não complicada que mudaram precocemente de antibióticos intravenosos para antibióticos orais, de acordo com um estudo de coorte3 retrospectivo4 publicado no JAMA Network Open.

Dos pacientes que fizeram a transição precoce para antibióticos orais, 6,9% morreram em um acompanhamento de 3 meses, em comparação com 14,3% dos pacientes que receberam tratamento prolongado com antibióticos intravenosos, relataram Sandra Tingsgard, MD, do Copenhagen University Hospital – Amager and Hvidovre na Dinamarca, e colegas.

O risco de mortalidade1 por todas as causas em 90 dias foi semelhante tanto na população com intenção de tratar quanto na análise por protocolo.

“No geral, encontramos taxas comparáveis de mortalidade1 por todas as causas em 90 dias entre indivíduos clinicamente estáveis que fizeram a transição precoce para antibióticos orais, em comparação com indivíduos que receberam tratamento prolongado com antibióticos intravenosos”, comentaram os autores.

Na população com intenção de tratar (n = 914), o risco de mortalidade1 por todas as causas em 90 dias foi de 9,1% para aqueles que mudaram precocemente para antibióticos orais e de 11,7% para pacientes5 que receberam antibióticos intravenosos por tempo prolongado, com uma diferença de risco de -2,5%. Na análise por protocolo (n = 747), o risco de mortalidade1 por todas as causas em 90 dias foi de 9,6% no grupo de troca precoce e de 9,7% no grupo de antibióticos intravenosos por tempo prolongado, com uma diferença de risco de -0,1%.

Tingsgard e colegas usaram uma estrutura de ensaio hipotético exclusiva que emulou o protocolo do estudo de fase III INVEST para analisar dados observacionais coletados em quatro hospitais na Dinamarca de janeiro de 2018 a janeiro de 2022. As análises de emulação de ensaio alvo imitam ensaios clínicos6 randomizados (ECRs), mas utilizam dados observacionais e podem, portanto, ser conduzidos de maneira mais oportuna e econômica, explicaram os autores.

Saiba mais sobre "Bactérias Gram-positivas e Gram-negativas" e "Usos e abusos dos antibióticos".

Em um editorial que acompanhou a publicação do estudo, David Paterson, PhD, da Universidade Nacional de Cingapura, e Helmi bin Sulaiman, da Universidade da Malásia em Kuala Lumpur, Malásia, comentaram que os resultados do estudo foram consistente com os resultados recentemente publicados do ensaio clínico randomizado7 da SOAB. O estudo SOAB mostrou que uma troca precoce para terapia oral após 3 a 5 dias da terapia antimicrobiana intravenosa inicial não é inferior à continuação da terapia intravenosa em pacientes clinicamente estáveis com bacteremia2 por Enterobacterales.

“Os médicos podem ignorar a necessidade de ensaios clínicos6 randomizados e simplesmente basear a sua tomada de decisão em dados observacionais?” eles perguntaram, quando estudos observacionais rigorosos chegam às mesmas conclusões que os ECRs. “A confusão ainda pode ocorrer, levando a conclusões errôneas”, afirmaram. “Nós favorecemos os dados dos ensaios clínicos6 randomizados quando se trata de tomar decisões de prescrição baseadas em evidências”, concluíram Paterson e bin Sulaiman.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam que a bacteremia2 gram-negativa é um problema de saúde8 global, e otimizar a transição de antibióticos intravenosos (IV) para orais é um passo crítico para melhorar o tratamento dos pacientes e a utilização de recursos.

O objetivo desse estudo foi avaliar a associação da mudança para antibióticos orais dentro de 4 dias após a hemocultura inicial com mortalidade1 por todas as causas em 90 dias, em comparação com tratamento prolongado com antibióticos intravenosos para pacientes5 com bacteremia2 gram-negativa não complicada.

Este estudo de coorte3 realizado usando a estrutura de emulação de ensaio alvo incluiu dados observacionais de adultos com bacteremia2 gram-negativa não complicada em 4 hospitais em Copenhague, Dinamarca, de 1º de janeiro de 2018 a 31 de dezembro de 2021. A duração do acompanhamento foi de 90 dias. Os critérios de elegibilidade incluíram uma hemocultura positiva para crescimento de bactérias gram-negativas, estabilidade clínica dentro de 4 dias da hemocultura inicial, um relatório de suscetibilidade disponível no dia 4 e início do tratamento antibiótico IV empírico apropriado dentro de 24 horas após a hemocultura.

A exposição do estudo foi a mudança para antibióticos orais dentro de 4 dias após a hemocultura inicial em comparação com a continuação do tratamento com antibióticos intravenosos por pelo menos 5 dias após a hemocultura inicial.

O principal desfecho foi mortalidade1 por todas as causas em 90 dias. A probabilidade inversa da ponderação do tratamento foi aplicada para ajustar para fatores de confusão. Análises por intenção de tratar e por protocolo foram realizadas usando regressão logística agrupada para estimar risco absoluto, diferença de risco (RD) e razão de risco (RR); ICs 95% foram calculados usando bootstrapping9.

Um total de 914 indivíduos foram incluídos na análise de emulação de ensaio alvo (512 [56,0%] homens; idade mediana, 74,5 anos [IQR, 63,3-83,2 anos]); 433 (47,4%) fizeram a transição precoce para o tratamento com antibióticos orais e 481 (52,6%) receberam tratamento intravenoso prolongado. Noventa e nove indivíduos (10,8%) faleceram durante o acompanhamento.

A proporção de indivíduos que morreram foi maior no grupo que recebeu tratamento intravenoso prolongado (69 [14,3%] vs 30 [6,9%]). Na análise de intenção de tratar, o risco de mortalidade1 por todas as causas em 90 dias foi de 9,1% (IC 95%, 6,7%-11,6%) para o grupo de troca precoce e 11,7% (IC 95%, 9,6%-13,8%) para o grupo que recebeu tratamento intravenoso prolongado; a RD foi de -2,5% (IC 95%, -5,7% a 0,7%) e a RR foi de 0,78 (IC 95%, 0,60-1,10). Na análise por protocolo, a RD foi de -0,1% (IC 95%, -3,4% a 3,1%) e a RR foi de 0,99 (IC 95%, 0,70-1,40).

Neste estudo de coorte3 de bacteremia2 gram-negativa não complicada, a transição precoce para antibióticos orais dentro de 4 dias da hemocultura inicial foi associada a um risco de mortalidade1 por todas as causas em 90 dias comparável ao do tratamento contínuo com antibióticos intravenosos e pode ser uma alternativa eficaz ao tratamento intravenoso prolongado.

Leia sobre "Agentes infecciosos", "A resistência aos antibióticos e as superbactérias" e "Hemocultura".

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 23 de janeiro de 2024.
MedPage Today, notícia publicada em 23 de janeiro de 2024.

NEWS.MED.BR, 2024. Mudança precoce para antibióticos orais se mostrou segura na bacteremia gram-negativa não complicada. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1465177/mudanca-precoce-para-antibioticos-orais-se-mostrou-segura-na-bacteremia-gram-negativa-nao-complicada.htm>. Acesso em: 21 abr. 2024.

Complementos

1 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
2 Bacteremia: Presença de bactérias no sangue, porém sem que as mesmas se multipliquem neste. Quando elas se multiplicam no sangue chamamos “septicemia”.
3 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
4 Retrospectivo: Relativo a fatos passados, que se volta para o passado.
5 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
6 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
7 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
8 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
9 Bootstrapping: Em estatística, bootstrapping ou bootstrap é um método de reamostragem proposto por Bradley Efron em 1979, em que pega-se uma amostra e faz reamostragens com substituições. É usado para aproximar distribuição na amostra de um levantamento estatístico, frequentemente para aproximar o viés ou a variância de um conjunto de dados estatísticos, assim como para construir intervalos de confiança ou realizar contrastes de hipóteses sobre parâmetros de interesse. Na maior parte dos casos, não se pode obter expressões fechadas para as aproximações bootstrap, sendo necessário obter reamostragens em um ordenador para colocar o método em prática.
Gostou do artigo? Compartilhe!