Gostou do artigo? Compartilhe!

Risco de demência é maior após internação hospitalar com infecção

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A hospitalização com infecção1 aumentou o risco de um diagnóstico2 subsequente de demência3, mostraram dados longitudinais de um estudo publicado no JAMA Network Open.

Entre quase 16.000 pessoas acompanhadas por 3 décadas, aquelas hospitalizadas com infecção1 tiveram um risco 70% maior de demência3 subsequente, relataram Ryan Demmer, PhD, da Universidade of Minnesota, Estados Unidos, e coautores.

Por 1.000 pessoas-ano, as taxas de demência3 foram de 23,6 eventos para pessoas que foram hospitalizadas com infecção1 mais cedo na vida versus 5,7 para pessoas que nunca tiveram infecções4 intra-hospitalares.

“As infecções4 são comuns e muitas vezes evitáveis”, disse Demmer. “Nossos resultados sugerem que medidas para reduzir o risco de infecção1 também podem reduzir o risco de demência3 a longo prazo. O conhecimento de infecções4 históricas também pode ajudar a priorizar pacientes para triagem de demência3.”

Leia sobre "Demência3", "Diferenças entre inflamação5 e infecção1" e "Infecção1 hospitalar".

As descobertas apoiam pesquisas recentes que mostram que infecções4 mais cedo na vida e na meia-idade tratadas em hospitais podem aumentar o risco de doenças neurodegenerativas, como Alzheimer6 e Parkinson.

“Entre muitos mecanismos teorizados que contribuem para as causas da demência3, a neuroinflamação foi reconhecida como um fator provável”, escreveram Demmer e os coautores.

“No caso da doença de Alzheimer6, a forma mais estudada de demência3, a hipótese é de que a neuroinflamação afete o início e a progressão da doença”, observaram. “Vários mecanismos patogênicos no sistema nervoso central7, incluindo astrogliose8 e microgliose, foram hipotetizados como subjacentes às causas e progressão da doença de Alzheimer”.

Além disso, dados longitudinais do U.K. Biobank sugeriram que a infecção1 por SARS-CoV-2 pode estar associada a anormalidades cerebrais e declínio cognitivo9, disseram Demmer e seus colegas.

No artigo, os pesquisadores contextualizam que os fatores associados ao risco de demência3 ainda precisam ser totalmente compreendidos. Supõe-se que as infecções4 sistêmicas estejam incluídas em tais fatores e possam ser alvos de prevenção e triagem.

O objetivo do estudo, portanto, foi investigar a associação entre hospitalização com infecção1 e demência3 incidente10.

Foram usados dados do estudo baseado na comunidade Atherosclerosis Risk in Communities (ARIC), um estudo de coorte11 prospectivo12. A inscrição ocorreu em 4 centros de pesquisa nos EUA, iniciados entre 1987 a 1989. O presente estudo inclui dados até 2019, para 32 anos de acompanhamento. A análise dos dados foi realizada no período de abril de 2021 a junho de 2022.

As hospitalizações com infecções4 foram identificadas por meio da revisão de registros médicos para códigos selecionados da Classificação Internacional de Doenças, Nona Revisão (CID-9) e da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde13, Décima Revisão (CID-10), desde a linha de base até a censura administrativa ou diagnóstico2 de demência3. Os participantes foram considerados não expostos até a primeira internação com infecção1 e expostos a partir daí. Subtipos selecionados de infecção1 também foram considerados.

Dados de demência3 incidente10 e de tempo até o evento foram identificados por meio da vigilância dos códigos CID-9 e CID-10 de hospitalização e certidão de óbito14, de avaliações pessoais e de entrevistas por telefone. Uma análise de sensibilidade foi realizada excluindo casos ocorridos dentro de 3 anos ou além de 20 anos a partir da exposição. Os dados foram coletados antes da formulação da hipótese do estudo.

Dos 15.792 participantes do estudo ARIC, uma coorte15 analítica de 15.688 participantes sem demência3 no início do estudo e de raça negra ou branca foi selecionada (8.658 mulheres [55,2%]; 4.210 pessoas negras [26,8%]; média [DP] de idade inicial, 54,7 [5,8] anos).

A hospitalização com infecção1 ocorreu entre 5.999 participantes (38,2%). A demência3 foi verificada em 2.975 participantes (19,0%), em uma mediana (IQR) de 25,1 (22,2-29,1) anos após o início do estudo.

As taxas de demência3 foram de 23,6 eventos por 1.000 pessoas-ano (IC 95%, 22,3-25,0 eventos por 1.000 pessoas-ano) entre os expostos e 5,7 eventos por 1.000 pessoas-ano (IC 95%, 5,4-6,0 eventos por 1.000 pessoas-ano) entre os não expostos.

Os pacientes hospitalizados com infecção1 foram 2,02 (IC 95%, 1,88-2,18; P <0,001) e 1,70 (IC 95%, 1,55-1,86; P <0,001) vezes mais propensos a apresentar demência3 incidente10 de acordo com modelos de riscos proporcionais de Cox não ajustado e totalmente ajustado, respectivamente, em comparação com indivíduos não expostos.

Ao excluir indivíduos que desenvolveram demência3 em menos de 3 anos ou mais de 20 anos desde o início ou o evento de infecção1, a taxa de risco ajustada foi de 5,77 (IC 95%, 4,92-6,76; P <0,001).

As taxas de demência3 foram significativamente maiores entre os hospitalizados com infecções4 respiratórias, do trato urinário16, da pele17, do sangue18 e do sistema circulatório19 ou adquiridas no hospital. Interações multiplicativas e aditivas foram observadas por idade e genótipo20 APOE-ε.

O estudo concluiu que taxas mais altas de demência3 foram observadas entre os participantes que sofreram hospitalização com infecção1. Esses achados suportam a hipótese de que infecções4 são fatores associados a maior risco de demências.

Veja também sobre "Doenças degenerativas21" e "Mal de Alzheimer6".

 

Fontes:
JAMA Network Open, publicação em 09 de janeiro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 09 de janeiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Risco de demência é maior após internação hospitalar com infecção. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1432265/risco-de-demencia-e-maior-apos-internacao-hospitalar-com-infeccao.htm>. Acesso em: 7 fev. 2023.

Complementos

1 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
2 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
3 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
4 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
6 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
7 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
8 Astrogliose: Aumento focal das células da glia.
9 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
10 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
11 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
12 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
13 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
14 Óbito: Morte de pessoa; passamento, falecimento.
15 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
16 Trato Urinário:
17 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
18 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
19 Sistema circulatório: O sistema circulatório ou cardiovascular é formado por um circuito fechado de tubos (artérias, veias e capilares) dentro dos quais circula o sangue e por um órgão central, o coração, que atua como bomba. Ele move o sangue através dos vasos sanguíneos e distribui substâncias por todo o organismo.
20 Genótipo: Composição genética de um indivíduo, ou seja, os genes que ele tem.
21 Degenerativas: Relativas a ou que provocam degeneração.
Gostou do artigo? Compartilhe!