Gostou do artigo? Compartilhe!

Prostasina, uma proteína do sangue, pode ajudar a prever diabetes e morte por câncer

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Níveis elevados de um tipo de proteína no sangue1 podem ajudar a identificar quem está em maior risco de diabetes2 e mortalidade3 relacionada ao câncer4, relataram pesquisadores em um estudo publicado na revista Diabetologia.

No estudo com mais de 4.000 adultos suecos, as chances de diabetes2 prevalente foram quase duas vezes maiores para aqueles que caíram no quartil mais alto de concentrações plasmáticas de prostasina versus aqueles no quartil mais baixo, de acordo com Gunnar Engström, MD, PhD, da Lund University, na Suécia, e colegas.

Além disso, os níveis de prostasina também foram significativamente associados ao diabetes2 de início recente, ao longo de um período médio de acompanhamento de 22 anos. Comparados com as concentrações de prostasina do quartil mais baixo, aqueles que caíram nas concentrações mais altas tiveram um risco 76% maior de desenvolver diabetes2 incidente5.

Seguindo uma tendência semelhante, níveis mais altos de prostasina em adultos sem diabetes2 foram significativamente associados a níveis mais altos de glicose6 no sangue1 em jejum, níveis de insulina7 plasmática e resistência à insulina7 medidos pelo HOMA2-IR.

Leia sobre "Diabetes Mellitus8", "Câncer4: o que é" e "O que afeta o comportamento da glicemia9".

Além do diabetes2, o grupo de Engström também descobriu que a prostasina plasmática estava associada à mortalidade3 por câncer4 entre essa coorte10 de adultos de meia-idade.

Em comparação com o quartil mais baixo de prostasina, aqueles que se enquadram no quartil mais alto tiveram um risco 43% maior de mortalidade3 por câncer4. Essa associação ainda era verdadeira mesmo depois que aqueles com câncer4 no início do estudo foram excluídos.

Curiosamente, essa associação também interagiu com a glicemia de jejum11. Entre aqueles com glicemia de jejum11 alterada no início do estudo, eles observaram um risco 52% maior de mortalidade3 por câncer4 por alteração de 1 desvio padrão (DP) na prostasina, versus um risco apenas 11% maior por alteração de 1 DP para aqueles sem níveis de glicose6 alterados.

“Esta é a análise mais abrangente de seu tipo até hoje e lança uma nova luz sobre a conexão biológica entre diabetes2 e câncer”, explicou Gunnar em um comunicado. “A prostasina pode ser apenas um indicador de que a doença pode ocorrer, ou pode ser causalmente relevante, o que é empolgante porque aumenta a possibilidade de direcionar essa proteína com futuros tratamentos para diabetes2 e câncer”.

A prostasina é comumente encontrada em células12 epiteliais de órgãos. Ela atua como estimulador do canal de sódio epitelial e já é considerada um biomarcador tumoral.

“Várias vias biológicas associadas ao diabetes2, como inflamação13, estresse do retículo endoplasmático, transição epitelial-mesenquimal14, via de sinalização Akt e via de sinalização Wnt/β-catenina, também participam da carcinogênese, invasão ou metástase15”, explicaram os pesquisadores, acrescentando que a prostasina tem um papel conhecido na regulação dessas vias.

Dito isto, eles apontaram que a prostasina pode possivelmente mediar o processo da hiperglicemia16 ao câncer4 ou pode atuar como um marcador de suscetibilidade ao câncer4 em pessoas com glicose6 no sangue1 elevada.

“Se uma associação casual for estabelecida no futuro, a prostasina pode ser considerada um alvo terapêutico para o tratamento de diabetes2 e câncer”, sugeriu o grupo de Gunnar.

No artigo publicado, os pesquisadores contextualizam que o diabetes2 está associado a um risco aumentado de câncer4. A prostasina é um estimulador do canal de sódio epitelial que tem sido associada à supressão de tumores, metabolismo17 da glicose6 e patologia18 tumoral associada à hiperglicemia16.

No entanto, a associação entre prostasina, diabetes2 e mortalidade3 por câncer4 não foi bem investigada em humanos. O objetivo, portanto, foi investigar as associações entre prostasina plasmática e diabetes2, e explorar se a prostasina tem um efeito no risco de mortalidade3 por câncer4 em indivíduos com hiperglicemia16.

A prostasina plasmática foi medida usando amostras do Malmö Diet and Cancer4 Study Cardiovascular Cohort, e a análise estatística foi realizada a partir de ambos os quartis específicos do sexo e por 1 DP.

A associação transversal entre prostasina plasmática e diabetes2 foi primeiro estudada em 4.658 participantes (idade 57,5 ± 5,9 anos, 39,9% homens). Depois de excluir 361 participantes com diabetes2 prevalente, as associações de prostasina com diabetes2 incidente5 e risco de mortalidade3 por câncer4 foram avaliadas usando análise de regressão de Cox. As interações entre os níveis de prostasina e glicose6 no sangue1, bem como outras covariáveis, foram testadas.

O OR ajustado para diabetes2 prevalente no 4º vs 1º quartil das concentrações de prostasina foi de 1,95 (IC 95% 1,39, 2,76) (p para tendência <0,0001).

Durante os períodos médios de acompanhamento de 21,9 ± 7,0 e 23,5 ± 6,1 anos, respectivamente, 702 participantes desenvolveram diabetes2 e 651 morreram de câncer4. A prostasina foi significativamente associada à incidência19 de diabetes2. A HR ajustada para diabetes2 no 4º vs 1º quartil das concentrações de prostasina foi de 1,76 (IC 95% 1,41, 2,19) (p para tendência <0,0001).

A prostasina também foi associada à mortalidade3 por câncer4. Houve uma interação significativa entre prostasina e glicemia de jejum11 para o risco de mortalidade3 por câncer4 (p para interação = 0,022), com uma associação mais forte observada em indivíduos com níveis de glicemia de jejum11 alterados no início do estudo (HR por alteração de 1 DP 1,52; IC 95% 1,07, 2,16; p = 0,019).

O estudo concluiu que os níveis plasmáticos de prostasina estão positivamente associados ao risco de diabetes2 e ao risco de mortalidade3 por câncer4, especialmente em indivíduos com níveis elevados de glicose6 no sangue1, o que pode lançar uma nova luz sobre a relação entre diabetes2 e câncer4.

Veja também sobre "Oncogênese - Como se dá o processo de formação do câncer4" e "Comportamento da glicose6 no sangue1".

 

Fontes:
Diabetologia, publicação em 04 de agosto de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 04 de agosto de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Prostasina, uma proteína do sangue, pode ajudar a prever diabetes e morte por câncer. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1422865/prostasina-uma-proteina-do-sangue-pode-ajudar-a-prever-diabetes-e-morte-por-cancer.htm>. Acesso em: 2 out. 2022.

Complementos

1 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
2 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
3 Mortalidade: A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos, geralmente para cada mil habitantes em uma dada região, em um determinado período de tempo.
4 Câncer: Crescimento anormal de um tecido celular capaz de invadir outros órgãos localmente ou à distância (metástases).
5 Incidente: 1. Que incide, que sobrevém ou que tem caráter secundário; incidental. 2. Acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. 3. Dificuldade passageira que não modifica o desenrolar de uma operação, de uma linha de conduta.
6 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
7 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
8 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
9 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
10 Coorte: Grupo de indivíduos que têm algo em comum ao serem reunidos e que são observados por um determinado período de tempo para que se possa avaliar o que ocorre com eles. É importante que todos os indivíduos sejam observados por todo o período de seguimento, já que informações de uma coorte incompleta podem distorcer o verdadeiro estado das coisas. Por outro lado, o período de tempo em que os indivíduos serão observados deve ser significativo na história natural da doença em questão, para que haja tempo suficiente do risco se manifestar.
11 Glicemia de jejum: Teste que checa os níveis de glicose após um período de jejum de 8 a 12 horas (frequentemente dura uma noite). Este teste é usado para diagnosticar o pré-diabetes e o diabetes. Também pode ser usado para monitorar pessoas com diabetes.
12 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
13 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
14 Mesenquimal: Relativo ao mesênquima; mesenquimático, mesenquimatoso. Mesênquima, na embriologia, é o tecido mesodérmico embrionário dos vertebrados, pouco diferenciado, que origina os tecidos conjuntivos no adulto. Na anatomia geral, no adulto, é o tecido conjuntivo comum e indiferenciado.
15 Metástase: Formação de tecido tumoral, localizada em um lugar distante do sítio de origem. Por exemplo, pode se formar uma metástase no cérebro originário de um câncer no pulmão. Sua gravidade depende da localização e da resposta ao tratamento instaurado.
16 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
17 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
18 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
19 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
Gostou do artigo? Compartilhe!