Gostou do artigo? Compartilhe!

A hipertrigliceridemia aumenta o risco de AVC recorrente, apesar do uso de estatinas e colesterol LDL bem controlado

A+ A- Alterar tamanho da letra
Avalie esta notícia

Em novo estudo, publicado na revista Neurology, a presença de hipertrigliceridemia foi associada a mais do que o dobro do risco de AVC recorrente entre os pacientes com histórico de AVC, mesmo após ajuste para os níveis de colesterol1 LDL2 e uso de estatinas.

Os pesquisadores realizaram uma análise de dados de 870 pacientes com acidente vascular cerebral3 isquêmico4 agudo5 ou ataque isquêmico4 transitório (AIT) de um registro observacional prospectivo6 em andamento, e os resultados fornecem informações sobre o valor prognóstico7 da hipertrigliceridemia, particularmente entre pacientes com histórico de acidente vascular cerebral3 de origem aterotrombótica.

“Nosso estudo sugere que, para pessoas que tiveram derrame8 aterotrombótico, ter níveis elevados de triglicerídeos no sangue9 é um fator de risco10 para ter outro derrame8 ou outros problemas cardiovasculares no futuro, e descobrimos que isso é verdade mesmo que a pessoa esteja em terapia com estatina”, disse o autor do estudo Takao Hoshino, MD, da Tokyo Women's Medical University no Japão, em um comunicado. “A boa notícia é que as estatinas são apenas uma terapia para triglicerídeos altos – dieta e exercícios também podem ser maneiras eficazes de reduzir os níveis no sangue9 com pouco ou nenhum custo”.

Saiba mais sobre "Níveis de triglicérides11 altos - o que fazer", "Acidente Vascular Cerebral3 - o que é" e "Estatinas: prós e contras".

A hipertrigliceridemia é percebida como promotora de patologia12 aterosclerótica, mas seu papel no acidente vascular cerebral3 não foi bem definido. O objetivo do estudo foi avaliar a contribuição da hipertrigliceridemia para o risco vascular13 residual em pacientes com acidente vascular cerebral3 aterotrombótico.

O Registro de AVC da Tokyo Women's Medical University é um registro prospectivo6 e observacional contínuo, no qual 870 pacientes com AVC isquêmico4 agudo5 ou AIT dentro de 1 semana do início foram inscritos consecutivamente e acompanhados por 1 ano.

A hipertrigliceridemia foi definida como níveis séricos de triglicerídeos ≥150 mg/dL14 em jejum. A estenose15 significativa das artérias16 cervicocefálicas foi definida como tendo 50% ou mais de estenose15 ou oclusão.

O desfecho primário foi eventos cardiovasculares adversos maiores, incluindo acidente vascular cerebral3 não fatal, síndrome17 coronariana aguda não fatal e morte vascular13.

Dos 870 pacientes (idade média, 70,1 anos; homens, 60,9%), 217 (24,9%) apresentavam hipertrigliceridemia. Níveis elevados de triglicerídeos foram significativamente associados a uma maior prevalência18 de estenose15 da artéria19 intracraniana, particularmente na circulação20 anterior, em vez de estenose15 da artéria19 extracraniana.

Pacientes com hipertrigliceridemia tiveram um risco maior de eventos cardiovasculares adversos maiores do que aqueles sem (taxa anual, 20,9% vs. 9,7%; P <0,001), mesmo após ajuste para possíveis fatores de confusão, incluindo colesterol1 de lipoproteína de baixa densidade basal e uso de estatina (razão de risco ajustada, 2,46; intervalo de confiança de 95%, 1,62-3,74).

O maior risco de eventos vasculares21 em pacientes com hipertrigliceridemia versus sem hipertrigliceridemia foi observado entre os pacientes com acidente vascular cerebral3 de origem aterotrombótica (n = 174; taxa anual, 35,1% vs. 14,2%; P = 0,001), aqueles com estenose15 significativa da artéria19 intracraniana (n = 247; taxa anual, 29,9% vs. 14,7%; P = 0,006), e aqueles com estenose15 significativa da artéria19 carótida extracraniana (n = 123; taxa anual, 23,0% vs. 9,4%; P = 0,042).

Em contraste, a hipertrigliceridemia não foi preditiva de eventos vasculares21 recorrentes em pacientes com acidente vascular cerebral3 cardioembólico (n = 221; taxa anual, 19,1% vs. 10,5%; P = 0,18).

O estudo concluiu que a hipertrigliceridemia é um importante fator de risco10 modificável que impulsiona o risco vascular13 residual em pacientes com acidente vascular cerebral3 de origem aterotrombótica, mesmo durante a terapia com estatinas.

Leia sobre "Doenças cardiovasculares22", "Doenças cerebrovasculares" e "Entendendo o colesterol1 do organismo".

 

Fontes:
Neurology, publicação em 16 de março de 2022.
Practical Cardiology, notícia publicada em 17 de março de 2022.

 

NEWS.MED.BR, 2022. A hipertrigliceridemia aumenta o risco de AVC recorrente, apesar do uso de estatinas e colesterol LDL bem controlado. Disponível em: <https://www.news.med.br/p/medical-journal/1414000/a-hipertrigliceridemia-aumenta-o-risco-de-avc-recorrente-apesar-do-uso-de-estatinas-e-colesterol-ldl-bem-controlado.htm>. Acesso em: 26 nov. 2022.

Complementos

1 Colesterol: Tipo de gordura produzida pelo fígado e encontrada no sangue, músculos, fígado e outros tecidos. O colesterol é usado pelo corpo para a produção de hormônios esteróides (testosterona, estrógeno, cortisol e progesterona). O excesso de colesterol pode causar depósito de gordura nos vasos sangüíneos. Seus componentes são: HDL-Colesterol: tem efeito protetor para as artérias, é considerado o bom colesterol. LDL-Colesterol: relacionado às doenças cardiovasculares, é o mau colesterol. VLDL-Colesterol: representa os triglicérides (um quinto destes).
2 LDL: Lipoproteína de baixa densidade, encarregada de transportar colesterol através do sangue. Devido à sua tendência em depositar o colesterol nas paredes arteriais e a produzir aterosclerose, tem sido denominada “mau colesterol“.
3 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
4 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
5 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
6 Prospectivo: 1. Relativo ao futuro. 2. Suposto, possível; esperado. 3. Relativo à preparação e/ou à previsão do futuro quanto à economia, à tecnologia, ao plano social etc. 4. Em geologia, é relativo à prospecção.
7 Prognóstico: 1. Juízo médico, baseado no diagnóstico e nas possibilidades terapêuticas, em relação à duração, à evolução e ao termo de uma doença. Em medicina, predição do curso ou do resultado provável de uma doença; prognose. 2. Predição, presságio, profecia relativos a qualquer assunto. 3. Relativo a prognose. 4. Que traça o provável desenvolvimento futuro ou o resultado de um processo. 5. Que pode indicar acontecimentos futuros (diz-se de sinal, sintoma, indício, etc.). 6. No uso pejorativo, pernóstico, doutoral, professoral; prognóstico.
8 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
9 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
10 Fator de risco: Qualquer coisa que aumente a chance de uma pessoa desenvolver uma doença.
11 Triglicérides: A principal maneira de armazenar os lipídeos no tecido adiposo é sob a forma de triglicérides. São também os tipos de lipídeos mais abundantes na alimentação. Podem ser definidos como compostos formados pela união de três ácidos graxos com glicerol. Os triglicérides sólidos em temperatura ambiente são conhecidos como gorduras, enquanto os líquidos são os óleos. As gorduras geralmente possuem uma alta proporção de ácidos graxos saturados de cadeia longa, já os óleos normalmente contêm mais ácidos graxos insaturados de cadeia curta.
12 Patologia: 1. Especialidade médica que estuda as doenças e as alterações que estas provocam no organismo. 2. Qualquer desvio anatômico e/ou fisiológico, em relação à normalidade, que constitua uma doença ou caracterize determinada doença. 3. Por extensão de sentido, é o desvio em relação ao que é próprio ou adequado ou em relação ao que é considerado como o estado normal de uma coisa inanimada ou imaterial.
13 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
14 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
15 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
16 Artérias: Os vasos que transportam sangue para fora do coração.
17 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
18 Prevalência: Número de pessoas em determinado grupo ou população que são portadores de uma doença. Número de casos novos e antigos desta doença.
19 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
20 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
21 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
22 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
Gostou do artigo? Compartilhe!