Gostou do artigo? Compartilhe!

Diagnóstico de demência foi associado ao suicídio: risco quase sete vezes maior para pessoas com diagnóstico antes dos 65 anos

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

O risco de suicídio foi maior em pessoas recentemente diagnosticadas com demência1, especialmente pacientes mais jovens, mostrou um estudo de caso-controle na Inglaterra.

Em comparação com pessoas que não tinham demência1, os suicídios aumentaram em pessoas que receberam um diagnóstico2 de demência1 nos últimos 3 meses, de acordo com Danah Alothman, da Universidade de Nottingham, na Inglaterra, e colegas.

Para pessoas com menos de 65 anos, o risco de suicídio dentro de 3 meses após o diagnóstico2 foi 6,69 vezes maior do que em pacientes sem demência1, relataram os pesquisadores no estudo publicado no JAMA Neurology.

Em qualquer momento após o diagnóstico2, o risco de suicídio permaneceu elevado para pessoas mais jovens com demência1. E em qualquer momento e em qualquer idade, pessoas com comorbidades3 psiquiátricas tiveram um risco 1,52 vezes maior de suicídio.

“Melhorar o acesso a um diagnóstico2 de demência1 é uma importante prioridade de saúde”, disse o co-autor Charles Marshall, da Queen Mary University of London, em um comunicado.

“No entanto, um diagnóstico2 de demência1 pode ser devastador, e nosso trabalho mostra que também precisamos garantir que os serviços de saúde4 tenham os recursos para fornecer suporte adequado após o diagnóstico”, destacou Marshall.

Leia sobre "Demência1", "Mal de Alzheimer5" e "Suicídio: o que entender sobre ele".

As mortes por suicídio são mais comuns entre pessoas com qualquer distúrbio neurológico diagnosticado. Entre os pacientes do Medicare, a morte por suicídio aumentou após diagnósticos de Alzheimer5 ou demência1, com maior risco entre pessoas de 65 a 74 anos e nos primeiros 90 dias após o diagnóstico2.

Mas nessas e em outras análises, o risco de suicídio entre pessoas com menos de 65 anos foi negligenciado, observaram Alothman e colegas – um fator que pode se tornar cada vez mais importante à medida que os diagnósticos de Alzheimer5 e demência1 são feitos cada vez mais cedo.

“Dado o alto risco de tentativa de suicídio e morte por suicídio associado a um diagnóstico2 recente de demência1, sugerimos que os esforços atuais para o diagnóstico2 imediato de demência1 sejam acompanhados por medidas de avaliação de risco de suicídio focadas no período imediatamente após o diagnóstico2 e naqueles com demência1 com início em idade mais jovem”, escreveram os pesquisadores.

A triagem e o gerenciamento de doenças psiquiátricas em pacientes com demência1 também podem ajudar a mitigar6 o aumento do risco de suicídio, acrescentaram.

No artigo, os pesquisadores relatam como pacientes com demência1 podem ter um risco aumentado de suicídio. A identificação de grupos com maior risco de suicídio apoiaria os esforços direcionados de redução de risco pelos serviços clínicos de demência1.

O objetivo do estudo, portanto, foi examinar a associação entre um diagnóstico2 de demência1 e risco de suicídio na população geral e identificar subgrupos de alto risco.

Este foi um estudo de caso-controle de base populacional na Inglaterra, realizado de 1º de janeiro de 2001 a 31 de dezembro de 2019. Os dados foram obtidos de vários registros eletrônicos vinculados da atenção primária, da atenção secundária e do Office for National Statistics.

Os participantes incluídos foram todos os pacientes com 15 anos ou mais e registrados no Office for National Statistics na Inglaterra com uma morte codificada como suicídio ou veredicto aberto de 2001 a 2019. Até 40 participantes vivos de controle por caso de suicídio foram pareados aleatoriamente na prática de cuidados primários e data do suicídio.

Os pacientes com códigos referentes ao diagnóstico2 de demência1 foram identificados nas bases de dados da atenção primária e da atenção secundária.

As razões de chance (ORs) foram estimadas usando regressão logística condicional e ajustadas para sexo e idade na data do suicídio/índice.

Da amostra total de 594.674 pacientes, 580.159 (97,6%) eram controles (idade média [IQR] na morte, 81,6 [72,0-88,4] anos; 289.769 pacientes do sexo masculino [50,0%]) e 14.515 (2,4%) morreram por suicídio (idade média [IQR] na morte, 47,4 [36,0-59,7] anos; 10.850 pacientes do sexo masculino [74,8%]).

Entre aqueles que morreram por suicídio, 95 pacientes (1,9%) tiveram um diagnóstico2 de demência1 registrado (idade média [IQR] no momento da morte, 79,5 [67,1-85,5] anos; duração média [IQR] do acompanhamento, 2,3 [1,0-4,4] anos).

Não houve associação significativa global entre um diagnóstico2 de demência1 e risco de suicídio (OR ajustado, 1,05; IC 95%, 0,85-1,29). No entanto, o risco de suicídio foi significativamente aumentado em pacientes diagnosticados com demência1 antes dos 65 anos (OR ajustado, 2,82; IC 95%, 1,84-4,33), nos primeiros 3 meses após o diagnóstico2 (OR ajustado, 2,47; IC 95%, 1,49-4,09) e em pacientes com demência1 e comorbidade7 psiquiátrica (OR ajustado, 1,52; IC 95%, 1,21-1,93).

Em pacientes com menos de 65 anos e dentro de 3 meses do diagnóstico2, o risco de suicídio foi 6,69 vezes (IC 95%, 1,49-30,12) maior do que em pacientes sem demência1.

O estudo concluiu que a demência1 foi associada ao aumento do risco de suicídio em subgrupos específicos de pacientes: aqueles diagnosticados antes dos 65 anos (particularmente no período de 3 meses pós-diagnóstico2), aqueles nos primeiros 3 meses após o diagnóstico2 e aqueles com comorbidades3 psiquiátricas conhecidas.

Dados os esforços atuais para melhorar as taxas de diagnóstico2 de demência1, os serviços de diagnóstico2 e tratamento da demência1, tanto em ambientes de atenção primária quanto secundária, devem direcionar a avaliação do risco de suicídio para os grupos de alto risco identificados.

Veja também sobre "Principais transtornos mentais", "Ideação suicida" e "Prevenção ao suicídio".

 

Fontes:
JAMA Neurology, publicação em 03 de outubro de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 03 de outubro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Diagnóstico de demência foi associado ao suicídio: risco quase sete vezes maior para pessoas com diagnóstico antes dos 65 anos. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1427190/diagnostico-de-demencia-foi-associado-ao-suicidio-risco-quase-sete-vezes-maior-para-pessoas-com-diagnostico-antes-dos-65-anos.htm>. Acesso em: 5 fev. 2023.

Complementos

1 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
2 Diagnóstico: Determinação de uma doença a partir dos seus sinais e sintomas.
3 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
4 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
5 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
6 Mitigar: Tornar mais brando, mais suave, menos intenso (geralmente referindo-se à dor ou ao sofrimento); aliviar, suavizar, aplacar.
7 Comorbidade: Coexistência de transtornos ou doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!