Gostou do artigo? Compartilhe!

Proteína vegana de origem fúngica é tão eficaz quanto a proteína animal para o ganho muscular

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma nova pesquisa, publicada no The Journal of Nutrition, descobriu que micoproteína derivada de fungos (Quorn) é tão eficaz no apoio ao ganho muscular durante o treinamento de resistência quanto a proteína animal.

O estudo incluiu duas partes. Na primeira parte do estudo, 16 adultos jovens e saudáveis (oito homens e oito mulheres) foram divididos em dois grupos.

Ambos os grupos fizeram exercícios para as pernas todos os dias, mas um grupo (chamado OMNI1) comeu uma dieta com alto teor de proteína de origem animal, enquanto o outro grupo (VEG1) comeu uma dieta com alto teor de proteína de origem não animal.

Os pesquisadores mediram quanta proteína muscular foi produzida durante o exercício e em repouso.

Na segunda parte do estudo, 22 adultos jovens e saudáveis (11 homens e 11 mulheres) fizeram um programa de exercícios para as pernas durante 10 semanas, cinco dias por semana.

Alguns deles comiam uma dieta rica em proteínas1 de origem animal (OMNI2) e outros comiam uma dieta rica em proteínas1 de fontes não animais (VEG2).

A equipe de pesquisa mediu o tamanho dos músculos2 das pernas, músculos2 gerais do corpo, força muscular e função antes e depois do programa e em duas e cinco semanas.

Durante o estudo, os pesquisadores descobriram que exercitar as pernas aumentou a taxa de produção de proteína muscular em cerca de 12% em comparação com quando as pernas estavam em repouso.

Ambos os grupos ganharam uma quantidade semelhante de massa muscular e tamanho da fibra muscular, bem como aumentaram a força muscular em vários grupos musculares, apesar de terem diferentes fontes de proteína em suas dietas.

Saiba mais sobre "Como ganhar massa muscular", "Composição corporal - Como avaliar e como melhorar" e "O papel dos alimentos ricos em proteínas1".

Confira o resumo do artigo a seguir.

Dietas veganas e onívoras ricas em proteínas1 suportam taxas diárias comparáveis de síntese de proteínas1 miofibrilares e hipertrofia3 muscular esquelética em adultos jovens

Contexto

Ainda não está claro se fontes de proteína dietética não derivadas de animais (e, portanto, dietas veganas) podem apoiar a remodelação muscular esquelética induzida por treinamento de resistência na mesma extensão que as fontes de proteína derivadas de animais.

Métodos

Na Fase 1, 16 adultos jovens saudáveis (homens = 8, mulheres = 8; idade: 23 ± 1 ano; IMC4: 23 ± 1 kg/m²) completaram uma intervenção dietética de 3 dias (alta proteína, 1,8 g de proteína por kg de massa corporal por dia) onde a proteína foi derivada de fontes onívoras (OMNI1; n = 8) ou exclusivamente não animais (VEG1; n = 8), juntamente com exercícios de resistência de perna unilaterais diários. As taxas diárias de síntese de proteína miofibrilar (SPMio) em repouso e exercício foram avaliadas usando óxido de deutério.

Na Fase 2, 22 adultos jovens saudáveis (homens = 11, mulheres = 11; idade: 24 ± 1 ano; IMC4: 23 ± 0 kg/m²) completaram um programa de 10 semanas de exercícios de resistência progressiva de alto volume (5 dias/semana) consumindo uma dieta rica em proteína onívora (OMNI2; n = 12) ou não derivada de animais (VEG2; n = 10) (∼2g de proteína por kg de massa corporal por dia). A área de seção transversal (AST) da fibra muscular, a massa magra5 de corpo inteiro (via DXA), o volume muscular da coxa6 (via ressonância magnética7), a força muscular e a função muscular foram determinados pré-intervenção, após 2 e 5 semanas e pós-intervenção.

Objetivos

Investigar se uma dieta com alto nível de proteínas1, rica em micoproteínas e não derivada de animais pode apoiar a remodelação muscular esquelética induzida por treinamento de resistência na mesma extensão que uma dieta onívora isonitrogenada.

Resultados

As taxas diárias de SPMio foram aproximadamente 12% maiores na perna exercitada do que na perna descansada (2,46 ± 0,27% por dia em comparação com 2,20 ± 0,33% por dia e 2,62 ± 0,56% por dia em comparação com 2,36 ± 0,53% por dia em OMNI1 e VEG1, respectivamente; P <0,001) e não diferente entre os grupos (P >0,05).

O treinamento de resistência aumentou a massa magra5 em ambos os grupos em magnitude semelhante (OMNI2 2,6 ± 1,1 kg, VEG2 3,1 ± 2,5 kg; P >0,05). Da mesma forma, o treinamento aumentou comparativamente o volume muscular da coxa6 (OMNI2 8,3 ± 3,6%, VEG2 8,3 ± 4,1%; P >0,05) e a AST da fibra muscular (OMNI2 33 ± 24%, VEG2 32 ± 48%; P >0,05). Ambos os grupos aumentaram a força (máximo de 1 repetição) de vários grupos musculares, em graus comparáveis.

Conclusões

Dietas onívoras e veganas podem suportar taxas diárias comparáveis de síntese de proteína miofibrilar em descanso e com exercício em adultos jovens saudáveis que consomem uma dieta rica em proteínas1. Isso se traduz em respostas adaptativas do músculo esquelético8 semelhantes durante treinamento prolongado de resistência de alto volume, independentemente da proveniência da proteína dietética.

Leia sobre "Alimentação vegetariana e alimentação vegana", "Hipertrofia3: o que é" e "Whey Protein - o que é".

 

Fontes:
The Journal of Nutrition, publicação em 22 de fevereiro de 2023.
Medical News Today, notícia publicada em 04 de abril de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Proteína vegana de origem fúngica é tão eficaz quanto a proteína animal para o ganho muscular. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1436660/proteina-vegana-de-origem-fungica-e-tao-eficaz-quanto-a-proteina-animal-para-o-ganho-muscular.htm>. Acesso em: 29 mai. 2024.

Complementos

1 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
2 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
3 Hipertrofia: 1. Desenvolvimento ou crescimento excessivo de um órgão ou de parte dele devido a um aumento do tamanho de suas células constituintes. 2. Desenvolvimento ou crescimento excessivo, em tamanho ou em complexidade (de alguma coisa). 3. Em medicina, é aumento do tamanho (mas não da quantidade) de células que compõem um tecido. Pode ser acompanhada pelo aumento do tamanho do órgão do qual faz parte.
4 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
6 Coxa: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
7 Ressonância magnética: Exame que fornece imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo através da utilização de um campo magnético.
8 Músculo Esquelético: Subtipo de músculo estriado fixado por TENDÕES ao ESQUELETO. Os músculos esqueléticos são inervados e seu movimento pode ser conscientemente controlado. Também são chamados de músculos voluntários.
Gostou do artigo? Compartilhe!