Gostou do artigo? Compartilhe!

Grande parcela de casos de Alzheimer e demência foram associados a 8 fatores de risco modificáveis

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Oito fatores de risco modificáveis foram associados a mais de um em cada três casos de doença de Alzheimer1 e demência2 relacionada nos EUA, mostrou uma análise transversal.

Os oito fatores de risco – obesidade3 na meia-idade, hipertensão4 na meia-idade, inatividade física, depressão, tabagismo, baixa escolaridade, diabetes5 e perda auditiva – foram associados a 36,9% dos casos de Alzheimer1 e demência2, relataram Roch Nianogo, MD, PhD, da University of California Los Angeles, Deborah Barnes, PhD, da University of California San Francisco, e coautores.

É importante notar que os fatores de risco diferem com base no sexo, raça e etnia, escreveram os pesquisadores no estudo publicado no JAMA Neurology.

Os fatores mais proeminentemente associados com Alzheimer1 e demência2 foram obesidade3 na meia-idade, em 17,7%; inatividade física, em 11,8%; e baixa escolaridade, em 11,7%.

“Publicamos um estudo semelhante há pouco mais de 10 anos, e os fatores de risco mais importantes eram inatividade física, depressão e tabagismo”, disse Barnes ao MedPage Today.

“Hoje, os três principais fatores de risco são obesidade3 na meia-idade, inatividade física e baixa escolaridade”, observou ela. “Isso é importante porque sugere que o número crescente de pessoas obesas nos EUA pode ter um grande impacto a longo prazo nas taxas de demência”.

“Nossos resultados também destacam a importância de garantir que todos em nosso país recebam educação adequada”, acrescentou Barnes. “A COVID-19 teve um impacto devastador nas taxas de educação e graduação e será importante ajudar esses alunos a se atualizarem. Isso é especialmente verdadeiro em indivíduos hispânicos, onde a baixa escolaridade é o maior fator de risco”.

Leia sobre "Doenças degenerativas6", "Mal de Alzheimer1" e "Demência2".

No artigo os pesquisadores contextualizaram que estimativas anteriores sugeriram que 1 em cada 3 casos de doença de Alzheimer7 e demência2 relacionada (DADRs) nos EUA estão associados a fatores de risco modificáveis, sendo os mais proeminentes inatividade física, depressão e tabagismo. No entanto, essas estimativas não levam em conta as mudanças na prevalência8 de fatores de risco na última década e não consideram diferenças potenciais por sexo ou raça e etnia.

Assim, o objetivo do estudo foi atualizar as estimativas da proporção de DADRs nos EUA que estão associadas a fatores de risco modificáveis e avaliar as diferenças por sexo, raça e etnia.

Para este estudo transversal, a prevalência8 e a comunalidade dos fatores de risco foram obtidas a partir dos dados nacionalmente representativos da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco Comportamentais dos EUA de janeiro de 2018 a dezembro de 2018, e os riscos relativos para cada fator de risco9 foram extraídos de metanálises.

Os dados foram analisados de dezembro de 2020 a agosto de 2021. Os entrevistados incluíram 378.615 adultos não institucionalizados com mais de 18 anos. O número antes da exclusão era 402.410. Aproximadamente 23.795 (~6%) tinham valores ausentes em pelo menos uma das variáveis de interesse.

As exposições do estudo foram inatividade física, tabagismo atual, depressão, baixa escolaridade, diabetes5, obesidade3 na meia-idade, hipertensão4 na meia-idade e perda auditiva.

Os principais desfechos foram riscos atribuíveis à população (RAPs) individuais e combinados associados a DADRs, representando a não independência entre os fatores de risco.

Entre 378.615 indivíduos, 171.161 (ponderado 48,7%) eram do sexo masculino e 134.693 (ponderado 21,1%) tinham 65 anos ou mais. Os dados de raça e etnia foram autorrelatados e definidos pelos dados do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco Comportamentais dos EUA; 6.671 participantes (ponderado 0,9%) eram índios americanos e nativos do Alasca, 8.043 (ponderado 5,1%) eram asiáticos, 29.956 (ponderado 11,7%) eram negros, 28.042 (ponderado 16,0%) eram hispânicos (qualquer raça) e 294.394 (ponderado 64,3%) eram brancos.

Aproximadamente 1 em cada 3 casos de DADR (36,9%) nos EUA foram associados a 8 fatores de risco modificáveis, sendo os mais proeminentes obesidade3 na meia-idade (17,7%; IC 95%, 17,5-18,0), inatividade física (11,8%; IC 95%, 11,7-11,9) e baixa escolaridade (11,7%; IC 95%, 11,5-12,0).

Os RAPs combinados foram maiores nos homens (35,9%) do que nas mulheres (30,1%) e diferiram por raça e etnia: índios americanos e nativos do Alasca, 39%; asiáticos, 16%; negros, 40%; hispânicos (qualquer raça), 34%; e brancos, 29%.

Os fatores de risco modificáveis mais proeminentes, independentemente do sexo, foram a obesidade3 na meia-idade para os índios americanos e nativos do Alasca, negros e brancos; baixa escolaridade para hispânicos; e inatividade física para asiáticos.

Os achados sugerem que os fatores de risco associados à doença de Alzheimer7 e demência2 relacionada mudaram na última década e diferem com base no sexo, raça e etnia. As estratégias de redução do risco de Alzheimer1 podem ser mais eficazes se tiverem como alvo grupos de maior risco e considerarem os perfis atuais de fatores de risco.

Veja também sobre "Surdez em idosos e o risco de demência2", "Sedentarismo10: o que é" e "Obesidade3".

 

Fontes:
JAMA Neurology, publicação em 09 de maio de 2022.
MedPage Today, notícia publicada em 09 de maio de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Grande parcela de casos de Alzheimer e demência foram associados a 8 fatores de risco modificáveis. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1417115/grande-parcela-de-casos-de-alzheimer-e-demencia-foram-associados-a-8-fatores-de-risco-modificaveis.htm>. Acesso em: 15 ago. 2022.

Complementos

1 Alzheimer: Doença degenerativa crônica que produz uma deterioração insidiosa e progressiva das funções intelectuais superiores. É uma das causas mais freqüentes de demência. Geralmente começa a partir dos 50 anos de idade e tem incidência similar entre homens e mulheres.
2 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
3 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
4 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
5 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
6 Degenerativas: Relativas a ou que provocam degeneração.
7 Doença de Alzheimer: É uma doença progressiva, de causa e tratamentos ainda desconhecidos que acomete preferencialmente as pessoas idosas. É uma forma de demência. No início há pequenos esquecimentos, vistos pelos familiares como parte do processo normal de envelhecimento, que se vão agravando gradualmente. Os pacientes tornam-se confusos e por vezes agressivos, passando a apresentar alterações da personalidade, com distúrbios de conduta e acabam por não reconhecer os próprios familiares e até a si mesmos quando colocados frente a um espelho. Tornam-se cada vez mais dependentes de terceiros, iniciam-se as dificuldades de locomoção, a comunicação inviabiliza-se e passam a necessitar de cuidados e supervisão integral, até mesmo para as atividades elementares como alimentação, higiene, vestuário, etc..
8 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
9 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
10 Sedentarismo: Qualidade de quem ou do que é sedentário, ou de quem tem vida e/ou hábitos sedentários. Sedentário é aquele que se exercita pouco, que não se movimenta muito.
Gostou do artigo? Compartilhe!