Gostou do artigo? Compartilhe!

Estudo aponta melhora da cognição com suplemento multivitamínico diário

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

A suplementação1 diária de vitaminas e minerais melhorou a cognição2 em idosos, mostrou o ensaio clínico COSMOS-Mind.

O foco principal do estudo foi o efeito do extrato diário de cacau, que é rico em flavonoides que pesquisas anteriores sugeriram que podem ajudar a preservar a função cognitiva3. No teste de 3 anos, o extrato diário de cacau não teve efeito sobre a cognição2.

Mas ao longo de 3 anos, um suplemento multivitamínico mineral diário mostrou benefícios globais de cognição2 em comparação com placebo4, relataram Laura Baker, PhD, da Wake Forest University, e colegas em artigo publicado no jornal científico Alzheimer’s & Dementia.

A memória episódica e a função executiva5 também melhoraram.

O efeito global de multivitaminas diárias parecia mais pronunciado em participantes com doença cardiovascular.

“Esta é a primeira evidência de benefício cognitivo6 em um grande estudo de longo prazo de suplementação1 multivitamínica em idosos”, disse Baker em comunicado.

Mas é muito cedo para recomendar um multivitamínico diário para prevenir o declínio cognitivo6, ela alertou.

“Embora essas descobertas preliminares sejam promissoras, pesquisas adicionais são necessárias em um grupo maior e mais diversificado de pessoas”, disse Baker. “Além disso, ainda temos trabalho a fazer para entender melhor por que o multivitamínico pode beneficiar a cognição2 em idosos”.

Leia sobre "Suplementos alimentares", "Hipovitaminoses" e "Distúrbio neurocognitivo".

No artigo publicado, os pesquisadores avaliaram os efeitos do extrato de cacau e de um multivitamínico na função cognitiva3.

Eles contextualizam que suplementos dietéticos são apontados para proteção cognitiva3, mas as evidências de apoio são mistas. O COSMOS-Mind testou se a administração diária de extrato de cacau (contendo 500 mg/dia de flavonoides) versus placebo4 e um multivitamínico mineral (MVM) comercial versus placebo4 melhorou a cognição2 em mulheres e homens idosos.

O COSMOS-Mind, um grande estudo fatorial dois por dois, randomizado7, de 3 anos, avaliou a cognição2 por telefone na linha de base e anualmente. O resultado primário foi um composto de cognição2 global formado a partir de z-escores médios padronizados (em relação à linha de base) de testes individuais, incluindo a Entrevista por Telefone de Status Cognitivo6, Lista de Palavras e Recordação de Histórias, Trilhas Orais, Fluência Verbal, Extensão de Números, e Ordenação de Dígitos.

Usando a intenção de tratar, o desfecho primário foi a mudança neste composto com 3 anos de uso de extrato de cacau. O desfecho secundário pré-especificado foi alteração no composto com 3 anos de suplementação1 de MVM. Os efeitos do tratamento também foram examinados para função executiva5 e pontuação composta de memória, e em subgrupos pré-especificados com maior risco de declínio cognitivo6.

Um total de 2.262 participantes foram inscritos (idade média = 73 anos; 60% mulheres; 89% brancos não hispânicos) e 92% completaram a linha de base e pelo menos uma avaliação anual.

Extrato de cacau não teve efeito sobre a cognição2 global (z-score médio = 0,03, IC 95%: -0,02 a 0,08; P = 0,28). A suplementação1 diária de MVM, em relação ao placebo4, resultou em um benefício estatisticamente significativo na cognição2 global (z médio = 0,07, IC 95% 0,02 a 0,12; P = 0,007), e esse efeito foi mais pronunciado em participantes com histórico de doença cardiovascular (sem histórico: 0,06, IC 95% 0,01 a 0,11; com histórico: 0,14, IC 95% -0,02 a 0,31; P para interação, nominal = 0,01).

Benefícios do multivitamínico mineral também foram observados para memória e função executiva5.

O estudo concluiu que o extrato de cacau não beneficiou a cognição2. No entanto, o COSMOS-Mind fornece a primeira evidência de um grande estudo pragmático de longo prazo para apoiar a eficácia potencial de um multivitamínico mineral para melhorar a cognição2 em idosos.

É necessário trabalho adicional para confirmar esses achados em uma coorte8 mais diversificada e identificar mecanismos para explicar os efeitos do multivitamínico mineral.

Veja também sobre "Envelhecimento cerebral normal ou patológico" e "Quando a perda de memória não é normal".

 

Fontes:
Alzheimer’s & Dementia, publicação em 14 de setembro de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 15 de setembro de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Estudo aponta melhora da cognição com suplemento multivitamínico diário. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1425815/estudo-aponta-melhora-da-cognicao-com-suplemento-multivitaminico-diario.htm>. Acesso em: 1 dez. 2022.

Complementos

1 Suplementação: Que serve de suplemento para suprir o que falta, que completa ou amplia.
2 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
3 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
4 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
5 Função executiva: Também conhecida como controle cognitivo ou sistema supervisor atencional é um conceito neuropsicológico que se aplica ao processo cognitivo responsável pelo planejamento e execução de atividades, que podem incluir, por exemplo, a iniciação de tarefas, memória de trabalho, atenção sustentada e inibição de impulsos.
6 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
7 Randomizado: Ensaios clínicos comparativos randomizados são considerados o melhor delineamento experimental para avaliar questões relacionadas a tratamento e prevenção. Classicamente, são definidos como experimentos médicos projetados para determinar qual de duas ou mais intervenções é a mais eficaz mediante a alocação aleatória, isto é, randomizada, dos pacientes aos diferentes grupos de estudo. Em geral, um dos grupos é considerado controle – o que algumas vezes pode ser ausência de tratamento, placebo, ou mais frequentemente, um tratamento de eficácia reconhecida. Recursos estatísticos são disponíveis para validar conclusões e maximizar a chance de identificar o melhor tratamento. Esses modelos são chamados de estudos de superioridade, cujo objetivo é determinar se um tratamento em investigação é superior ao agente comparativo.
8 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
Gostou do artigo? Compartilhe!