Gostou do artigo? Compartilhe!

Testes moleculares não demonstraram valor preditivo do benefício dos antibióticos em infecções do trato respiratório inferior em crianças

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Estudo publicado no periódico Clinical Microbiology and Infection avaliou se a presença de bactérias ou vírus1 nas vias aéreas superiores de crianças com infecção2 do trato respiratório inferior (ITRI) não complicada prediz o benefício dos antibióticos.

Crianças com idade entre 6 meses e 12 anos que se apresentaram à atenção primária no Reino Unido com ITRI aguda foram randomizadas para receber amoxicilina 50 mg/kg/dia/7 dias, ou placebo3. Crianças não randomizadas (não elegíveis ou escolha do médico/pais) poderiam participar de um estudo observacional paralelo.

O desfecho primário foi a duração dos sintomas4 classificados como moderadamente ruins ou piores. Swabs de garganta5 foram coletados e analisados quanto à presença de bactérias e vírus1 por PCR6 (Reação em Cadeia da Polimerase) multiplex.

Os resultados do swab estavam disponíveis para a maioria dos participantes no estudo principal (306/432 [71%]) e no estudo observacional paralelo (182/326 [59%]).

Patógenos bacterianos potencialmente sensíveis à amoxicilina (H.influenzae, M.catarrhalis, S.pneumoniae) foram detectados entre 51% do grupo placebo3 e 49% do grupo de antibiótico do estudo principal. A diferença mediana na duração dos sintomas4 classificados como moderadamente ruins ou piores entre antibiótico e placebo3 foi semelhante quando bactérias potencialmente sensíveis a antibióticos estavam presentes (mediana -1 dia (IC 99% -12,3 a 10,3) ou ausentes (mediana -1 dia, IC 99% -4,5 a 2,5).

Além disso, o número de cópias do genoma bacteriano não previu benefício. Houve achados semelhantes para todos os desfechos secundários e ao incluir os dados do estudo observacional.

Concluiu-se que não houve evidência clara de que os antibióticos melhorassem os resultados clínicos condicionados à presença ou concentração de bactérias ou vírus1 nas vias aéreas superiores.

Antes de implantar testes microbiológicos7 no ponto de atendimento para crianças com infecção2 do trato respiratório inferior não complicada na atenção primária são necessários ensaios de validação rigorosos.

Leia sobre "Usos e abusos dos antibióticos", "Doenças respiratórias" e "Alergia8 respiratória".

 

Fonte: Clinical Microbiology and Infection, publicação em 10 de março de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. Testes moleculares não demonstraram valor preditivo do benefício dos antibióticos em infecções do trato respiratório inferior em crianças. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1414200/testes-moleculares-nao-demonstraram-valor-preditivo-do-beneficio-dos-antibioticos-em-infeccoes-do-trato-respiratorio-inferior-em-criancas.htm>. Acesso em: 10 dez. 2022.

Complementos

1 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
2 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
3 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
4 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
5 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
6 PCR: Reação em cadeia da polimerase (em inglês Polymerase Chain Reaction - PCR) é um método de amplificação de DNA (ácido desoxirribonucleico).
7 Microbiológicos: Referente à microbiologia, ou seja, à especialidade biomédica que estuda os microrganismos patogênicos, responsáveis pelas doenças infecciosas, englobando a bacteriologia (bactérias), virologia (vírus) e micologia (fungos).
8 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
Gostou do artigo? Compartilhe!