Gostou do artigo? Compartilhe!

Lipoproteína(a) é um fator de risco adicional para aterosclerose precoce em crianças com hipercolesterolemia familiar

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A lipoproteína(a) elevada e a hipercolesterolemia1 familiar são condições de risco independentes para doenças cardiovasculares2. Embora possam ser observados sinais3 de aterosclerose4 em crianças com hipercolesterolemia1 familiar, não se sabe se a lipoproteína(a) elevada é um fator de risco5 adicional para aterosclerose4 nestes pacientes jovens.

Portanto, o objetivo deste estudo, publicado no The Lancet Diabetes6 & Endocrinology, foi avaliar a contribuição das concentrações de lipoproteína(a) para o espessamento da parede arterial (medido pela espessura da camada íntima-média da carótida) em crianças com hipercolesterolemia1 familiar que foram acompanhadas até a idade adulta.

Foi realizado um estudo de acompanhamento de 20 anos com 214 crianças (com idades entre 8 e 18 anos) com hipercolesterolemia1 familiar heterozigótica que foram aleatoriamente designadas para um ensaio com estatinas em Amsterdã (Holanda) entre 7 de dezembro de 1997 e 4 de outubro de 1999.

No início do estudo e aos 2, 10 e 20 anos seguintes, foram colhidas amostras de sangue7 e medida a espessura da íntima-média da carótida. Modelos lineares de efeitos mistos foram utilizados para avaliar a associação entre lipoproteína(a) e espessura da íntima-média da carótida durante o acompanhamento. Ajustou-se para sexo, idade, colesterol8 LDL9 corrigido, uso de estatinas e IMC10.

A população de estudo compreendeu 200 crianças que tiveram uma medição da espessura da íntima-média da carótida e uma concentração de lipoproteína(a) medida em pelo menos uma consulta disponível.

A idade média no início do estudo era de 13,0 anos (DP 2,9), 106 (53%) crianças eram do sexo masculino e 94 (47%) do sexo feminino. No início do estudo, a concentração mediana de lipoproteína(a) foi de 18,5 nmol/L (IQR 8,7-35,5) e a espessura média da íntima-média da carótida foi de 0,4465 mm (DP 0,0496).

Durante o acompanhamento, concentrações mais elevadas de lipoproteína(a) contribuíram significativamente para a progressão da espessura da íntima-média da carótida (β ajustado 0,0073 mm por aumento de 50 nmol/L na lipoproteína(a) [IC 95% 0,0013-0,0132]; p = 0,017).

Leia sobre "Entendendo o colesterol8 do organismo", "Dislipidemia", "Aterosclerose4" e "Doenças cardiovasculares2".

Os achados sugerem que as concentrações de lipoproteína(a) contribuem significativamente para o espessamento da parede arterial em crianças com hipercolesterolemia1 familiar que foram acompanhadas até a idade adulta, sugerindo que a lipoproteína(a) é um fator de risco5 independente e adicional para aterosclerose4 precoce naqueles já com risco aumentado.

A medição da lipoproteína(a) em pacientes jovens com hipercolesterolemia1 familiar é crucial para identificar aqueles com risco potencialmente mais elevado de doença cardiovascular.

 

Fonte: The Lancet Diabetes6 & Endocrinology, Vol. 11, Nº 9, em setembro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Lipoproteína(a) é um fator de risco adicional para aterosclerose precoce em crianças com hipercolesterolemia familiar. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1444020/lipoproteina-a-e-um-fator-de-risco-adicional-para-aterosclerose-precoce-em-criancas-com-hipercolesterolemia-familiar.htm>. Acesso em: 27 fev. 2024.

Complementos

1 Hipercolesterolemia: Aumento dos níveis de colesterol do sangue. Está associada a uma maior predisposição ao desenvolvimento de aterosclerose.
2 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
3 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
4 Aterosclerose: Tipo de arteriosclerose caracterizado pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias.
5 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
6 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
7 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
8 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
9 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
10 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
Gostou do artigo? Compartilhe!