Gostou do artigo? Compartilhe!

Pesquisadores identificam possível novo risco para câncer de mama

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Os cientistas sabem há muito tempo que o tecido1 mamário denso está ligado a um risco aumentado de câncer2 de mama3 em mulheres. Um estudo publicado no JAMA Oncology acrescenta uma nova reviravolta, descobrindo que, embora a densidade da mama3 diminua com a idade, uma taxa mais lenta de declínio em uma mama3 geralmente precede um diagnóstico4 de câncer2 nessa mama3.

Cientistas da Washington University em St. Louis analisaram as mudanças na densidade da mama3 durante um período de 10 anos em 10.000 mulheres que estavam livres de câncer2 quando o estudo começou. Cerca de 289 mulheres foram diagnosticadas com câncer2 de mama3 naquela época; o estudo comparou as alterações no tecido1 mamário com as de 658 mulheres semelhantes que não desenvolveram câncer2 de mama3.

A densidade da mama3 foi maior desde o início nas mulheres que desenvolveram câncer2 de mama3, e a densidade diminuiu em todas as mulheres ao longo do tempo. Mas quando a densidade de cada mama3 foi medida separadamente, os cientistas descobriram um declínio significativamente mais lento na densidade das mamas5 que desenvolveram câncer2, quando comparadas com a outra mama3 na mesma paciente.

Shu Jiang, principal autora do estudo e professora associada de ciências da saúde6 pública na Universidade de Washington, disse que as descobertas podem fornecer uma ferramenta individualizada e dinâmica para avaliar o risco de câncer2 de mama3 em uma mulher. “Espero que eles possam colocar isso em uso clínico o mais rápido possível – isso fará uma grande diferença”, disse ela.

“No momento, todo mundo só olha para a densidade em um ponto no tempo”, acrescentou a Dra. Jiang. Mas as mulheres fazem mamografias em intervalos regulares ao longo de suas vidas, e a densidade de cada mama3 é medida a cada vez.

“Portanto, essas informações já estão disponíveis, mas não estão sendo utilizadas”, disse ela. Agora, o risco de uma mulher desenvolver câncer2 de mama3 pode “ser atualizado toda vez que ela fizer uma nova mamografia”.

Leia sobre "Câncer2 de mama3 - quais os fatores de risco" e "Como é feita a mamografia7".

A densidade da mama3 é agora um fator de risco8 reconhecido para o câncer2 de mama3, embora seja um entre muitos. O tecido1 denso também torna os tumores mais difíceis de detectar em exames de imagem.

Dezenas de estados nos Estados Unidos começaram a exigir que os centros de mamografia7 notifiquem as mulheres se elas tiverem tecido1 mamário denso. Em março, a Food and Drug Administration recomendou que os médicos informassem às mulheres sobre a densidade de seus seios9.

Mas este é o primeiro estudo a medir as mudanças na densidade ao longo do tempo e relatar uma ligação com o câncer2 de mama3.

Embora estudos maiores precisem ser feitos para confirmar as descobertas, Karen Knudsen, executiva-chefe da American Cancer2 Society, chamou os dados de “emocionantes”.

“Este é o primeiro estudo que vejo que analisa especificamente as mudanças ao longo do tempo de mama3 para mama3, em vez de calcular a média das duas mamas5, onde você pode perder essas mudanças”, disse a Dra. Knudsen.

Embora as mulheres recebam informações sobre a densidade da mama3 e os riscos associados a ela, o estudo sugere que as informações poderiam ser melhor utilizadas. “Precisamos saber como acompanhar as mulheres com mamas5 densas, em vez de apenas alertá-las”, disse Knudsen.

Um próximo passo pode ser examinar a densidade da mama3 ao longo do tempo em mulheres que tomam medicamentos para prevenir o câncer2 de mama3 para ver se a densidade diminui, sugeriu a Dra. Knudsen.

“Pode haver diferentes diretrizes de estratificação de risco estabelecidas para monitorar aquelas que estão tendo um declínio muito mais lento na densidade do tecido1, versus aquelas que não estão”, disse a Dra. Jiang.

No artigo os pesquisadores relatam que, embora a densidade da mama3 seja um fator de risco8 estabelecido para câncer2 de mama3, mudanças longitudinais na densidade da mama3 não foram extensivamente estudadas para determinar se esse fator está associado ao risco de câncer2 de mama3.

O objetivo do estudo, portanto, foi avaliar prospectivamente a associação entre a mudança na densidade mamográfica em cada mama3 ao longo do tempo e o risco de câncer2 de mama3 subsequente.

Este estudo de coorte10 de caso-controle aninhado foi amostrado da Joanne Knight Breast Health Cohort de 10.481 mulheres livres de câncer2 no início e observadas de 3 de novembro de 2008 a 31 de outubro de 2020, com mamografias de rastreamento de rotina a cada 1 a 2 anos, fornecendo uma medida da densidade da mama3. O rastreamento do câncer2 de mama3 foi fornecido para uma população diversificada de mulheres na região de St. Louis.

Um total de 289 pacientes com câncer2 de mama3 confirmado por patologia11 foi identificado, e aproximadamente 2 participantes de controle foram amostradas para cada caso de acordo com a idade de entrada e o ano de inscrição, resultando em 658 controles com um número total de 8.710 mamografias craniocaudais para análise.

As exposições incluíram mamografias de rastreamento com porcentagem volumétrica de densidade, alteração na densidade volumétrica da mama3 ao longo do tempo e câncer2 confirmado por patologia11 da biópsia12 de mama3. Fatores de risco de câncer2 de mama3 foram coletados por meio de questionário no momento da inscrição.

O principal desfecho foi mudanças longitudinais ao longo do tempo na densidade volumétrica da mama3 de cada mulher por caso e status de controle.

A idade média (DP) das 947 participantes foi de 56,67 (8,71) anos na entrada; 141 eram negras (14,9%), 763 eram brancas (80,6%), 20 eram de outra raça ou etnia (2,1%) e 23 não relataram essa informação (2,4%). O intervalo médio (DP) foi de 2,0 (1,5) anos desde a última mamografia7 até a data do diagnóstico4 subsequente de câncer2 de mama3 (10º percentil, 1,0 ano; 90º percentil, 3,9 anos).

A densidade da mama3 diminuiu ao longo do tempo em ambos os casos e controles. No entanto, houve uma diminuição significativamente mais lenta na taxa de declínio da densidade na mama3 que desenvolveu câncer2 de mama3 em comparação com o declínio nos controles (estimativa = 0,027; IC 95%, 0,001-0,053; P = 0,04).

Este estudo descobriu que a taxa de mudança na densidade da mama3 estava associada ao risco de câncer2 de mama3 subsequente. A incorporação de mudanças longitudinais em modelos existentes pode otimizar a estratificação de risco e orientar uma gestão de risco mais personalizada.

Veja também sobre "Exames preventivos que toda mulher deve fazer" e "Recomendações para prevenção e identificação do câncer2 de mama3".

 

Fontes:
JAMA Oncology, publicação em 27 de abril de 2023.
The New York Times, notícia publicada em 28 de abril de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Pesquisadores identificam possível novo risco para câncer de mama. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1438080/pesquisadores-identificam-possivel-novo-risco-para-cancer-de-mama.htm>. Acesso em: 15 jul. 2024.

Complementos

1 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
2 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
3 Mama: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
5 Mamas: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
6 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
7 Mamografia: Estudo radiológico que utiliza uma técnica especial para avaliar o tecido mamário. Permite diagnosticar tumores benignos e malignos em fase inicial na mama. É um exame que deve ser realizado por mulheres, como prevenção ao câncer.
8 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
9 Seios: Em humanos, uma das regiões pareadas na porção anterior do TÓRAX. As mamas consistem das GLÂNDULAS MAMÁRIAS, PELE, MÚSCULOS, TECIDO ADIPOSO e os TECIDOS CONJUNTIVOS.
10 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
11 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
12 Biópsia: 1. Retirada de material celular ou de um fragmento de tecido de um ser vivo para determinação de um diagnóstico. 2. Exame histológico e histoquímico. 3. Por metonímia, é o próprio material retirado para exame.
Gostou do artigo? Compartilhe!