Gostou do artigo? Compartilhe!

Pacientes com diabetes tipo 2 também podem se beneficiar do sistema de circuito totalmente fechado

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Mesmo os pacientes com diabetes tipo 21 podem se beneficiar do uso de um sistema de circuito totalmente fechado de administração de insulina2, também conhecido como pâncreas3 artificial, de acordo com um estudo cruzado aberto, publicado na Nature Medicine.

No estudo randomizado4 de 28 adultos, os pacientes passaram o dobro do tempo na faixa alvo de glicose5 – 70 a 180 mg/dL6 (3,9 a 10,0 mmol/L7) – enquanto no sistema de circuito fechado em comparação com um período de controle (66,3% [±14,9] vs 32,3% [±24,7], P <0,001), relataram Charlotte Boughton, PhD, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, e colegas.

Os usuários do sistema de circuito fechado também passaram menos tempo em hiperglicemia8glicose5 no sangue9 acima de 180 mg/dL6 – do que durante um período de controle usando uma terapia de insulina2 padrão (33,2% [±14,8] vs 67,0% [±25,2]).

“Muitas pessoas com diabetes tipo 21 lutam para controlar seus níveis de açúcar10 no sangue9 usando os tratamentos atualmente disponíveis, como injeções de insulina”, apontou Boughton em um comunicado. “O pâncreas3 artificial pode fornecer uma abordagem segura e eficaz para ajudá-los, e a tecnologia é simples de usar e pode ser implementada com segurança em casa”.

Os pesquisadores explicaram que os sistemas de circuito totalmente fechado, que são mais convenientes e não exigem ação do usuário na hora das refeições, demonstraram melhorar o controle da glicose5 em pessoas com diabetes tipo 21 em regime de internação e em regime ambulatorial naqueles que necessitam de diálise11 por um período de 20 dias. Quaisquer benefícios além de alguns meses, no entanto, não estavam claros, acrescentou a equipe.

O sistema de circuito totalmente fechado CamAPS HX usado no novo estudo também foi seguro – não aumentou o tempo gasto em hipoglicemia12 (abaixo de 70 mg/dL6; 0,44% vs 0,08% no período de controle), relataram os pesquisadores. Este sistema é atualmente aprovado para uso apenas no Reino Unido e na União Europeia, mas vários outros sistemas de circuito fechado são aprovados em outros países para pacientes13 com diabetes tipo 114.

Também não houve nenhum episódio de hipoglicemia12 grave, disse a equipe, acrescentando, no entanto, que os usuários relataram estar um pouco mais preocupados com a hipoglicemia12 ao usar o sistema de circuito fechado.

Saiba mais sobre "Opções de tratamentos para o diabetes15", "O papel da insulina2 no corpo" e "Bomba de insulina16 - vantagens e desvantagens".

“Uma das barreiras para o uso generalizado da terapia com insulina2 tem sido a preocupação com o risco de 'hipos' graves – níveis perigosamente baixos de açúcar10 no sangue”, explicou o coautor do estudo Aideen Daly, MD, também da Universidade de Cambridge, em uma declaração. “Mas descobrimos que nenhum paciente em nosso estudo experimentou isso e os pacientes passaram muito pouco tempo com níveis de açúcar10 no sangue9 abaixo dos níveis-alvo”.

No artigo os pesquisadores relatam que, em adultos com diabetes tipo 21, os benefícios da administração de insulina2 através de sistema de circuito totalmente fechado, que não requer bolus17 de refeição, não são claros.

Neste estudo cruzado, randomizado18, de centro único, aberto, 26 adultos com diabetes tipo 21 (7 mulheres e 19 homens; [média ± DP] idade, 59 ± 11 anos; hemoglobina glicada19 [HbA1c20] basal, 75 ± 15 mmol mol-1 [9,0% ± 1,4%]) foram submetidos a dois períodos de 8 semanas para comparar o aplicativo de circuito totalmente fechado CamAPS HX com terapia de insulina2 padrão e um sensor de glicose5 mascarado (controle) em ordem aleatória, com 2 semanas a 4 semanas de pausa no tratamento em curso entre os períodos.

O desfecho primário foi a proporção de tempo na faixa alvo de glicose5 (3,9-10,0 mmol l-1). A análise foi por intenção de tratar. Trinta participantes foram recrutados entre 16 de dezembro de 2020 e 24 de novembro de 2021, dos quais 28 foram randomizados para dois grupos (14 para terapia de circuito fechado primeiro e 14 para terapia de controle primeiro).

A proporção de tempo na faixa alvo de glicose5 (média ± DP) foi de 66,3% ± 14,9% com terapia de circuito fechado versus 32,3% ± 24,7% com terapia de controle (diferença média, 35,3 pontos percentuais; intervalo de confiança [IC] de 95%, 28,0-42,6 pontos percentuais; P <0,001).

O tempo passado acima de 10,0 mmol l-1 foi de 33,2% ± 14,8% com terapia de circuito fechado versus 67,0% ± 25,2% com terapia de controle (diferença média, -35,2 pontos percentuais; IC 95%, -42,8 a -27,5 pontos percentuais; P <0,001).

A glicose5 média foi menor durante o período de terapia em circuito fechado do que durante o período de terapia de controle (9,2 ± 1,2 mmol l-1 versus 12,6 ± 3,0 mmol l-1, respectivamente; diferença média, -3,6 mmol l-1; IC 95%, -4,6 a -2,5 mmol l-1; P <0,001).

A HbA1c20 foi menor após a terapia de circuito fechado (57 ± 9 mmol mol-1 [7,3% ± 0,8%]) do que após a terapia de controle (72 ± 13 mmol mol-1 [8,7% ± 1,2%]; diferença média, -15 mmol mol-1; IC 95%, -11 a -20 mmol l-1 [diferença média, -1,4%; IC 95%, -1,0 a -1,8%]; P <0,001).

O tempo passado abaixo de 3,9 mmol l-1 foi semelhante entre os tratamentos (uma mediana de 0,44% [intervalo interquartil, 0,19-0,81%] durante o período de terapia em circuito fechado versus uma mediana de 0,08% [intervalo interquartil, 0,00-1,05%] durante o período de terapia de controle; P = 0,43).

Nenhum evento de hipoglicemia12 grave ocorreu em nenhum dos períodos. Um evento adverso grave relacionado ao tratamento ocorreu durante o período de terapia em circuito fechado.

O estudo concluiu que a administração de insulina2 em circuito totalmente fechado melhorou o controle da glicose5 sem aumentar a hipoglicemia12 em comparação com a terapia com insulina2 padrão e pode representar um método seguro e eficaz para melhorar os resultados em adultos com diabetes tipo 21.

Leia sobre "Diabetes Mellitus21", "Como reconhecer e evitar a hipoglicemia12" e "Crise hiperglicêmica".

 

Fontes:
Nature Medicine, publicação em 11 de janeiro de 2023.
MedPage Today, notícia publicada em 11 de janeiro de 2023.

 

NEWS.MED.BR, 2023. Pacientes com diabetes tipo 2 também podem se beneficiar do sistema de circuito totalmente fechado. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1432165/pacientes-com-diabetes-tipo-2-tambem-podem-se-beneficiar-do-sistema-de-circuito-totalmente-fechado.htm>. Acesso em: 6 fev. 2023.

Complementos

1 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
2 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
3 Pâncreas: Órgão nodular (no ABDOME) que abriga GLÂNDULAS ENDÓCRINAS e GLÂNDULAS EXÓCRINAS. A pequena porção endócrina é composta pelas ILHOTAS DE LANGERHANS, que secretam vários hormônios na corrente sangüínea. A grande porção exócrina (PÂNCREAS EXÓCRINO) é uma glândula acinar composta, que secreta várias enzimas digestivas no sistema de ductos pancreáticos (que desemboca no DUODENO).
4 Estudo randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle - o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
5 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
6 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
7 Mmol/L: Milimols por litro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
8 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
9 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
10 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
11 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
12 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
13 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
14 Diabetes tipo 1: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada por deficiência na produção de insulina. Ocorre quando o próprio sistema imune do organismo produz anticorpos contra as células-beta produtoras de insulina, destruindo-as. O diabetes tipo 1 se desenvolve principalmente em crianças e jovens, mas pode ocorrer em adultos. Há tendência em apresentar cetoacidose diabética.
15 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
16 Bomba de insulina: Pequena bomba implantada no corpo para liberar insulina de maneira contínua ao longo do dia. A liberação de insulina é comandada pelo usuário da bomba, através de um controle remoto. Podem ser liberados bolus de insulina (várias unidades ao mesmo tempo) nas refeições ou quando os níveis de glicose estão altos, baseados na programação feita pelo usuário.
17 Bolus: Uma quantidade extra de insulina usada para reduzir um aumento inesperado da glicemia, freqüentemente relacionada a uma refeição rápida.
18 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
19 Hemoglobina glicada: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
20 HbA1C: Hemoglobina glicada, hemoglobina glicosilada, glico-hemoglobina ou HbA1C e, mais recentemente, apenas como A1C é uma ferramenta de diagnóstico na avaliação do controle glicêmico em pacientes diabéticos. Atualmente, a manutenção do nível de A1C abaixo de 7% é considerada um dos principais objetivos do controle glicêmico de pacientes diabéticos. Algumas sociedades médicas adotam metas terapêuticas mais rígidas de 6,5% para os valores de A1C.
21 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
Gostou do artigo? Compartilhe!