Gostou do artigo? Compartilhe!

Quase metade das mortes por câncer são evitáveis

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Globalmente, quase metade das mortes por câncer1 podem ser atribuídas a fatores de risco evitáveis, incluindo os três principais riscos de: fumar, beber muito álcool ou ter um alto índice de massa corporal2, sugere um novo artigo.

A pesquisa, publicada na revista The Lancet, descobriu que 44,4% de todas as mortes por câncer1 e 42% dos anos saudáveis perdidos poderiam ser atribuídos a fatores de risco evitáveis em 2019.

“Até onde sabemos, este estudo representa o maior esforço até o momento para determinar a carga global de câncer1 atribuível a fatores de risco e contribui para um crescente corpo de evidências destinado a estimar a carga atribuível a fatores de risco para cânceres específicos a nível nacional, internacional e global”, escreveram o Dr. Chris Murray, diretor do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde3 da Universidade de Washington, e seus colegas no estudo.

Leia sobre "Prevenção do câncer1" e "Limitar o consumo de álcool reduz o risco de câncer1".

O artigo analisou a relação entre fatores de risco e câncer1, a segunda principal causa de morte em todo o mundo, usando dados do projeto Global Burden of Disease do Institute for Health Metrics and Evaluation.

Esse projeto analisou a morte e a incapacidade de mais de 350 doenças e lesões4 em 204 países. A partir desses dados, os pesquisadores estimaram o impacto de 34 fatores de risco em problemas de saúde3 e mortes por 23 tipos de câncer1.

Em homens e mulheres, entre os cânceres causados por fatores de risco evitáveis, os tumores de pulmão5, traqueia6 e brônquios7 foram a principal causa de morte. O tabagismo foi o maior fator de risco8 associado a essas mortes por câncer1.

Em 2019, metade de todas as mortes masculinas por câncer1 e mais de um terço das mortes em mulheres foram causadas por fatores de risco evitáveis, incluindo tabagismo e uso de álcool, dietas pouco saudáveis, sexo inseguro e exposição no local de trabalho a produtos nocivos, como o amianto.

De 2010 a 2019, as mortes globais por câncer1 causadas por esses fatores de risco aumentaram cerca de 20%, com o excesso de peso representando a maior porcentagem de aumento – principalmente em países de baixa renda.

“Esses resultados, em combinação com o conhecimento local, podem ser úteis para os formuladores de políticas na determinação de quais fatores de risco modificáveis devem ser direcionados nos esforços de planejamento de controle do câncer”, diz a co-autora do estudo Kelly Compton, diretora de projetos do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde3 da Universidade de Washington.

No artigo, os pesquisadores contextualizam como compreender a magnitude da carga de câncer1 atribuível a fatores de risco potencialmente modificáveis é crucial para o desenvolvimento de estratégias eficazes de prevenção e mitigação. Eles então analisaram os resultados do Estudo Global de Carga de Doenças, Lesões4 e Fatores de Risco (GBD) 2019 para informar os esforços de planejamento de controle do câncer1 globalmente.

A estrutura de avaliação comparativa de risco do GBD 2019 foi usada para estimar a carga de câncer1 atribuível a fatores de risco comportamentais, ambientais e ocupacionais e metabólicos. Um total de 82 pares de risco-resultado foram incluídos com base nos critérios do World Cancer1 Research Fund. Foram apresentadas as mortes estimadas por câncer1 e anos de vida ajustados por incapacidade (DALYs) em 2019 e a mudança nessas medidas entre 2010 e 2019.

Globalmente, em 2019, os fatores de risco incluídos nesta análise foram responsáveis por 4,45 milhões (intervalo de incerteza de 95% 4,01-4,94) mortes e 105 milhões (95,0-116) de DALYs para ambos os sexos combinados, representando 44,4% (41,3-48,4) de todas as mortes por câncer1 e 42,0% (39,1-45,6) de todos os DALYs.

Houve 2,88 milhões (2,60-3,18) de mortes por câncer1 atribuíveis a fatores de risco em homens (50,6% [47,8-54,1] de todas as mortes masculinas por câncer1) e 1,58 milhão (1,36-1,84) de mortes por câncer1 atribuíveis a fatores de risco em mulheres (36,3% [32,5-41,3] de todas as mortes por câncer1 em mulheres).

Os principais fatores de risco no nível mais detalhado globalmente para mortes por câncer1 atribuíveis a fatores de risco e DALYs em 2019 para ambos os sexos combinados foram o tabagismo, seguido pelo uso de álcool e alto IMC9.

A carga de câncer1 atribuível a fatores de risco variou de acordo com a região do mundo e o Índice Sociodemográfico (ISD), com tabagismo, sexo inseguro e uso de álcool sendo os três principais fatores de risco para DALYs por câncer1 atribuíveis a fatores de risco em locais de baixo ISD em 2019, enquanto DALYs em locais de alto ISD espelharam os três principais fatores de risco globais.

De 2010 a 2019, as mortes globais por câncer1 atribuíveis a fatores de risco aumentaram em 20,4% (12,6-28,4) e os DALYs em 16,8% (8,8-25,0), com o maior aumento percentual nos riscos metabólicos (34,7% [27,9-42,8] e 33,3% [25,8-42,0]).

O estudo concluiu que os principais fatores de risco que contribuíram para a carga global de câncer1 em 2019 foram comportamentais, enquanto os fatores de risco metabólicos tiveram os maiores aumentos entre 2010 e 2019.

Reduzir a exposição a esses fatores de risco modificáveis diminuiria a mortalidade10 por câncer1 e as taxas de anos de vida ajustados por incapacidade em todo o mundo, e as políticas devem ser adaptadas adequadamente para a carga local de fatores de risco de câncer1.

Veja também sobre "Câncer1 - informações importantes", "Tabagismo" e "Obesidade11".

 

Fontes:
The Lancet, Vol. 400, Nº 10352, em 20 de agosto de 2022.
CNN, notícia publicada em 19 de agosto de 2022.
Nature, notícia publicada em 31 de agosto de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Quase metade das mortes por câncer são evitáveis. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1424840/quase-metade-das-mortes-por-cancer-sao-evitaveis.htm>. Acesso em: 2 out. 2022.

Complementos

1 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
2 Índice de massa corporal: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
3 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
4 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
5 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
6 Traqueia: Conduto músculo-membranoso com cerca de 22 centímetros no homem e de 18 centímetros na mulher. Da traqueia distingue-se uma parte que faz continuação direta à laringe (porção cervical) e uma parte que está situada no tórax (porção torácica). Possui anéis cartilaginosos em número variável de 12 a 16, unidos entre si por tecido fibroso. Destina-se à passagem do ar. A traqueia é revestida com epitélio ciliar que auxilia a filtração do ar inalado.
7 Brônquios: A maior passagem que leva ar aos pulmões originando-se na bifurcação terminal da traquéia. Sinônimos: Bronquíolos
8 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
9 IMC: Medida usada para avaliar se uma pessoa está abaixo do peso, com peso normal, com sobrepeso ou obesa. É a medida mais usada na prática para saber se você é considerado obeso ou não. Também conhecido como IMC. É calculado dividindo-se o peso corporal em quilogramas pelo quadrado da altura em metros. Existe uma tabela da Organização Mundial de Saúde que classifica as medidas de acordo com o resultado encontrado.
10 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
11 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
Gostou do artigo? Compartilhe!