Gostou do artigo? Compartilhe!

Gel tópico de esmolol ajudou a curar úlceras de pé diabético

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A adição de cloridrato de esmolol tópico1 ao tratamento padrão (TP) melhorou significativamente a cicatrização de úlceras2 de pé diabético, mostrou um estudo randomizado3 de fase III da Índia, publicado no JAMA Network Open.

Durante uma fase de tratamento de 12 semanas, 60,3% dos pacientes alcançaram o fechamento alvo da úlcera4 com esmolol mais TP em comparação com 41,7% daqueles tratados apenas com TP, relataram Ashu Rastogi, MD, do Post Graduate Institute of Medical Education and Research em Chandigarh, Índia, e colegas.

Na semana 24 do estudo, 77,2% dos pacientes tratados com esmolol alcançaram o fechamento alvo da úlcera4 versus 55,6% do grupo que recebeu apenas TP, que incluiu a limpeza da ferida com solução salina, manutenção do ambiente úmido da ferida e descarga da úlcera4-alvo.

Esta é uma área que precisa desesperadamente de novas terapias, já que apenas cerca de 30% das feridas relacionadas ao diabetes5 cicatrizam, mesmo com as melhores terapias disponíveis, como terapia úmida para feridas, tecidos de bioengenharia ou substitutos da pele6, peptídeos, fatores de crescimento, estimulação elétrica e terapia de feridas por pressão negativa, Rastogi e equipe apontaram.

“A recorrência7 da úlcera4 é um problema comum nas úlceras2 do pé diabético, com uma taxa de 40% a 70%”, acrescentaram.

No geral, o tempo médio para o fechamento da úlcera4 foi de 85 dias entre os pacientes tratados com esmolol e não foi estimável para o grupo de TP isolado, pois menos da metade das úlceras2 cicatrizaram durante o período de tratamento.

Saiba mais sobre "Cuidados simples para prevenir o pé diabético" e "Úlceras2 de perna".

Em uma análise de subgrupo, esmolol mais TP foi ainda mais eficaz em pacientes que pesavam mais de 176 lb, bem como pacientes com índice de massa corporal8 acima de 25, em comparação com TP isolado.

Acrescentar o esmolol à rotina de tratamento também foi mais eficaz na cicatrização de úlceras2 plantares e não plantares, bem como aquelas <5 cm² e ≥5 cm².

Cerca de 19% dos pacientes apresentaram eventos adversos, mas 87,3% desses eventos foram considerados não relacionados ao esmolol. Após a cicatrização, ocorreu reabertura em duas úlceras2 tratadas com esmolol e uma com TP isolado.

Atuando como um agente bloqueador do receptor adrenérgico9 β1-seletivo, o gel tópico1 de esmolol 14% foi aplicado em uma camada uniforme sobre a úlcera4 duas vezes ao dia. O grupo de Rastogi notou que geralmente cerca de 0,6 cm de gel era aplicado para cada centímetro quadrado de área de úlcera4.

“Em estudos pré-clínicos, o esmolol demonstrou inibir a aldose redutase, a formação de sorbitol10 nos glóbulos vermelhos e a geração avançada do produto final da glicosilação, o que pode diminuir o dano celular ao reduzir o estresse oxidativo nos tecidos da ferida”, explicaram. “O esmolol inibe Casp3, regula positivamente Bcl-2 e ativa a proteína quinase ativada por mitógeno ERK1/2, facilitando assim o reparo de feridas”.

No artigo publicado, os pesquisadores descrevem o cloridrato de esmolol tópico1 como uma nova modalidade de tratamento para úlceras2 do pé diabético.

Eles contextualizam que estudos pré-clínicos e de fase 1/2 com cloridrato de esmolol sugerem seu papel potencial no tratamento de úlceras2 de pé diabético (UPDs). O objetivo desde estudo, portanto, foi estudar a eficácia do esmolol tópico1 na cicatrização de UPDs não infectadas.

Um ensaio clínico randomizado11, duplo-cego, multicêntrico, de fase 3 foi realizado de 26 de dezembro de 2018 a 19 de agosto de 2020, em 27 centros de referência em toda a Índia. Os participantes incluíram adultos com UPDs.

Os participantes foram randomizados após uma fase inicial (1 semana) para receber esmolol gel 14% com tratamento padrão (TP), apenas TP ou veículo com TP (proporção 3:3:1) por 12 semanas (fase de tratamento) e acompanhados posteriormente até a semana 24.

O desfecho primário foi a proporção de fechamento da ferida na fase de tratamento de 12 semanas nos grupos esmolol com TP e apenas TP. A análise foi conduzida usando uma população avaliável de segurança por intenção de tratar, conjunto de análise completo ou população avaliável de eficácia e população por protocolo comparando os grupos de tratamento de esmolol mais TP e apenas TP.

No estudo, 176 participantes (122 homens [69,3%]; média [DP] idade, 56,4 [9,0] anos; média [DP] do nível de hemoglobina12 A1c13, 8,6% [1,6%]) com UPDs classificadas como feridas diabéticas de grau IA e IC (média [DP] de área da úlcera4, 4,7 [2,9] cm²) de acordo com o Sistema de Classificação de Feridas Diabéticas da Universidade do Texas foram randomizados para os 3 grupos. Um total de 140 participantes foram analisados quanto à eficácia.

A proporção de participantes no grupo esmolol com TP que atingiram o fechamento alvo da úlcera4 em 12 semanas foi de 41 de 68 (60,3%) em comparação com 30 de 72 (41,7%) participantes no grupo de TP apenas (odds ratio [OR], 2,13; IC 95%, 1,08-4,17; P = 0,03).

Um total de 120 participantes completaram a consulta final do estudo que foram analisados. O fechamento alvo da úlcera4 até o final do estudo (semana 24) foi alcançado em 44 de 57 (77,2%) participantes no grupo esmolol com TP e 35 de 63 (55,6%) participantes no grupo de TP apenas (OR, 2,71; IC 95%, 1,22-5,99; P = 0,01).

O tempo médio para fechamento da úlcera4 foi de 85 dias para o grupo esmolol com TP e não foi estimável para o grupo de TP apenas. Benefícios significativos do Esmolol com TP foram observados em pacientes com fatores que impedem a cura da UPD. Eventos adversos emergentes do tratamento foram observados em 18,8% dos participantes, mas a maioria (87,3%) desses eventos não foi atribuível ao medicamento do estudo.

Neste ensaio clínico multicêntrico, randomizado11 e duplo-cego, a adição de esmolol ao tratamento padrão demonstrou melhorar significativamente a cicatrização de úlceras2 de pé diabético. Com esses resultados, o esmolol tópico1 pode ser uma adição apropriada ao tratamento padrão para o tratamento de úlceras2 de pé diabético.

Leia sobre "Ulcerações14", "Diabetes Mellitus15", "Complicações do diabetes16" e "Cicatrização e cicatrizes17".

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 15 de maio de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 15 de maio de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Gel tópico de esmolol ajudou a curar úlceras de pé diabético. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1438715/gel-topico-de-esmolol-ajudou-a-curar-ulceras-de-pe-diabetico.htm>. Acesso em: 14 abr. 2024.

Complementos

1 Tópico: Referente a uma área delimitada. De ação limitada à mesma. Diz-se dos medicamentos de uso local, como pomadas, loções, pós, soluções, etc.
2 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
3 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
5 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
6 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
7 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
8 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
9 Adrenérgico: Que age sobre certos receptores específicos do sistema simpático, como o faz a adrenalina.
10 Sorbitol: Adoçante com quatro calorias por grama. Substância produzida pelo organismo em pessoas com diabetes e que pode causar danos aos olhos e nervos.
11 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
12 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
13 A1C: O exame da Hemoglobina Glicada (A1C) ou Hemoglobina Glicosilada é um teste laboratorial de grande importância na avaliação do controle do diabetes. Ele mostra o comportamento da glicemia em um período anterior ao teste de 60 a 90 dias, possibilitando verificar se o controle glicêmico foi efetivo neste período. Isso ocorre porque durante os últimos 90 dias a hemoglobina vai incorporando glicose em função da concentração que existe no sangue. Caso as taxas de glicose apresentem níveis elevados no período, haverá um aumento da hemoglobina glicada. O valor de A1C mantido abaixo de 7% promove proteção contra o surgimento e a progressão das complicações microvasculares do diabetes (retinopatia, nefropatia e neuropatia).
14 Ulcerações: 1. Processo patológico de formação de uma úlcera. 2. A úlcera ou um grupo de úlceras.
15 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
16 Complicações do diabetes: São os efeitos prejudiciais do diabetes no organismo, tais como: danos aos olhos, coração, vasos sangüíneos, sistema nervoso, dentes e gengivas, pés, pele e rins. Os estudos mostram que aqueles que mantêm os níveis de glicose do sangue, a pressão arterial e o colesterol próximos aos níveis normais podem ajudar a impedir ou postergar estes problemas.
17 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
Gostou do artigo? Compartilhe!