Gostou do artigo? Compartilhe!

Uso de antibióticos na meia-idade pode levar ao declínio cognitivo em mulheres

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

As mulheres que usam uma quantidade significativa de antibióticos na meia-idade são mais propensas a ter declínio cognitivo1 mais tarde na vida, de acordo com uma nova pesquisa publicada na revista PLoS One.

O microbioma2 intestinal é cada vez mais reconhecido por desempenhar um papel na cognição3 e na demência4. O uso de antibióticos afeta o microbioma2 intestinal e tem sido associado a doenças crônicas.

Apesar desses dados, não há evidências que sustentem uma associação entre o uso prolongado de antibióticos em adultos e a função cognitiva5.

Saiba mais sobre "As relações entre intestino e cérebro6" e "Microbioma2 intestinal humano".

Foi realizado um estudo de coorte7 prospectivo8 de base populacional entre 14.542 participantes do Nurses' Health Study II que completaram uma bateria de testes neuropsicológicos computadorizados autoadministrados entre 2014-2018.

Modelos de regressão linear multivariada foram usados para avaliar se o uso crônico9 de antibióticos na meia-idade estava associado ao comprometimento cognitivo1 avaliado mais tarde na vida.

Mulheres que relataram pelo menos 2 meses de exposição a antibióticos na meia-idade (idade média de 54,7 anos, DP 4,6) apresentaram escores cognitivos10 médios mais baixos sete anos depois, após ajuste para idade e escolaridade do cônjuge e dos pais, com uma diferença média de -0,11 unidades padrão para a pontuação composta global (P para tendência <0,0001), -0,13 para uma pontuação composta de velocidade psicomotora11 e atenção (P para tendência <0,0001) e -0,10 para uma pontuação composta de aprendizagem e memória de trabalho12 (P para tendência <0,0001) em comparação com não-usuárias de antibióticos.

Essas diferenças não foram substancialmente alteradas após o ajuste multivariado para fatores de risco adicionais, incluindo comorbidades13.

Como referência, a diferença média na pontuação associada a cada ano adicional de idade foi (-0,03) para cognição3 global, (-0,04) para velocidade psicomotora11 e atenção e (-0,03) para aprendizagem e memória de trabalho12; assim, a relação do uso de antibióticos com a cognição3 foi aproximadamente equivalente àquela encontrada para três a quatro anos de envelhecimento.

O estudo concluiu que o uso prolongado de antibióticos na meia-idade está associado a pequenas diminuições na cognição3 avaliada sete anos depois. Esses dados ressaltam a importância do cuidado na administração de antibióticos, especialmente entre as populações em envelhecimento.

Leia sobre "Usos e abusos dos antibióticos" e "Demência4".

 

Fonte: PLoS One, publicação em 23 de março de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Uso de antibióticos na meia-idade pode levar ao declínio cognitivo em mulheres. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1414210/uso-de-antibioticos-na-meia-idade-pode-levar-ao-declinio-cognitivo-em-mulheres.htm>. Acesso em: 2 jul. 2022.

Complementos

1 Cognitivo: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
2 Microbioma: Comunidade ecológica de microrganismos comensais, simbióticos e patogênicos que compartilham nosso espaço corporal. Microbioma humano é o conjunto de microrganismos que reside no corpo do Homo sapiens, mantendo uma relação simbiótica com o hospedeiro. O conceito vai além do termo microbiota, incluindo também a relação entre as células microbianas e as células e sistemas humanos, por meio de seus genomas, transcriptomas, proteomas e metabolomas.
3 Cognição: É o conjunto dos processos mentais usados no pensamento, percepção, classificação, reconhecimento e compreensão para o julgamento através do raciocínio para o aprendizado de determinados sistemas e soluções de problemas.
4 Demência: Deterioração irreversível e crônica das funções intelectuais de uma pessoa.
5 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
6 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
7 Estudo de coorte: Um estudo de coorte é realizado para verificar se indivíduos expostos a um determinado fator apresentam, em relação aos indivíduos não expostos, uma maior propensão a desenvolver uma determinada doença. Um estudo de coorte é constituído, em seu início, de um grupo de indivíduos, denominada coorte, em que todos estão livres da doença sob investigação. Os indivíduos dessa coorte são classificados em expostos e não-expostos ao fator de interesse, obtendo-se assim dois grupos (ou duas coortes de comparação). Essas coortes serão observadas por um período de tempo, verificando-se quais indivíduos desenvolvem a doença em questão. Os indivíduos expostos e não-expostos devem ser comparáveis, ou seja, semelhantes quanto aos demais fatores, que não o de interesse, para que as conclusões obtidas sejam confiáveis.
8 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
9 Crônico: Descreve algo que existe por longo período de tempo. O oposto de agudo.
10 Cognitivos: 1. Relativo ao conhecimento, à cognição. 2. Relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
11 Psicomotora: Própria ou referente a qualquer resposta que envolva aspectos motores e psíquicos, tais como os movimentos corporais governados pela mente.
12 Memória de trabalho: Atua no momento em que a informação está sendo adquirida, retendo a informação por alguns segundos e, então, a destinando a ser guardada por períodos mais longos ou a ser descartada. A memória de trabalho pode, ainda, armazenar dados por via inconsciente. Difere da memória de curto prazo pois esta trabalha com as informações por algumas horas até que sejam gravadas de forma definitiva.
13 Comorbidades: Coexistência de transtornos ou doenças.
Gostou do artigo? Compartilhe!