Gostou do artigo? Compartilhe!

Probiótico supressor de apetite ajuda pessoas com sobrepeso a perder peso

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O consumo de um probiótico1 experimental contendo a bactéria2 Hafnia alvei duas vezes ao dia durante três meses levou a um maior sucesso na perda de peso entre um grupo de pessoas com sobrepeso3 seguindo uma dieta de controle de calorias4.

Estudos anteriores de Pierre Déchelotte no Hospital Universitário de Rouen, na França, e seus colegas sugeriram que a administração oral da bactéria2 intestinal Hafnia alvei ajuda camundongos obesos a perder peso. O probiótico1 produz uma molécula chamada ClpB que imita o hormônio5 alfa-MSH, que reduz o apetite.

Agora, os pesquisadores descobriram que a bactéria2 tem efeitos semelhantes em pessoas com sobrepeso3, apresentando seus resultados na conferência Targeting Microbiota6 2022 em Paris. Os achados também foram publicados no jornal científico Nutrients.

Os pesquisadores aconselharam 212 pessoas com índice de massa corporal7 (IMC8) indicando sobrepeso3 sobre como reduzir sua ingestão de calorias4 em um quinto por três meses. O IMC8 é uma medida que usa seu peso e altura para calcular se seu peso é saudável. Os participantes foram solicitados a manter seu nível de atividade física existente.

Ao longo dos três meses, cerca de metade dos participantes também tomou um comprimido contendo H. alvei duas vezes ao dia. Os demais participantes tomaram placebo9 duas vezes ao dia. As pessoas em ambos os grupos tinham idade, altura e peso inicial semelhantes.

Saiba mais sobre "Probióticos10 e Prebióticos", "Bactérias do bem" e "Obesidade11".

Entre aqueles que tomaram o probiótico1, 55% perderam pelo menos 3% do peso corporal, em comparação com 41% das pessoas que tomaram o placebo9.

Entre as pessoas com sobrepeso3, uma perda de 3% no peso corporal tem sido associada a um risco reduzido de diabetes tipo 212 e doenças cardiovasculares13. Em apoio a isso, os pesquisadores descobriram que os participantes que tomaram o probiótico1 tinham níveis de açúcar14 no sangue15 substancialmente mais baixos do que os do grupo placebo9, reduzindo o risco de desenvolver diabetes tipo 212. Nenhum dos participantes tinha diabetes tipo 212.

Pesquisas mensais também revelaram que as pessoas que tomaram o probiótico1 se sentiram substancialmente mais saciadas em geral aos dois e três meses do experimento, em comparação com as do placebo9.

Embora não se saiba como a ingestão de alimentos pode ter diferido entre os dois grupos, aqueles que tomaram o probiótico1 podem ter perdido mais peso se a H. alvei induzisse uma sensação de saciedade que os levasse a comer menos. Os pesquisadores também não podem descartar que a bactéria2 pode afetar a forma como a gordura16 é quebrada.

“É muito interessante ver que você pode modular o peso corporal dessa maneira usando certas cepas17 de bactérias”, diz Adèle Rakotonirina da Universidade de Genebra, na Suíça. “Isso pode realmente ajudar se você quiser fazer uma terapia contra a obesidade11.”

No entanto, os probióticos10 afetam as pessoas de maneiras diferentes, dependendo de sua genética, microbioma18 intestinal e metabolismo19 geral, diz Rakotonirina. “Em última análise, precisaríamos de uma abordagem personalizada para prescrever probióticos10 para minimizar quaisquer efeitos colaterais”, diz ela.

No artigo publicado, os pesquisadores relatam como a cepa20 probiótica H. alvei HA4597® melhora a perda de peso em indivíduos com sobrepeso3 sob dieta hipocalórica21 moderada.

Eles contextualizam que evidências crescentes apoiam o papel da microbiota6 intestinal no controle do peso corporal e comportamento alimentar. Além disso, estudos recentes relataram que a cepa20 probiótica Hafnia alvei HA4597® (HA), que produz o peptídeo sacietogênico ClpB mimetizando o efeito do alfa-MSH, reduziu o ganho de peso e a adiposidade em modelos de roedores de obesidade11.

Para investigar a eficácia clínica da HA, 236 indivíduos com sobrepeso3 foram incluídos, após consentimento informado por escrito, em um estudo prospectivo22, duplo-cego e randomizado23 de 12 semanas.

Todos os indivíduos receberam aconselhamento padronizado para uma dieta hipocalórica21 de -20% e foram solicitados a manter sua atividade física habitual. Os indivíduos do grupo HA receberam duas cápsulas por dia fornecendo 100 bilhões de bactérias por dia, e os indivíduos do grupo Placebo9 (P) receberam duas cápsulas de placebo9.

O desfecho primário foi a porcentagem de indivíduos que atingiram uma perda de peso de pelo menos 3% após 12 semanas. A análise estatística de intenção de tratar foi realizada usando os testes exato de Fischer, Mann-Whitney e pareado de Wilcoxon, conforme apropriado.

No grupo HA, significativamente mais indivíduos (+33%) atingiram o desfecho primário do que no grupo P (54,9 vs. 41,4%, p = 0,048). No grupo HA, também foram observadas uma maior sensação de plenitude (p = 0,009) e uma maior perda da circunferência do quadril (p <0,001) em 12 semanas. A glicemia de jejum24 em 12 semanas foi significativamente menor (p <0,05) no grupo HA em relação ao grupo P. A tolerância clínica e biológica foi boa em ambos os grupos.

O estudo concluiu que um tratamento de 12 semanas com a cepa20 probiótica H. alvei HA4597® melhora significativamente a perda de peso, a sensação de plenitude e a redução da circunferência do quadril em indivíduos com sobrepeso3 seguindo dieta hipocalórica21 moderada. Esses dados suportam o uso da H. alvei HA4597® no gerenciamento global do excesso de peso.

Leia sobre "Os benefícios dos probióticos10", "Microbioma18 intestinal humano" e "Como funciona o controle do apetite".

 

Fontes:
Nutrients, publicação em 01 de junho de 2022.
New Scientist, notícia publicada em 26 de outubro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Probiótico supressor de apetite ajuda pessoas com sobrepeso a perder peso. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1428440/probiotico-supressor-de-apetite-ajuda-pessoas-com-sobrepeso-a-perder-peso.htm>. Acesso em: 1 dez. 2022.

Complementos

1 Probiótico: Suplemento alimentar, rico em micro-organismos vivos, que afeta de forma benéfica seu consumidor, através da melhoria do balanço microbiano intestinal.
2 Bactéria: Organismo unicelular, capaz de auto-reproduzir-se. Existem diferentes tipos de bactérias, classificadas segundo suas características de crescimento (aeróbicas ou anaeróbicas, etc.), sua capacidade de absorver corantes especiais (Gram positivas, Gram negativas), segundo sua forma (bacilos, cocos, espiroquetas, etc.). Algumas produzem infecções no ser humano, que podem ser bastante graves.
3 Sobrepeso: Peso acima do normal, índice de massa corporal entre 25 e 29,9.
4 Calorias: Dizemos que um alimento tem “x“ calorias, para nos referirmos à quantidade de energia que ele pode fornecer ao organismo, ou seja, à energia que será utilizada para o corpo realizar suas funções de respiração, digestão, prática de atividades físicas, etc.
5 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
6 Microbiota: Em ecologia, chama-se microbiota ao conjunto dos microrganismos que habitam um ecossistema, principalmente bactérias, protozoários e outros microrganismos que têm funções importantes na decomposição da matéria orgânica e, portanto, na reciclagem dos nutrientes. Fazem parte da microbiota humana uma quantidade enorme de bactérias que vivem em harmonia no organismo e auxiliam a ação do sistema imunológico e a nutrição, por exemplo.
7 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
8 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
9 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
10 Probióticos: Suplemento alimentar, rico em micro-organismos vivos, que afeta de forma benéfica seu consumidor, através da melhoria do balanço microbiano intestinal.
11 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
12 Diabetes tipo 2: Condição caracterizada por altos níveis de glicose causada tanto por graus variáveis de resistência à insulina quanto por deficiência relativa na secreção de insulina. O tipo 2 se desenvolve predominantemente em pessoas na fase adulta, mas pode aparecer em jovens.
13 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
14 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
15 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
16 Gordura: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Os alimentos que fornecem gordura são: manteiga, margarina, óleos, nozes, carnes vermelhas, peixes, frango e alguns derivados do leite. O excesso de calorias é estocado no organismo na forma de gordura, fornecendo uma reserva de energia ao organismo.
17 Cepas: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
18 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
19 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
20 Cepa: Cepa ou estirpe é um termo da biologia e da genética que se refere a um grupo de descendentes com um ancestral comum que compartilham semelhanças morfológicas e/ou fisiológicas.
21 Hipocalórica: Que é pouco calórica.
22 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
23 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
24 Glicemia de jejum: Teste que checa os níveis de glicose após um período de jejum de 8 a 12 horas (frequentemente dura uma noite). Este teste é usado para diagnosticar o pré-diabetes e o diabetes. Também pode ser usado para monitorar pessoas com diabetes.
Gostou do artigo? Compartilhe!