Gostou do artigo? Compartilhe!

Bloqueador dos canais de cálcio preserva alguma função das células beta no início do diabetes tipo 1

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Um bloqueador dos canais de cálcio ajudou a preservar parcialmente a secreção estimulada do peptídeo C1 em crianças com diabetes2 tipo 1 recém-diagnosticado, embora um gerenciamento mais intensivo não o tenha feito, de acordo com um ensaio clínico randomizado3 publicado no JAMA.

Crianças e adolescentes que foram randomizados para receber verapamil oral uma vez ao dia dentro de 31 dias após o diagnóstico4 tiveram uma maior área média sob a curva de peptídeo C1 após 52 semanas em comparação com placebo5.

Após 52 semanas de tratamento, o grupo verapamil manteve um nível de peptídeo C1 30% maior: a área média sob a curva caiu de uma linha de base de 0,66 para 0,65 pmol/mL no grupo verapamil, em comparação com uma queda de 0,60 para 0,44 pmol/mL no grupo placebo5.

Essa magnitude de benefício “está na faixa intermediária de melhora relatada para agentes imunossupressores que foram avaliados para diabetes tipo 16 recém-diagnosticado em ensaios clínicos7 randomizados”, relataram os pesquisadores. O estudo também foi apresentado na Conferência Internacional sobre Tecnologias Avançadas e Tratamentos para Diabetes2 em Berlim.

Leia sobre "Diabetes Mellitus8", "Diabetes2 na adolescência" e "Opções de tratamentos para o diabetes2".

Além de preservar a secreção de peptídeo C1, houve uma porcentagem significativamente maior de pacientes em verapamil com um pico de nível de peptídeo C1 de 52 semanas de 0,2 pmol/mL ou superior (95%; 41 de 43 pacientes) em comparação com o grupo placebo5 (71%; 27 de 38).

O tratamento com verapamil não afetou a HbA1c9 em 52 semanas (6,6% vs 6,9% para placebo5). Parâmetros de monitoramento contínuo de glicose10 e doses de insulina11 também foram semelhantes entre os grupos.

Embora o verapamil tenha mostrado apenas “benefícios modestos na produção de peptídeo C”, esses achados ainda são clinicamente relevantes para a prática clínica “porque mesmo os níveis de peptídeo C1 estimulados de 0,2 pmol/mL ou mais estão associados a uma redução substancial no risco de retinopatia e nefropatia12”, escreveu Jennifer Couper, MD, do Women's and Children's Hospital North Adelaide, na Austrália, em um editorial que acompanhou a publicação do estudo.

O fato de o verapamil também ser um tratamento oral bem tolerado e barato também favorece seu uso, acrescentou.

No artigo, os pesquisadores contextualizam que, em estudos pré-clínicos, a superexpressão da proteína que interage com a tiorredoxina induz a apoptose13 das células beta pancreáticas14 e está envolvida na morte das células15 beta induzida por glicotoxicidade. Os bloqueadores dos canais de cálcio reduzem esses efeitos e podem ser benéficos para a preservação das células15 beta no diabetes tipo 16.

O objetivo do estudo, portanto, foi determinar o efeito do verapamil na função das células beta pancreáticas14 em crianças e adolescentes com diagnóstico4 recente de diabetes tipo 16.

Este ensaio clínico randomizado3 duplo-cego, incluindo crianças e adolescentes de 7 a 17 anos com diabetes tipo 16 recém-diagnosticado que pesavam 30 kg ou mais, foi conduzido em 6 centros nos EUA (participantes randomizados entre 20 de julho de 2020 e 13 de outubro de 2021) e o acompanhamento foi concluído em 15 de setembro de 2022.

Os participantes foram aleatoriamente designados 1:1 para verapamil oral uma vez ao dia (n = 47) ou placebo5 (n = 41) como parte de um design fatorial no qual os participantes também foram designados para receber gerenciamento intensivo do diabetes2 ou tratamento padrão do diabetes2.

O desfecho primário foi os valores de área sob a curva para o nível de peptídeo C1 (uma medida da função das células beta pancreáticas14) estimulado por um teste de tolerância a refeições mistas às 52 semanas desde o diagnóstico4 de diabetes tipo 16.

Entre 88 participantes (média de idade, 12,7 [DP, 2,4] anos; 36 eram do sexo feminino [41%]; e o tempo médio desde o diagnóstico4 até a randomização foi de 24 [DP, 4] dias), 83 (94%) completaram o estudo.

No grupo verapamil, a área média sob a curva do peptídeo C1 foi de 0,66 pmol/mL na linha de base e 0,65 pmol/mL em 52 semanas em comparação com 0,60 pmol/mL na linha de base e 0,44 pmol/mL em 52 semanas no grupo placebo5 (diferença ajustada entre os grupos, 0,14 pmol/mL [IC 95%, 0,01 a 0,27 pmol/mL]; P = 0,04). Isso equivale a um nível de peptídeo C1 30% maior em 52 semanas com verapamil.

A porcentagem de participantes com um pico de nível de peptídeo C1 de 52 semanas de 0,2 pmol/mL ou superior foi de 95% (41 de 43 participantes) no grupo verapamil versus 71% (27 de 38 participantes) no grupo placebo5.

Em 52 semanas, a hemoglobina16 A1c17 foi de 6,6% no grupo verapamil versus 6,9% no grupo placebo5 (diferença ajustada entre os grupos, -0,3% [IC 95%, -1,0% a 0,4%]). Oito participantes (17%) no grupo verapamil e 8 participantes (20%) no grupo placebo5 tiveram um evento adverso não grave considerado relacionado ao tratamento.

O estudo concluiu que, em crianças e adolescentes com diagnóstico4 recente de diabetes tipo 16, o verapamil preservou parcialmente a secreção estimulada do peptídeo C1 às 52 semanas desde o diagnóstico4 em comparação com o placebo5.

Mais estudos são necessários para determinar a durabilidade longitudinal da melhora do peptídeo C1 e a duração ideal da terapia.

Veja também: "Quatro vezes mais anos de vida perdidos para diabetes tipo 16 do que para diabetes tipo 218".

 

Fontes:
JAMA, publicação em 24 de fevereiro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 24 de fevereiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Bloqueador dos canais de cálcio preserva alguma função das células beta no início do diabetes tipo 1. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1434865/bloqueador-dos-canais-de-calcio-preserva-alguma-funcao-das-celulas-beta-no-inicio-do-diabetes-tipo-1.htm>. Acesso em: 26 fev. 2024.

Complementos

1 Peptídeo C: (Connecting peptide) Substância que o pâncreas libera para a corrente sangüínea em igual quantidade de insulina. Indiretamente, indica a secreção de insulina pelo pâncreas. Um teste com baixos níveis de peptídeo C demonstra deficiência de secreção da insulina. Valores abaixo de 1,2 ng/ml indicam deficiência severa de insulina e necessidade de administração de insulina para o tratamento do diabetes.
2 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
3 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
4 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
5 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
6 Diabetes tipo 1: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada por deficiência na produção de insulina. Ocorre quando o próprio sistema imune do organismo produz anticorpos contra as células-beta produtoras de insulina, destruindo-as. O diabetes tipo 1 se desenvolve principalmente em crianças e jovens, mas pode ocorrer em adultos. Há tendência em apresentar cetoacidose diabética.
7 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
8 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
9 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
10 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
11 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
12 Nefropatia: Lesão ou doença do rim.
13 Apoptose: Morte celular não seguida de autólise, também conhecida como “morte celular programada“.
14 Células beta Pancreáticas: Tipo de células pancreáticas, que representam de 50 a 80 por cento das ilhotas. As células beta secretam INSULINA
15 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
16 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
17 A1C: O exame da Hemoglobina Glicada (A1C) ou Hemoglobina Glicosilada é um teste laboratorial de grande importância na avaliação do controle do diabetes. Ele mostra o comportamento da glicemia em um período anterior ao teste de 60 a 90 dias, possibilitando verificar se o controle glicêmico foi efetivo neste período. Isso ocorre porque durante os últimos 90 dias a hemoglobina vai incorporando glicose em função da concentração que existe no sangue. Caso as taxas de glicose apresentem níveis elevados no período, haverá um aumento da hemoglobina glicada. O valor de A1C mantido abaixo de 7% promove proteção contra o surgimento e a progressão das complicações microvasculares do diabetes (retinopatia, nefropatia e neuropatia).
18 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
Gostou do artigo? Compartilhe!