Gostou do artigo? Compartilhe!

Tratamento radical do lúpus usa a terapia com células CAR-T desenvolvida para o câncer

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Uma terapia celular de alta tecnologia usada para tratar o câncer1 foi reaproveitada como tratamento para o lúpus2, uma condição autoimune3 que pode causar danos nas articulações4, nos rins5 e no coração6.

A terapia com células7 CAR-T colocou todas as cinco pessoas com lúpus2 tratadas até agora em remissão. Os participantes foram acompanhados por uma média de 8 meses, com a primeira pessoa tratada há 17 meses.

Mas é muito cedo para saber quanto tempo as remissões durarão, diz Georg Schett, da Universidade de Erlangen-Nuremberg, na Alemanha, que fez parte da equipe de estudo. Os resultados foram publicados na revista Nature Medicine.

As células7 CAR-T foram desenvolvidas para tratar cânceres no sangue8 que surgem quando as células7 B, um tipo de célula9 imune que normalmente produz anticorpos10, começam a se multiplicar fora de controle.

A abordagem requer a coleta de uma amostra de células7 imunes do sangue8 de uma pessoa, alterando-as geneticamente no laboratório para que ataquem as células7 B e, em seguida, infundindo-as de volta no sangue8 do indivíduo. A técnica parece colocar 4 em cada 10 pessoas com esses tipos de câncer1 em remissão.

O lúpus2, também chamado de lúpus2 eritematoso11 sistêmico12, é causado pelo sistema imunológico13 reagindo erroneamente contra o próprio DNA das pessoas. Isso é impulsionado pelas células7 B que produzem anticorpos10 contra o DNA liberado pelas células7 que estão morrendo.

Atualmente, ele é tratado com medicamentos que suprimem o sistema imunológico13 ou, em casos mais graves, com medicamentos que matam as células7 B. Mas os tratamentos não podem matar todas as células7 B e, se a doença piorar, algumas pessoas desenvolvem insuficiência renal14 e inflamação15 do coração6 e do cérebro16.

Saiba mais sobre "Lúpus2 eritematoso11" e "Doenças autoimunes17".

Schett e sua equipe se perguntaram se o uso de células7 CAR-T para caçar todas as células7 B seria mais eficaz. Dentro de três meses após o tratamento, todos os cinco participantes estavam em remissão, sem precisar tomar outros medicamentos para controlar seus sintomas18.

As células7 CAR-T mal eram detectáveis após um mês e, após três meses e meio, as células7 B dos voluntários começaram a retornar, tendo sido produzidas por células-tronco19 na medula óssea20. Essas novas células7 B não reagiram contra o DNA.

Não se sabe o que normalmente faz com que as células7 B comecem a reagir contra o DNA em pessoas com lúpus2, então é possível que algum tipo de gatilho possa iniciar o processo novamente.

A conquista significa que as células7 CAR-T também podem ser úteis contra outras doenças autoimunes17 que são impulsionadas por anticorpos10, como a esclerose múltipla21, na qual o sistema imunológico13 ataca os nervos, diz Schett.

Outro tratamento radical para a esclerose múltipla21 envolve “reinicializar” o sistema imunológico13, destruindo-o com quimioterapia22. Em comparação, “as células7 CAR-T seriam menos invasivas e mais toleráveis”, diz ele.

Mas é muito cedo para saber quão eficazes as células7 CAR-T serão para condições autoimunes17, dizem especialistas. O estudo envolveu um número pequeno de pacientes, então não se sabe se esse será o resultado para todos.

Quando usadas no câncer1, as células7 CAR-T são caras para criar para cada pessoa, então elas podem só ser usadas para condições autoimunes17 em pessoas com doenças graves quando não há outros tratamentos disponíveis, diz ele.

No artigo publicado, os pesquisadores descrevem a terapia com células7 CAR-T anti-CD19 para o lúpus2 eritematoso11 sistêmico12 refratário.

Eles contextualizam que o lúpus2 eritematoso11 sistêmico12 (LES) é uma doença autoimune3 com risco de vida caracterizada pela ativação do sistema imunológico13 adaptativo, formação de autoanticorpos de DNA de fita dupla e inflamação15 de órgãos.

Cinco pacientes com LES (quatro mulheres e um homem) com idade média (variação) de 22 (6) anos, duração média (variação) da doença de 4 (8) anos e doença ativa (média [intervalo] do índice de atividade da doença do LES: 16 [8]) refratária a vários tratamentos com drogas imunossupressoras foram inscritos em um programa de receptor de antígeno23 quimérico de células7 T de uso compassivo.

Células7 T autólogas de pacientes com LES foram transduzidas com um vetor lentiviral CAR anti-CD19, expandidas e reinfundidas em uma dose de 1 × 106 células7 CAR-T por kg de peso corporal nos pacientes após linfodepleção com fludarabina e ciclofosfamida.

Células7 CAR-T expandidas in vivo levaram à depleção24 profunda das células7 B, melhora dos sintomas18 clínicos e normalização dos parâmetros laboratoriais, incluindo soroconversão de anticorpos10 anti-DNA de fita dupla.

A remissão do LES de acordo com os critérios DORIS foi alcançada em todos os cinco pacientes após 3 meses e a pontuação média (intervalo) do Índice de Atividade da Doença de Lúpus2 Eritematoso11 Sistêmico12 após 3 meses foi 0 (2).

A remissão livre de drogas foi mantida durante um seguimento mais longo (média [intervalo] de 8 (12) meses após a administração de células7 CAR-T) e mesmo após o reaparecimento de células7 B, que foi observado após uma média (±DP) de 110 ± 32 dias após o tratamento com células7 CAR-T. As células7 B que reaparecem eram virgens e mostraram receptores de células7 B não trocados de classe.

O tratamento com células7 CAR-T foi bem tolerado apenas com síndrome25 de liberação de citocinas26 leve.

Esses dados sugerem que a transferência de células7 CAR-T CD19 é viável, tolerável e altamente eficaz no lúpus2 eritematoso11 sistêmico12.

Leia sobre "Sistema imunológico13", "Imunoterapia" e "Antígenos27 e anticorpos10".

 

Fontes:
Nature Medicine, publicação em 15 de setembro de 2022.
New Scientist, notícia publicada em 15 de setembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Tratamento radical do lúpus usa a terapia com células CAR-T desenvolvida para o câncer. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1426345/tratamento-radical-do-lupus-usa-a-terapia-com-celulas-car-t-desenvolvida-para-o-cancer.htm>. Acesso em: 2 dez. 2022.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Lúpus: 1. É uma inflamação crônica da pele, caracterizada por ulcerações ou manchas, conforme o tipo específico. 2. Doença autoimune rara, mais frequente nas mulheres, provocada por um desequilíbrio do sistema imunológico. Nesta patologia, a defesa imunológica do indivíduo se vira contra os tecidos do próprio organismo como pele, articulações, fígado, coração, pulmão, rins e cérebro. Essas múltiplas formas de manifestação clínica, às vezes, podem confundir e retardar o diagnóstico. Lúpus exige tratamento cuidadoso por médicos especializados no assunto.
3 Autoimune: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
4 Articulações:
5 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
6 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
7 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
8 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
9 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
10 Anticorpos: Proteínas produzidas pelo organismo para se proteger de substâncias estranhas como bactérias ou vírus. As pessoas que têm diabetes tipo 1 produzem anticorpos que destroem as células beta produtoras de insulina do próprio organismo.
11 Eritematoso: Relativo a ou próprio de eritema. Que apresenta eritema. Eritema é uma vermelhidão da pele, devido à vasodilatação dos capilares cutâneos.
12 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
13 Sistema imunológico: Sistema de defesa do organismo contra infecções e outros ataques de micro-organismos que enfraquecem o nosso corpo.
14 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
15 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
16 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
17 Autoimunes: 1. Relativo à autoimunidade (estado patológico de um organismo atingido por suas próprias defesas imunitárias). 2. Produzido por autoimunidade. 3. Autoalergia.
18 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
19 Células-tronco: São células primárias encontradas em todos os organismos multicelulares que retêm a habilidade de se renovar por meio da divisão celular mitótica e podem se diferenciar em uma vasta gama de tipos de células especializadas.
20 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
21 Esclerose múltipla: Doença degenerativa que afeta o sistema nervoso, produzida pela alteração na camada de mielina. Caracteriza-se por alterações sensitivas e de motilidade que evoluem através do tempo produzindo dano neurológico progressivo.
22 Quimioterapia: Método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
23 Antígeno: 1. Partícula ou molécula capaz de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substância que, introduzida no organismo, provoca a formação de anticorpo.
24 Depleção: 1. Em patologia, significa perda de elementos fundamentais do organismo, especialmente água, sangue e eletrólitos (sobretudo sódio e potássio). 2. Em medicina, é o ato ou processo de extração de um fluido (por exxemplo, sangue) 3. Estado ou condição de esgotamento provocado por excessiva perda de sangue. 4. Na eletrônica, em um material semicondutor, medição da densidade de portadores de carga abaixo do seu nível e do nível de dopagem em uma temperatura específica.
25 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
26 Citocinas: Citoquina ou citocina é a designação genérica de certas substâncias segregadas por células do sistema imunitário que controlam as reações imunes do organismo.
27 Antígenos: 1. Partículas ou moléculas capazes de deflagrar a produção de anticorpo específico. 2. Substâncias que, introduzidas no organismo, provocam a formação de anticorpo.
Gostou do artigo? Compartilhe!