Gostou do artigo? Compartilhe!

Microbiomas oral e intestinal são moldados pelos contatos sociais, através da transmissão de microrganismos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As pessoas que moram na mesma casa compartilham mais do que apenas um teto, elas podem compartilhar até um terço das cepas1 de bactérias presentes na boca2.

Sejam familiares ou colegas de apartamento, os companheiros de casa tendem a ter os mesmos micróbios colonizando seus corpos e, quanto mais longa a coabitação, mais semelhantes esses microbiomas se tornam.

Muitas bactérias formam esporos3 que podem sobreviver no ar, fazendo com que os microrganismos sejam transmitidos dentro de uma casa, mesmo que seus membros não sejam íntimos uns dos outros.

A conclusão – com base em um estudo publicado na revista Nature sobre os microbiomas orais e intestinais de milhares de pessoas de todo o mundo – levanta a possibilidade de que doenças ligadas à disfunção do microbioma4, incluindo câncer5, diabetes6 e obesidade7, possam ser parcialmente transmissíveis.

“Este estudo é a visão8 mais abrangente até o momento sobre quando e por que os micróbios são transmitidos para os microbiomas intestinal e oral”, diz Katherine Xue, pesquisadora de microbiomas da Universidade de Stanford, na Califórnia. “Novos micróbios podem continuar a remodelar nossos microbiomas ao longo de nossas vidas.”

Saiba mais sobre "Microbioma4 intestinal humano" e "Bactérias do bem".

Os médicos estão cada vez mais interessados nos impactos à saúde9 das muitas centenas de espécies de bactérias, vírus10, fungos e parasitas que vivem em nosso intestino, boca2 e em outras partes de nossos corpos, conhecidos como microbioma4.

Nicola Segata, da Universidade de Trento, na Itália, e seus colegas analisaram os resultados de 31 estudos anteriores sobre os microbiomas de pessoas que vivem juntas ou próximas umas das outras em 20 países, incluindo partes da Europa, América do Norte e do Sul, África e Ásia.

Os estudos incluíram quase 10.000 amostras de fezes ou saliva e registraram se os membros da casa eram parceiros, parentes ou amigos. As cepas1 bacterianas presentes foram identificadas geneticamente.

A equipe descobriu que os membros de uma mesma casa eram mais propensos a compartilhar cepas1 bacterianas da boca2 do que as do intestino.

Em todos os estudos, 32% das cepas1 de bactérias orais foram compartilhadas por membros da mesma casa, em comparação com 12% das cepas1 de bactérias intestinais. Apenas 3% das bactérias da boca2 eram as mesmas entre membros não coabitantes da mesma população.

Isso mostra como é comum as pessoas transmitirem bactérias para outras, mesmo aquelas com quem não se beijam ou fazem sexo, diz Segata.

Bactérias orais podem ser facilmente compartilhadas porque muitas bactérias formam esporos3 que podem sobreviver por muito tempo no ar, diz ele.

Joanne Santini, da University College London, diz que as pessoas que vivem juntas podem estar comendo alimentos semelhantes, o que poderia contribuir para um ambiente comparável na boca2 que encorajaria o desenvolvimento das mesmas cepas1 de bactérias.

No artigo, os pesquisadores descrevem o cenário de transmissão de pessoa para pessoa dos microbiomas intestinais e orais.

Eles contextualizam que o microbioma4 humano é um componente integral do corpo humano11 e co-determinante de várias condições de saúde9. No entanto, até que ponto as relações interpessoais moldam a composição genética individual do microbioma4 e sua transmissão dentro e entre as populações permanece amplamente desconhecido.

Neste estudo, capitalizando em mais de 9.700 metagenomas humanos e perfis computacionais em nível de cepas1, detectou-se extenso compartilhamento de cepas1 bacterianas entre indivíduos (mais de 10 milhões de instâncias), com padrões distintos de transmissão de mãe para filho, intradomiciliar e intrapopulacional.

A transmissão do microbioma4 intestinal de mãe para filho foi considerável e estável durante a infância (cerca de 50% das mesmas cepas1 entre espécies compartilhadas [taxa de compartilhamento de cepas1]) e permaneceu detectável em idades mais avançadas.

Por outro lado, a transmissão do microbioma4 oral ocorreu em grande parte horizontalmente e foi intensificada pela duração da coabitação.

Houve compartilhamento substancial de cepas1 entre indivíduos que coabitam, com taxas medianas de compartilhamento de cepas1 de 12% e 32% para os microbiomas intestinais e orais, respectivamente, e o tempo desde a coabitação afetou o compartilhamento de cepas1 mais do que a idade ou a genética.

O compartilhamento de cepas1 bacterianas recapitulou adicionalmente as estruturas da população hospedeira melhor do que os perfis em nível de espécie.

Finalmente, táxons12 distintos apareceram como propagadores eficientes através dos modos de transmissão e foram associados a diferentes fenótipos bacterianos previstos ligados a capacidades de sobrevivência13 fora do hospedeiro.

A extensão da transmissão de microrganismos descrita neste estudo ressalta sua relevância em estudos de microbioma4 humano, especialmente aqueles sobre doenças não infecciosas associadas ao microbioma4.

Leia sobre "O que são bactérias" e "Probióticos14 e Prebióticos".

 

Fontes:
Nature, publicação em 18 de janeiro de 2023.
New Scientist, notícia publicada em 18 de janeiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Microbiomas oral e intestinal são moldados pelos contatos sociais, através da transmissão de microrganismos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1432750/microbiomas-oral-e-intestinal-sao-moldados-pelos-contatos-sociais-atraves-da-transmissao-de-microrganismos.htm>. Acesso em: 28 nov. 2023.

Complementos

1 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
2 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
3 Esporos: Estruturas unicelulares e uninucleares, resistentes ao calor e à dessecação, capazes de germinar em determinadas condições e reproduzirem assexuadamente o indivíduo que as originou.
4 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
5 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
6 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
7 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
8 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
9 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
10 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
11 Corpo humano: O corpo humano é a substância física ou estrutura total e material de cada homem. Ele divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A anatomia humana estuda as grandes estruturas e sistemas do corpo humano.
12 Táxons: Táxon (no plural “taxa”) é a unidade taxonômica associada à classificação científica de seres vivos. Reino, ordem, gênero e espécie são exemplos de taxa.
13 Sobrevivência: 1. Ato ou efeito de sobreviver, de continuar a viver ou a existir. 2. Característica, condição ou virtude daquele ou daquilo que subsiste a um outro. Condição ou qualidade de quem ainda vive após a morte de outra pessoa. 3. Sequência ininterrupta de algo; o que subsiste de (alguma coisa remota no tempo); continuidade, persistência, duração.
14 Probióticos: Suplemento alimentar, rico em micro-organismos vivos, que afeta de forma benéfica seu consumidor, através da melhoria do balanço microbiano intestinal.
Gostou do artigo? Compartilhe!